Loading

O que é?

O Humana Mente é uma proposta interdisciplinar realizada, anualmente, por estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio, professores de diferentes áreas do conhecimento e TILS*, do Colégio Rio Branco e do Centro de Educação Para Surdos Rio Branco.

* TILS: Tradutores e Intérpretes de Língua de Sinais. No caso, a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Clique nas imagens para ampliá-las

Como funciona?

No segundo semestre do ano letivo, os participantes do Humana Mente se reúnem para discutir uma temática escolhida pelo grupo, aprofundando-se no assunto por meio do compartilhamento de referências literárias, históricas e artísticas.

O trabalho atende às propostas do authentic learning - em que a reflexão, a colaboração e a interdisciplinaridade têm papel central - e baseia-se em quatro pilares:

1. COLABORAÇÃO: todo o processo é realizado de maneira colaborativa, em que alunos, professores e intérpretes participam ativamente das etapas do projeto;
Clique nas imagens para ampliá-las
2. AUTENTICIDADE: a discussão aprofundada de um tema e o compartilhamento de referências tornam possível a chamada aprendizagem significativa. Todos os participantes mergulham no tema e sentem-se prontos para criar e recriar obras sobre a temática escolhida;
Clique nas imagens para ampliá-las
3. SENSIBILIDADE: crença na emoção como mecanismo de sensibilização dos indivíduos, tornando-se capazes de uma mobilização efetiva;
Clique nas imagens para ampliá-las
4. ACESSIBILIDADE: fortalecimento da identidade de escola inclusiva, em que todos os alunos e alunas, sem exceção, devem ter garantidos seu acesso e participação nas atividades da nossa comunidade.

2017

No aniversário de 5 anos do projeto, os integrantes do Humana Mente resolveram fazer um balanço das produções e dos assuntos já trabalhados pelo Coletivo e voltaram seus olhares para o "Futuro". Foram realizadas rodas de discussão sobre temas como Ética, Morte, Internet, Educação, Tecnologia, Sustentabilidade, Beleza, Tabu, Política e Utopia/Distopia.

Baleia

Durante as reflexões sobre o tema “Sustentabilidade” encontrou-se o seguinte dado da campanha americana Strawless Ocean: até o ano de 2050 haverá mais plástico do que peixes no oceano se o consumo e o descarte desse material - em especial de copos e canudos - não diminuir. Um dado bastante significativo que sensibilizou a comunidade sobre o assunto, levando-a a refletir: por que não estamos fazendo nada?

Diante disso, em parceria com o grupo R.E.A.J.A. (Reflexão, Equilíbrio e Ação Junto ao Ambiente) construiu-se coletivamente a obra "Baleia". Uma instalação artística composta por cerca de 4.000 copos plásticos usados, recolhidos na escola ao longo de duas semanas. A obra tem aproximadamente 6 metros de comprimento, 3,5 metros de largura e 1,5 metro de altura e representa o corpo de uma baleia jubarte, simbolizando a vida oceânica.

Depois de uma temporada suspensa no pátio da escola, a "Baleia" migrou para a cidade de Cajamar/SP, ficando exposta na fábrica da Natura, onde continuou a levar uma importante mensagem sobre consumo consciente.

Foto: William Melo/Revista Circuito

Olhar o Passado, Pensar o Futuro

Também em 2017 foi construído e apresentado o espetáculo teatral Olhar o Passado, Pensar o Futuro, comemorativo aos 5 anos dos trabalhos do Coletivo Humana Mente. Juntando integrantes e ex-integrantes, a peça teve a intenção de realizar uma retrospectiva sobre os temas já abordados e os projetos realizados, além de propor uma reflexão sobre o futuro

2016

O tema "Intolerância" foi escolhido como mote central para os encontros do coletivo em 2016. Além da relevância das notícias relacionadas ao tema, presentes cotidianamente na mídia, as ações da UNESCO para o "Ano Internacional para o Entendimento Global" também direcionaram o coletivo a escolher esta problemática.

Em cada reunião foi discutido um aspecto específico relacionado ao tema central, como intolerância racial, religiosa, ideológica e de gênero.

As reflexões sobre a temática “gênero” ganharam especial visibilidade com a elaboração de um vídeo, intitulado “Humana Mente apresenta: Como seria o mundo…?”, que discute igualdade de gênero na sociedade e contou com a participação de alunas e alunos, funcionárias e funcionários, surdos e ouvintes.

Este foi um dos 136 vídeos produzidos por escolas em todo o Brasil que participou do Concurso “O Valente Não É Violento” - iniciativa "UNA-SE pelo Fim da Violência Contra as Mulheres" do Secretariado-Geral das Nações Unidas, coordenada pela ONU Mulheres. Foi com muita satisfação que recebemos a notícia de que a produção do Coletivo Humana Mente foi duplamente premiada: na Categoria Júri Popular, recebendo mais de 2100 curtidas na página do Facebook; e na Categoria Júri Especializado.

Alfabeto da Intolerância

O vídeo Alfabeto da Intolerância, que foi exibido com exclusividade no 18º Encontro Comemorativo ao Dia do Surdo do Centro de Educação para Surdos Rio Branco, integrou a campanha mundial dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres, promovida pela Organização das Nações Unidas.

São 26 palavras (uma para cada letra do alfabeto) que remetem ao tema "Intolerância" e que apareceram em nossas discussões ao longo do ano de 2016. Cada palavra vem acompanhada de seu respectivo sinal em Libras. Toda a produção foi realizada pelos integrantes do Coletivo (alunos/as, professores/as e intérpretes).

2015

Nas discussões sobre os refugiados, identificou-se a relevância do nome próprio como elemento fundamental para a constituição da identidade. As notícias costumas tratar esses indivíduos apenas sob uma perspectiva numérica, transformando-os em meras estatísticas e ignorando seus nomes, sua história, seus sonhos e expectativas.

Hipocampo Coletivo

Cerca de 1200 pessoas, entre alunos, professores e colaboradores do Colégio e do CES Rio Branco participaram da construção da instalação artística “Hipocampo Coletivo”, escrevendo nomes de familiares, de pessoas que amam e daqueles de quem sentem saudades.

A palavra “Lembrança” foi escrita a partir da colagem de cerca de 4.800 pequenas folhas autoadesivas amarelas (Post-It®) na parede, ocupando uma área aproximada de 7,5 m².

À Deriva

A instalação “À Deriva” foi construída a partir de uma grande dobradura de um barco de papel colocada em uma rede suspensa. O barco possuia 4,1 metros de comprimento, 1,1 metro de largura e 1,15 metro de altura e foi feito com folhas de jornais com notícias recentes sobre refugiados. A fragilidade desta obra remete à vulnerabilidade daqueles que estão em fuga e buscam, incansavelmente, sua sobrevivência.

2014

Refletindo sobre o regime ditatorial brasileiro, produzimos uma série de 50 fotografias, uma para cada ano desde o Golpe de 1964.

Como a mão é o principal instrumento para a Libras, ela serviu de ponto de partida para idealização do projeto. Pensamos nas diferentes configurações de mãos e nas diferentes imagens, ideias e sensações que podem representar.

Cada uma das fotografias foi associada a uma produção audiovisual: poesia, música, dança, performance ou animação. Foram 50 vídeos acessíveis ao público surdo e ouvinte e todos eles produzidos por alunos e professores do Colégio e TILS do CES Rio Branco.

Parte do trabalho foi exposta no Ateliê do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM), durante a V Semana Cultural Sinais na Arte, em setembro de 2015.

2013

A partir da tradução do poema "Especulações em torno da palavra homem", de Carlos Drummond de Andrade, produzimos nosso primeiro vídeo acessível em Libras.

E também um espetáculo teatral, totalmente acessível, que discutiu as dores, medos e angústias daqueles que vivem em tempos de guerra.

Compartilhe esse vídeo com o link gg.gg/hmalfabeto

Assista ao vídeo "Como seria o mundo...?" na íntegra!

Premiado na Categoria Júri Popular e na Categoria Amadora - "O Valente Não É Violento" 2016

Report Abuse

If you feel that this video content violates the Adobe Terms of Use, you may report this content by filling out this quick form.

To report a Copyright Violation, please follow Section 17 in the Terms of Use.