Administração de Sistemas de Informação André Alves Prado - Administração de Sistemas de Informações

Apresentação da oficina

Caro aluno,

Nesta oficina você estará aprofundando seus conhecimentos de administração de sistemas de informação nas organizações.

Nesta oficina são apresentados a evolução das Tecnologias de Informação e os fundamentos da administração de sistemas de informação.

Bom aproveitamento!

Novos tempos estão chegando. O papel da área de TI esta mudando. Depois de um ciclo inicial onde TI era fortemente reconhecida nas empresas introduzindo as tecnologias que permitiram o desenvolvimento nos últimos 25 anos, o que chamamos de TI Tecnologia da Informação, está se transformando, deixando de ter um papel meramente operacional – com o propósito de entregar resultados focados na disponibilização de serviços – para uma nova função, vinculada a inovação e a evolução dos negócios das empresas.

Este modelo meramente operacional será progressivamente terceirizado, ou levado para a nuvem, com melhor qualidade e disponibilidade do que é encontrado nas empresas atualmente. Pouquíssimas ainda preservarão os conceitos anteriores em função de suas origens e de seu passado, mas a grande maioria vivenciará este novo cenário mercadológico.

Dentre este novo cenário, a inovação como um diferencial competitivo ganhará espaço. Das antigas preocupações em avaliar os melhores equipamentos e softwares, dos sistemas de segurança a operação dos sistemas de gestão, passarão a valorizar as Informações que circulam na organização como um verdadeiro ativo, assim como recentemente começaram a se preocupar com os grandes volumes de dados externos, voltado para a gestão de clientes, o chamado big data.

A Informação como tecnologia, ao invés da tecnologia da informação, passará a ocupar a mente dos lideres das antigas áreas de TI e das novas áreas de negócios.

Devemos, contudo, lembrar que essa informação pode ser tratada como dados, através do uso de métricas, e ser analisada para os mais diversos propósitos. Nesse panorama, o Valor da Informação estará em alta nas organizações, onde Informação é tudo que circula e se armazena, ou se dispersa.

A melhor integração das pessoas, a identificação das lideranças internas, a organização das informações e a valorização relevante das mesmas, seriam mais bem aproveitadas por todos.

Fonte: Julio Augusto Vidotti Fonte: http://hbrbr.com.br/informacao-como-tecnologia/

Evolução da TI

Pascal, Leibnitz e Babbage, deixaram seus nomes na história pelo esforço que realizaram para desenvolver máquinas capazes de fazer cálculos automaticamente. Porém a era da computação moderna só teve seu início na década de 1940, com a construção do Mark I por Artiken, na Universidade de Harvard nos Estados Unidos. Nos anos que sucederam, surgiram novos equipamentos cada vez maiores baseados em um conceito de que quanto maior o equipamento, maior sua capacidade de processamento (BROOKSHEAR, 2003). Estes equipamentos eletrônicos chamaram a atenção da indústria, que logo percebeu as grandes possibilidades que eles proporcionavam e a partir da década de 1950 iniciou-se a utilização comercial destes equipamentos. Desde então foram reconhecidos como a primeira geração de computadores construídos utilizando válvulas.

No final da década de 1950, os computadores eram completamente transistorizados e ficaram conhecidos como a segunda geração. Nesta fase já aparecem modelos destinados a segmentos específicos, como da ciência e do comércio (RODRIGUEZ, 2000). Segundo o autor, a tecnologia em constante evolução foi determinante para o uso de circuitos integrados na década de 1960, o que possibilitou a um mesmo equipamento atender a demanda comercial e da científica. A partir desta evolução tecnológica, foi abandonada a classificação dos computadores em gerações, e no final da década, o processamento de dados passa a ser totalmente centralizado surgindo o CPD (centro de processamento de dados). Na década de 1970 com o aparecimento dos pacotes de material requirements planning (MRP), as empresas passam a ter controle da área de produção através deste pacote de software, controlando o estoque e apoiando o planejamento de produção e compras.

Nos anos 80 surge o manufacturing resource planning (MRPII), que além das funcionalidades do MRP, passa a tratar o planejamento de capacidade de produção e de funções financeiras, como de orçamento e custeio da produção. Porém, os MRP II, não tinham integração com os demais processos empresariais (TENÓRIO, 2007). Segundo Tenório (2007), como resultado da evolução da microinformática na década de 1990 apareceram os primeiros ERP, enterprise resource planning, que integraram toda a empresa. Inicia-se uma visão de processos deixando de lado a visão departamental que a TI até então tinha das empresas. Atualmente, existe uma forte necessidade do apoio da área de TI (tecnologia da informação) aos processos de negócios das organizações (MAGALHÃES, 2007).

O alinhamento da área de TI com a área de negócios da empresa, gera uma nova oportunidade profissional e de direcionamento de carreira neste segmento. O desafio enfrentado pelos primeiros profissionais de tecnologia era o de atender a necessidade de transformar os dados em informações (FERRANTE, 2000). As análises feitas sobre essas informações eram competências exclusivas dos profissionais das áreas de finanças, contabilidade, produção, vendas, dentre outras, e não do profissional de tecnologia que atuava nos chamados CPD’s (Centro de Processamento de Dados) quase que enclausurados. Com a evolução da própria tecnologia, o profissional que nela atua também foi sofrendo uma transformação em seu comportamento frente às necessidades das organizações (FERRANTE, 2000). A partir de então precisa-se da integração deste profissional com os profissionais das outras áreas, passando não só a ter competências técnicas, mas também competências em gestão de pessoas e de negócios.

Como a história da TI e a integração com a área de negócios das organizações influenciou na mudança desse profissional e como é este novo perfil? Atualmente o profissional de TI com múltiplas experiências é mais valorizado do que aquele que passou anos e anos em uma única função ou até mesmo em uma única empresa. Sem dúvida, a área de tecnologia é capaz de oferecer ao profissional varias oportunidades para recomeçar. Nesse caso, o conhecimento passado significa acúmulo de experiência e não obsolescência, pois a mudança tecnológica dá a chance de se ter um diferencial competitivo frente aos demais profissionais. É fundamental para o profissional de TI atual, estar constantemente aprimorando suas habilidades técnicas, bem como, as habilidades de negócios e relacionamento humano (REZENDE, 2005).

Do Software aos Sistemas de Informação

Na história da TI, seus recursos sempre estavam direcionados para software ou sistemas de informações operacionais, garantindo principalmente os procedimentos básicos dos dados das organizações. Pouco tempo atrás, os sistemas de informação (SI) ainda se baseavam em modelos operacionais, chamados de sistemas de informação operacionais ou especialistas. Atualmente não se pode ter uma visão estritamente técnica e rígida, pois uma grande parte dos problemas que afetam as organizações, dizem respeito ao comportamento humano (ROSINI, 2003). Entrando em uma visão sociotécnica, os sistemas passam a ter amplitude gerencial servindo como base para as funções de planejamento, controle e tomada de decisão. Normalmente, são dependentes dos sistemas de informações operacionais que servem como base de dados para seus relatórios (ROSINI, 2003). Acima desses sistemas de informações operacionais e gerenciais existem os sistemas de informações estratégicos. Os SI estratégicos trabalham com os dados no plano macro considerando a relação entre o meio ambiente interno e externo, auxiliando os processos de tomadas de decisões da alta administração (REZENDE, 2005). Rezende (2005), também afirma que as principais tecnologias de informação aplicadas à geração de informações oportunas dos SI são: Executive Information Systems (EIS); Enterprise Resource Planning (ERP); Sistemas de Apoio a Decisões (SAD); Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD); Data Warehouse (DW); Recursos da Inteligência Artificial (IA); Sistemas Especialistas; Data Mining (DM); Database Marketing (DBM); recursos da internet; automação de escritórios; recursos On-Line Analytic Processing (OLAP), On-Line Transaction Processing (OLTP), Business Intelligence (BI), entre outras.

Juntamente com a utilização dessas tecnologias, surgem os sistemas de informações de conhecimento, que geram conhecimentos organizados para contribuir com as empresas e com a sociedade como um todo. Compostos pelos recursos emergentes da TI ou por simples softwares específicos podem ser geradas informações oportunas e/ou conhecimentos personalizados com valores agregados. A difusão de informações relevantes e úteis produzidas com qualidade, de forma antecipada e transformadas em conhecimento, dá suporte à obtenção de vantagem competitiva e à conquista da inteligência empresarial (ROSINI, 2003).

Fonte: Prado, A. A.; Bittencourt, A. B.

Entenda o conceito de Sistemas de Informação

Para Laudon, um sistema de informação pode ser definido como um conjunto de componentes inter-relacionados que trabalham juntos para coletar, recuperar, processar, armazenar e distribuir informação com a finalidade de facilitar o planejamento, o controle e o processo decisório em empresas e outras organizações. Os sistemas de informação também contêm informações sobre as pessoas, os lugares e coisas de interesses diversos para a empresa. Eles transformam a informação em uma forma utilizável para que a alta administração possa tomar decisões, analisar e visualizar assuntos complexos. No geral, os sistemas fazem isso através de um ciclo de três atividades básicas: entrada, processamento e saída.

Principais características dos Sistemas de Informação

> Relevância: Como uma das principais características dos sistemas de informação, nós podemos citar sua capacidade de produzir informações realmente necessárias à organização. Os sistemas recebem e tratam informações que são consideradas confiáveis, e que chegam em tempo hábil, possuindo um custo condizente ao pretendido pela empresa, como também atende seus requisitos operacionais e gerenciais de tomada de decisão.

> Integração: Os sistemas de informação também possuem a capacidade de se integrar à estrutura da organização. Dessa maneira, os sistemas conseguem auxiliar na coordenação das diferentes unidades organizacionais, como por exemplo, seus departamentos, divisões, diretorias, etc. Esse auxilio acontece de forma interligada, otimizando e acelerando a tomada de decisão entre os principais setores existentes na empresa.

> Fluxo Independente: Outra característica peculiar, mas da mesma forma essencial dos sistemas de informação, é a sua capacidade de possuir um fluxo de procedimentos paralelo (interno e externo) ao processamento de dados. Esse fluxo trabalha de uma forma racional, sendo integrado aos subsistemas do sistema, além de atuar de forma rápido e de possuir o menor custo possível.

> Controle: Além das características dos sistemas de informação já citadas acima, vale ressaltar que eles ainda podem contar com dispositivos de controle interno, que garantem ainda mais a confiabilidade das informações de saída (informações que passam pela etapa de processamento), atuando também de uma maneira mais adequada em prol da proteção dos dados controlados pelo próprio sistema organizacional.

> Diretrizes: Por fim, como a última das cinco características principais de um sistema de informação organizacional, nós podemos citar sua capacidade de processar e de ter por base diretrizes capazes de assegurar a realização dos objetivos que a empresa enseja de maneira direta, simples e eficiente. Em um sistema, várias partes trabalham juntas visando um determinado objetivo em comum. Em um sistema de informação não é diferente, por isso ele atua de forma rápida e segura em suas operações.

Tipos de sistemas de informação

Existem diferentes interesses, especialidades, e níveis em uma organização, sendo assim também existem diferentes tipos de sistemas de informação. Vale a pena ressaltar, que sozinho nenhum sistema é capaz de fornecer todas as informações de que uma empresa necessita, por isso eles são estruturados de uma forma integrada, para assim serem capazes de atender esses diferentes interesses organizacionais. Um sistema de informação possui vários elementos inter-relacionados, mas ao todo existem apenas quatro níveis distintos entre os tipos de sistemas: estratégico, tático, conhecimento e operacional. Alguns destes são bastante conhecidos no meio empresarial, dentre os quais, podemos citar:

> Planejamento de recursos empresariais (ERP): Sistemas integrados de gestão empresarial ou em inglês: Enterprises Resource Planning, são sistemas que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema. A integração pode ser funcional, ou sistêmica que em termos gerais visam integrar os diversos departamentos da empresa, possibilitando a automação e o armazenamento de todas as informações do negócio. Os ERP são conhecidos como plataformas de softwares que foram desenvolvidos para integrar os diversos departamentos de uma empresa. Ele possibilita a automatização e o armazenamento das informações.

> Gerenciamento de relacionamento com clientes (CRM): Customer Relationship Manager é um termo em inglês que em português significa: Gestão do Relacionamento com o Cliente. É uma ferramenta que automatiza todas as funções de contato com o cliente e auxiliam as companhias a criarem e manterem um bom relacionamento com seus clientes, através do armazenamento e inter-relacionamento trabalhado de forma inteligente, que juntos agregam informações sobre as atividades e interações do cliente com a empresa. Trata-se de um sistema de gestão de relacionamento que visa anteciparem-se as necessidades dos clientes.

Os sistemas de informação são todos os sistemas que manipulam dados (recebendo e tratando-os), e com isso gerando informação. Vale ressaltar que, não importa se o sistema faz uso ou não de recursos de tecnologia em computadores, pois é importante termos em mente que um sistema de informação organizacional pode ser conceituado como a própria organização da qual faz parte, assim como seus vários subsistemas e seu ambiente externo. Os sistemas também são considerados qualquer conjunto de componentes e processos por ele executado, que juntos visam transformar determinadas entradas em saídas. Eles são um recurso fundamental para qualquer empresa nos tempos atuais, uma vez que fortalecem o plano de atuação da mesma nos mercados dos quais fazem parte.

Created By
Lucas Campos Moura
Appreciate

Report Abuse

If you feel that this video content violates the Adobe Terms of Use, you may report this content by filling out this quick form.

To report a Copyright Violation, please follow Section 17 in the Terms of Use.