Loading

Te joga pela janela de uma nova tela! uma perspectiva de expansão para exponencializar histórias

Nosso movimento parte da visão de espectadores, pesquisadores e de curiosos questionadores,

pessoas que estão constantemente observando seu entorno, os conteúdos e conhecimentos em órbita

I Origins (2014) - EUA

Pela admiração e contemplação de obras audiovisuais como janelas para outras realidades ou como oportunidades para viagens dimensionais, nos unimos com um propósito

"Evidenciar o potencial da expressão cinematográfica como um canal de expansão de perspectivas, atitudes e verdades independentes".
KÉKSZAKÁLLÚ (2016) - Argentina

Pesquisamos então, as possibilidades de desenvolvimento para o nosso propósito na prática e começamos observando o complexo de independência no cinema.

Alps (2011) - Grécia

Percebendo que, ao serem expostos ao mercado como uma obra cultural, os filmes se dividem em duas principais categorias:

o famoso mainstream e o marginalizado independente
Copie Conforme (2010) - Itália | La Bande à Juliette (2016) - França

estas duas esferas se divergem em toda cadeia de valor do cinema, desde a etapa de produção, durante a distribuição e principalmente na fase de exibição

as obras mainstream são normalmente realizadas por grandes produtoras privadas e se inserem em um mercado com forte presença corporativa

La Grande Bellezza (2013) - Itália

já as expressões independentes são produzidas por pequenas empresas unidas ou recebem influência direta do governo

Gata Velha Ainda Mia (2014) - Brasil

em formato de indústria, a carreira de um filme mainstream é distribuída a partir de um planejamento prévio com estratégias de marketing e mídia

La Giovinezza (2015) - Itáila

e o independente vai buscando visibilidade em festivais e seguindo o fluxo das oportunidades para que seu filme seja visto

High-Rise (2015) - Inglaterra

Isso tudo acontece, porque dentro da cadeia de valor do cinema independente as etapas não estão tão integradas como na indústria de massa.

Por exemplo, há uma diversidade enorme de países produtores de filmes no mundo, a India é o que mais produz, logo depois dos EUA, China, Japão e França.

Confessions (2010) - Japão Pina (2011) - Alemanha Les Fantomes D'ismael (2017) - França
Mas porque estes filmes não chegam até nós?

Aí entra o papel fragmentado da distribuição onde estas obras dependem de festivais e de rodadas de negociação, para lograr contratos com distribuidoras e assim, alcançar canais de acesso para exibirem seu filme.

Attemberg (2014) - Grécia

e mesmo estes que chegam na etapa de exibição enfrentam dificuldades em competir com a ofensiva e dominadora oferta mainstream no mesmo canal

por exemplo no Brasil, segundo a Ancine em 2018

O Rio Nos Pertence (2013) - Brasil

enquanto 153 salas de cinema exibiam filmes comerciais

Hanna (2011) - Finlândia

apenas 5 ofertavam obras independentes

Incompresa (2014) - Itália

Porém, nem tudo esta perdido!

Pois, foi nesse cenário que encontramos a oportunidade de inverter a cadeia e criar um novo ciclo de valor, para essas obras e para espectadores inquietos como nós.

Adieu au Langage (2014) - França | Antes o Tempo não Acabava (2016 - Brasil | Beasts of the Southern Wild (2012) - EUA

Desdobramos uma maneira de encontrar esses filmes, mesmo que não distribuídos no Brasil e entramos em contato diretamente com os produtores para licenciar-las à exibição.

Desenvolvemos uma rede de legendadores próprios para traduzirem, interpretarem e sintonizarem as obras para nossa linguagem mãe.

E migramos da sala de cinema, explorando novas dimensões arquitetônicas em um movimento de ressignificação do cinema como experiência de aprendizado em novos espaços de exibição.

Il Racconto dei Racconti (2015) - Itália
Mas o que são estes novos espaços de exibição?

dividimos as oportunidades e aplicações em

3 ambientes

Escolar

Inserindo o cinema como uma ferramenta de ensino e transformação, o colocamos como núcleo de debates e experiências de aprendizado.

Manifesto (2015) - Austrália

#1.

Escutamos as demandas das escolas/universidades ou instituições de ensino e definimos temáticas e conteúdos a serem trabalhados.

#2.

Selecionamos filmes que estejam em sintonia com as premissas definidas na etapa anterior.

Les Démons (2015) - França

#3

Licenciamos e desenvolvemos as legendas para as obras que pretendemos apresentar.

#4

Co-criamos então, com a instituição, um material didático que integre a linguagem dos filmes com os valores do conteúdo.

Poetry (2010) - Coréia do Sul

#5.

Promovemos as exibições no formato de eventos experienciais

#6.

Absorvemos a experiência através do exercício da crítica em debates e dinâmicas.

Born into Brothels (2004) - Índia

Corporativo

Inserindo o cinema como uma ferramenta de engajamento e comportamento, o posicionamos como núcleo de reflexão e evidências de cultura organizacional.

La Grande Bellezza (2013) - Itália

#1.

Escutamos as demandas das empresas e definimos temáticas e conteúdos a serem trabalhados.

#2.

Selecionamos filmes que estejam em sintonia com as premissas definidas na etapa anterior.

Ex Machina (2015) - Reino Unido

#3.

Licenciamos e desenvolvemos as legendas para as obras que pretendemos apresentar.

#4.

Co-criamos então, com a organização, um material institucional que unifique a linguagem dos filmes com os valores da empresa.

Il Sono L'amore (2009) - Itália

#5.

Promovemos as exibições no formato de eventos experienciais

#6.

Ampliamos a experiência através do exercício da crítica em debates e dinâmicas.

Like Father, Like Son (2013) - Japão

Artístico

Inserindo o cinema como ferramenta de expressão e crítica, o inserimos como núcleo para outros desdobramentos artísticos.

Marguerite (2015) - Bélgica

#1.

Escutamos as demandas dos colegas curadores em galerias e museus e selecionamos estéticas e linguagens a serem trabalhadas.

#2.

Selecionamos filmes que estejam em sintonia com as expressões refletidas na etapa anterior.

Rust and Bone (2012) - Bélgica

#3.

Licenciamos e desenvolvemos as legendas para as obras que pretendemos apresentar.

#4.

Co-criamos então, com o ambiente, um material manifesto que unifique a linguagem dos filmes com as premissas da exposição.

Respire (2014) - França

#5.

Promovemos as exibições em diferentes formatos de expografia.

#6.

Ampliamos a experiência através do exercício da crítica em debates e encontros cruzando as representações artísticas.

Daisies (1966) - Checoslováquia

Acreditamos que é dessa forma que podemos levar o cinema independente para ambientes em que ele seja contemplado com toda sua densidade e intensidade.

Então

quem tem, conhece, tá sabendo ou tá participando de um filme massa que não tenha distribuição no Brasil ainda, fala com a gente se quiser compartilhar ele com o povo

Nostalgia de la luz (2010) - Chile | Café de Flore (2011) - Canadá | Carol (2015) - EUA

quem tem, conhece, tá sabendo ou tá desenvolvendo um espaço massa que dê para projetar filmes, fala com a gente se quiser inventar eventos malucos de cine ao ar livre, em baixo da água, no meio do mato ou numa casinha de sapê.

Knight of Cups (2015) - EUA | Alpeis (2011) - Grécia | După Dealuri (2012) - Romênia

quem tem, conhece, tá sabendo ou tá estudando um tema massa que seja incrível de aprendermos ou ensinarmos sobre, fala com a gente se quiser que busquemos filmes e conteúdos sobre ele para colocarmos em jogo e no debate.

Jodaeiye Nader az Simin (2011) - Irã | Testről és lélekről (2017) - Hungria | Only Lovers Left Alive (2013) - Reino Unido

quem tem, conhece, tá tendo ou tá pensando em ter uma ideia disruptiva em relação a tudo isso, fala com a gente que a gente da um jeito de conectar universos!

Brooklyn (2015)-Irlanda | Our Little Sister (2015)-Japão | Les Ogres (2015)-França | Lou (2016)-Alemanha

Bóra?

Created By
Manuela Fetter Nicoletti
Appreciate

Report Abuse

If you feel that this video content violates the Adobe Terms of Use, you may report this content by filling out this quick form.

To report a Copyright Violation, please follow Section 17 in the Terms of Use.