Introdução ao Direito Empresarial Paládia Oliveira - Direito Empresarial

Caro aluno (a),

A área do Direito é essencial para minimizar riscos ao negócio. Diante disso, o administrador necessita de conhecimentos do direito empresarial e do trabalho para a melhor condução das suas atividades nas organizações.

Esta oficina desenvolve fundamentos do direito empresarial. Para ampliar seu processo de aprendizagem, a oficina traz vídeo e exercícios de avaliação.

Bom estudo!

1. Resumo de Direito Empresarial (OAB)

Direito Empresarial

1. Empresário: Empresário é um género, dividido em três espécies, sendo que empresário é que exerce atividade. Os empresários estão sujeitos às regras do Direito Empresarial, são obrigados a se inscreverem na junta Comercial, e podem requerer sua falência e recuperação judicial. (Art. 966 do Código Civil).

Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços.

1.1. Espécies de Empresário:

A. Empresário Individual (Pessoa Física)

Pessoa física que exerce profissionalmente atividade econômica, de forma organizada, para a produção ou circulação de bens ou de serviços, ou seja, pessoa física que explora uma empresa.

Requisitos:

  1. Profissionalismo: habitualidade e pessoalidade;
  2. Atividade Econômica: finalidade lucrativa;
  3. De forma organizada: Organização dos fatores de produção, com capital, mão de obra e insumos.
  4. Produção ou circulação: Bens ou serviço.

EXCEÇÕES:

Quem exerce atividade intelectual (art. 966, § único, CC). Parágrafo único. Não se considera empresário quem exerce profissão intelectual, de natureza científica, literária ou artística, ainda com o concurso de auxiliares ou colaboradores, salvo se o exercício da profissão constituir elemento de empresa.

Exemplos: Médicos, arquitetos, advogados, jornalistas, músicos, artistas, escritores, etc.

OBS: Exceção, Elemento da empresa.

Quem exerce atividade rural(Art. 971 do CC) - Art. 971. O empresário, cuja atividade rural constitua sua principal profissão, pode, observadas as formalidades de que tratam o art. 968 e seus parágrafos, requerer inscrição no Registro Público de Empresas Mercantis da respectiva sede, caso em que, depois de inscrito, ficará equiparado, para todos os efeitos, ao empresário sujeito a registro.

OBS: Exceção, quando existe o registro.

REQUISITOS: Podem exercer a atividade de empresário os que estiverem em pleno gozo de capacidade civil e não forem legalmente impedidos.

B. EIRELI (Pessoa Jurídica) EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LTDA (art. 980 – A)

Art. 980-A. A empresa individual de responsabilidade limitada será constituída por uma única pessoa titular da totalidade do capital social, devidamente integralizado, que não será inferior a 100 (cem) vezes o maior salário-mínimo vigente no País.

§ 1º O nome empresarial deverá ser formado pela inclusão da expressão "EIRELI" após a firma ou a denominação social da empresa individual de responsabilidade limitada.

§ 2º A pessoa natural que constituir empresa individual de responsabilidade limitada somente poderá figurar em uma única empresa dessa modalidade.

§ 3º A empresa individual de responsabilidade limitada também poderá resultar da concentração das quotas de outra modalidade societária num único sócio, independentemente das razões que motivaram tal concentração.

§ 4º (VETADO).

§ 5º Poderá ser atribuída à empresa individual de responsabilidade limitada constituída para a prestação de serviços de qualquer natureza a remuneração decorrente da cessão de direitos patrimoniais de autor ou de imagem, nome, marca ou voz de que seja detentor o titular da pessoa jurídica, vinculados à atividade profissional.

§ 6º Aplicam-se à empresa individual de responsabilidade limitada, no que couber, as regras previstas para as sociedades limitadas.

• É de responsabilidade limitada.

Nome empresarial: é aquele com que (o empresário ou sociedade empresaria) se apresenta nas relações de fundo econômico.

OBS: O capital social da EIRELI devera corresponder há no mínimo 100 vezes o valor do salário mínimo vigente à época e deverá ser integralizado no momento da constituição.

Espécies:

Firma: Individual ou social

Firma Individual: empresário individual, composta pelo nome civil do empresário.

Art. 1.156. O empresário opera sob firma constituída por seu nome, completo ou abreviado, aditando-lhe, se quiser, designação mais precisa da sua pessoa ou do gênero de atividade.

Firma Social: Razão Social: Aplicável às sociedades que possuem sócios com responsabilidade ilimitada.

  • Denominação pode ser composta por qualquer expressão linguística, acrescida da atividade exercida.
  • Aplicável nas sociedades onde os sócios tenham responsabilidade LTDA.
  • A composição deve contar com expressão linguística, sendo obrigatória a presença do ramo da atividade.

CAPITAL SOCIAL:

  • Capital social 10 vezes o salário mínimo, integralizado no momento da constituição.
  • Bens
  • Dinheiro
  • Créditos

OBS: Só pode ser constituída por pessoas naturais. “Não pode ser titular da EIRELI a pessoa jurídica, bem assim a pessoa natural impedida por norma constitucional ou por Lei especial”.

Art. 980-A. A empresa individual de responsabilidade limitada será constituída por uma única pessoa titular da totalidade do capital social, devidamente integralizado, que não será inferior a 100 (cem) vezes o maior salário-mínimo vigente no País.

§ 2º A pessoa natural que constituir empresa individual de responsabilidade limitada somente poderá figurar em uma única empresa dessa modalidade.

C. Sociedades Empresárias (Pessoa Jurídica): A sociedade empresária pode ser conceituada como a pessoa jurídica de direito privado não estatal, que explora empresarialmente seu objetivo social ou adota a forma de sociedade por ações.

D. Art. 982. Salvo as exceções expressas, considera-se empresária a sociedade que tem por objeto o exercício de atividade própria de empresário sujeito a registro (art. 967); e, simples, as demais.

Parágrafo único. Independentemente de seu objeto, considera-se empresária a sociedade por ações; e, simples, a cooperativa.

OBS: As sociedades simples serão registradas em cartório de registro das pessoas jurídicas.

Divisão das sociedades:

  1. Sociedades Empresárias: São aquelas que têm como objeto o exercício de atividade típica do empresário.
  2. Sociedades Simples: São aquelasque exercem atividade intelectual, ou rural sem registro, salvo se constituído elemento de registro, ou exercer uma atividade rural (salvo se tiverem optado pelo registro).

EXCEÇÕES: As sociedades por ações serão sempre empresárias, e as cooperativas serão sempre simples, nos dois casos independentemente do objeto ou atividade exercida, sendo a cooperativa registada na junta Comercial. (art. 982, §único, CC).

Art. 982. Salvo as exceções expressas, considera-se empresária a sociedade que tem por objeto o exercício de atividade própria de empresário sujeito a registro (art. 967); e, simples, as demais.

Parágrafo único. Independentemente de seu objeto, considera-se empresária a sociedade por ações; e, simples, a cooperativa.

1.2. Classificação das Pessoas Jurídicas:

Art. 44. São pessoas jurídicas de direito privado:

I - as associações;

II - as sociedades; (fins lucrativos).

III - as fundações.

IV - as organizações religiosas;

V - os partidos políticos.

VI - as empresas individuais de responsabilidade limitada. EIRELI (fins lucrativos).

1.3. Das Obrigações dos Empresários:

A. Registro:

O registro será realizado no âmbito estatal pela junta Comercial, no Federal, pelo DNRC (departamento nacional de registro do comércio).

Art. 967. É obrigatória a inscrição do empresário no Registro Público de Empresas Mercantis da respectiva sede, antes do início de sua atividade.

B. O registro do empresário tem natureza meramente declaratória.

EXCEÇÃO: Na hipótese do rural, tal ato terá natureza constitutiva: (Art. 971, CC).

Art. 971. O empresário, cuja atividade rural constitua sua principal profissão, pode, observadas as formalidades de que tratam o art. 968 e seus parágrafos, requerer inscrição no Registro Público de Empresas Mercantis da respectiva sede, caso em que, depois de inscrito, ficará equiparado, para todos os efeitos, ao empresário sujeito a registro.

OBS: As juntas comerciais tem competência para executar atos de registro, quais sejam:

  1. Matricula: Atos de inscrição dos auxiliares do comércio
  2. Arquivamento e registro: ato de inscrição do empresário e registro dos atos de constituição, alteração ou dissolução das sociedades empresárias.
  3. Autenticação: condição de regularidade dos instrumentos de escrituração – livros comerciais e fichas escriturais.

C. ESCRITURAÇÃO DOS SEUS LIVROS (art. 1.179 do CC)

Art. 1.179. O empresário e a sociedade empresária são obrigados a seguir um sistema de contabilidade, mecanizado ou não, com base na escrituração uniforme de seus livros, em correspondência com a documentação respectiva, e a levantar anualmente o balanço patrimonial e o de resultado econômico.

§ 1o Salvo o disposto no art. 1.180, o número e a espécie de livros ficam a critério dos interessados.

§ 2o É dispensado das exigências deste artigo o pequeno empresário a que se refere o art. 970.

D. BALANÇO (art. 1.179 do CC) Empresário deverá levantar anualmente o balanço patrimonial e o de resultado econômico.

1.4. Estabelecimento Empresarial:

O Estabelecimento empresarial é a reunião dos bens necessários ao desenvolvimento da atividade econômica. (art. 1.142, do CC)

Art. 1.142. Considera-se estabelecimento todo complexo de bens organizado, para exercício da empresa, por empresário, ou por sociedade empresária.

Trata-se de uma universalidade de fato.

1.5. Alienação do estabelecimento empresarial:

Através do TRESPASSE – Contrato de alienação do estabelecimento empresarial

• Em regra o empresário tem liberdade para alienar o estabelecimento, uma vez que necessitará da anuência de seus credores.

Art. 1.145. Se ao alienante não restarem bens suficientes para solver o seu passivo, a eficácia da alienação do estabelecimento depende do pagamento de todos os credores, ou do consentimento destes, de modo expresso ou tácito, em trinta dias a partir de sua notificação.

A eficácia da transferência só se dará na hipótese de pagamento de todos os credores ou a anuência dos mesmos. Será ineficaz a alienação irregular, ou seja, não produz efeitos. Poderá ensejar a decretação da falência.

1.5.1. Sucessão das dívidas:O adquirente do estabelecimento responde por todas as dívidas e transferências, desde que tenha conhecimento destas.

Art. 1.146. O adquirente do estabelecimento responde pelo pagamento dos débitos anteriores à transferência, desde que regularmente contabilizados, continuando o devedor primitivo solidariamente obrigado pelo prazo de um ano, a partir, quanto aos créditos vencidos, da publicação, e, quanto aos outros, da data do vencimento.

Em relação aos contratos, a transferência acarreta a sub-rogação, salvo os de caráter pessoal.

Art. 1.148. Salvo disposição em contrário, a transferência importa a sub-rogação do adquirente nos contratos estipulados para exploração do estabelecimento, se não tiverem caráter pessoal, podendo os terceiros rescindir o contrato em noventa dias a contar da publicação da transferência, se ocorrer justa causa, ressalvada, neste caso, a responsabilidade do alienante.

OBS: Na hipótese de alienação, não será admitida a concorrência do alienado.

Art. 1.147. Não havendo autorização expressa, o alienante do estabelecimento não pode fazer concorrência ao adquirente, nos cinco anos subsequentes à transferência.

Parágrafo único. No caso de arrendamento ou usufruto do estabelecimento, a proibição prevista neste artigo persistirá durante o prazo do contrato.

1.6. Ponto Empresarial:

A proteção do ponto empresarial, na hipótese em que o imóvel for locado, a se dará pela Lei de locação (Lei 8.245/91).

Art. 51. Nas locações de imóveis destinados ao comércio, o locatário terá direito a renovação do contrato, por igual prazo, desde que, cumulativamente:

I - o contrato a renovar tenha sido celebrado por escrito e com prazo determinado;

II - o prazo mínimo do contrato a renovar ou a soma dos prazos ininterruptos dos contratos escritos seja de cinco anos;

III - o locatário esteja explorando seu comércio, no mesmo ramo, pelo prazo mínimo e ininterrupto de três anos.

§ 1º O direito assegurado neste artigo poderá ser exercido pelos cessionários ou sucessores da locação; no caso de sublocação total do imóvel, o direito a renovação somente poderá ser exercido pelo sublocatário.

§ 2º Quando o contrato autorizar que o locatário utilize o imóvel para as atividades de sociedade de que faça parte e que a esta passe a pertencer o fundo de comércio, o direito a renovação poderá ser exercido pelo locatário ou pela sociedade.

§ 3º Dissolvida a sociedade comercial por morte de um dos sócios, o sócio sobrevivente fica sub - rogado no direito a renovação, desde que continue no mesmo ramo.

§ 4º O direito a renovação do contrato estende - se às locações celebradas por indústrias e sociedades civis com fim lucrativo, regularmente constituídas, desde que ocorrentes os pressupostos previstos neste artigo.

Created By
Lucas Campos Moura
Appreciate

Report Abuse

If you feel that this video content violates the Adobe Terms of Use, you may report this content by filling out this quick form.

To report a Copyright Violation, please follow Section 17 in the Terms of Use.