A Bela e o Monstro Uma história infantil

Era uma vez um príncipe egoísta que um dia não prestou ajuda a uma velhinha que a solicitou. Só que esta era uma bruxa e gritou uma maldição:

- Julgas-me indefesa! Pela tua falta de piedade condeno-te a viver a partir de hoje como uma Besta.

A transformação foi imediata! O destino da fera ficaria ligado ao de uma rosa encantada, que viveria até que ele chegasse aos 21 anos. Então os dois morreriam. A menos que alguém o amasse!

- Mas que mulher gostará de mim assim?

Anos depois, numa aldeia próxima, já tinham esquecido o sucedido. Ali residia Bela, moça bonita, que gostava muito de ler e que era cortejada por diversos moços.

Uma noite Maurício, o pai de Bela, perdeu-se no Bosque e, depois de muito caminhar, chegou ao castelo de Besta. Chamou, chamou e, como ninguém acorresse e a porta estivesse aberta, entrou e sentou-se junto da lareira, para se aquecer.

- Invadiste a minha casa, velho! - gritou Besta.

- Sou um inventor... suplicou Maurício. - Juro que não direi a ninguém que o vi... Deixe-me ir embora...

- Cala-te. - rugiu Besta. - És meu prisioneiro!

Dias depois, Bela entrou no castelo, quando andava desesperada em busca do pai.

- Alguém me ouve?

Besta apareceu e levou-a à cela do pai.

- Velho, vai-te embora, mas se contares a alguém o meu segredo, não verás mais a tua filha!

Noite dentro, Besta lembrou-se que deveria conseguir o amor sincero de uma mulher... Mas como?

Com pena de Bela, conduziu-a a um grande e confortável quarto. Deu-lhe de comer e portou-se com a máxima educação. E ofereceu-lhe um lindo vestido.

No dia seguinte, ao entrar na biblioteca do castelo, ficou espantada.

- Nunca vi tantos livros. Já os leu todos?

- Não, respondeu Besta.

- Creio que é mais humano do que aparenta, senhor!

Continuando o mostrar-lhe o castelo, entraram na sala aonde se encontrava a rosa mágica.

- Está a morrer! - gritou ela.

- E eu morro com ela! - disse tristemente Besta.

Entretanto Bela voltou à aldeia, para salvar o pai que, por ser inventor, o povo achava louco. E no afã de apresentar argumentos falou do castelo e do seu dono, salientando a bondade deste. Mas ninguém acreditou nela. E os camponeses armaram-se com forquilhas e enxadas para matar Besta.

Bela adiantou-se e, correndo quanto podia, conseguiu chegar primeiro ao castelo. E avisou o príncipe do perigo que o espreitava. Mas, já muito farto da vida que levava, ele não quis lutar. Um dos camponeses feriu-o com um punhal e empurrou-o de uma varanda do castelo.

- Vou ajudar-te! - gritou Bela. - Não podes morrer!

Correu até ao jardim e beijou com amor Besta, tentando reanimá-lo.

Milagre, este voltou a ser o príncipe que antes fora. Mas nunca mais egoísta e cruel.

O castelo encheu-se de vida. E logo depois veio a boda dos dois enamorados, que viveram felizes para sempre.

Created By
Joana Espadilha Ana Carvalho
Appreciate

Report Abuse

If you feel that this video content violates the Adobe Terms of Use, you may report this content by filling out this quick form.

To report a Copyright Violation, please follow Section 17 in the Terms of Use.