Açores Ilha de São Miguel

A ilha de São Miguel é a porta de entrada para um pequeno paraíso, sendo esta a maior ilha e com mais população. É conhecida pelas suas paisagens naturais, pelas suas lagoas ( Lagoa das Sete Cidades, Lagoa do Fogo) e pelas famosas Furnas, onde é possível comer o cozido, que é cozinhado no solo pelo calor emanado da atividade vulcânica, junto às caldeiras.

As principais atividades a realizar nesta ilha são o geoturismo, a observação de cetáceos e os percursos pedestres.

Esta ilha é composta pelos concelhos de Lagoa, Nordeste, Ponta Delgada, Povoação, Ribeira Grande e Vila Franca do Campo.

Informação: ao habitante da Ilha de São Miguel, dá-se o nome de micaelense.

Geografia

A Ilha de São Miguel, juntamente com a Ilha de Santa Maria, formam as ilhas do Grupo Oriental. É a maior ilha dos Açores com área total de 746,79 Km2, tem 137 699 de população residente. Compreende seis municípios: Lagoa (45,56 Km2), Nordeste (101,51 Km2), Ponta Delgada (231,92 Km2), Povoação (110,3 Km2), Ribeira Grande (179,5 Km2) e Vila Franca do Campo (78,0 Km2). Possui duas cidades, Ponta Delgada, a principal cidade dos Açores, e Ribeira Grande. Diante de Vila Franca do Campo, fica o Ilhéu da Vila Franca, Reserva Natural a cerca de 1 Km da costa, visitável apenas no verão.

Relevo

A Ilha de São Miguel é de natureza vulcânica sujeita a atividade sísmica, apresentando relevo montanhoso, sobretudo no seu interior, dominado pelo pico da Vara, sendo recortada por vales, grotas e ribeiras - únicos cursos de água. A origem vulcânica é presente na tipologia das rochas e terrenos de "biscoito" (produzidos por camadas onduladas de lava) e "mistérios" (por lavas esponjosas, onde proliferam os musgos e as ervas) - típicos no arquipélago -, e fumarolas-sulfataras permanentes, como as do Vale das Furnas e na Ribeira Grande. O fundo de crateras de antigos vulcões extintos servem de leito a belas lagoas como a Lagoa das Sete Cidades, a Lagoa do Fogo, e a Lagoa das Furnas. Essa combinação de fatores propicia a que no Vale das Furnas sejam reputadas as suas águas minero-medicinais.

Clima

O clima de São Miguel é temperado oceânico. O Atlântico e a Corrente do Golfo funcionam como moderadores da temperatura, conferindo à ilha e ao arquipélago uma pequena amplitude térmica. A pluviosidade distribui-se regularmente ao longo do ano, embora seja mais abundante na estação fresca. No Inverno é assolada por fortes ventos que sopram predominantemente do sudoeste, enquanto que no Verão se deslocam para o quadrante Norte. O céu apresenta-se geralmente com nebulosidade, o que causa insolação variável.

Quando visitar os Açores, prepare-se para um clima imprevisível e em constante mudança. Poderá conseguir um bom bronzeado no Inverno relaxando debaixo do sol numa zona protegida dos ventos. Por outro lado, poderá ser necessário vestir um casaco ou sobretudo para se aquecer na praia no Verão, quando o sol se esconder por detrás das nuvens e o vento soprar. Tudo dependerá daquilo que procura. Nos Açores, não existe uma época ideal para viajar, pois o clima é ameno e as ilhas têm uma aparência extremamente verdejante e fresca durante os doze meses do ano.

Flora

No arquipélago podem encontrar-se cerca de 60 espécies endémicas de plantas, arbustos e árvores. Nestas incluem-se o Louro, o Queiró, a Urze e o Cedro. Para mais, cerca de 700 espécies foram sendo introduzidas nas ilhas com o passar dos séculos, quer com fins comerciais, quer com fins decorativos/estéticos. O clima particularmente ameno das ilhas significa que muitas destas espécies, que teriam enorme dificuldade de sobrevivência noutras regiões, aqui se desenvolvem com um vigor pouco habitual.

A acrescentar um encanto especial às ilhas estão algumas flores, como as Hortênsias, as Camélias ou as Azáleas que são usadas como divisões naturais de propriedades, como quebra-ventos ou simplesmente a fazer a bordadura das estradas. Mesmo nas zonas mais remotas a vegetação desta parte da Macaronésia empresta à sua paisagem uma beleza única. O Mogno, o Louro, o Sanguinho entre outros fazem parte deste rico lote de vegetação.

O Cedro, que em tantos sítios por esse mundo fora mais não é que um arbusto, nos Açores tornam-se árvores de maior porte e inclusive de madeira comercializável. Outras como a Acácia ou a Criptoméria, introduzida no arquipélago há pouco mais de um século ganharam também elas importância comercial de relevo (inclusive como produto de exportação).

Fauna

Actualmente não se pode dizer que haja nos Açores espécies endémicas no sentido estrito do termo, ou seja, espécies das quais se possa afirmar serem originárias do arquipélago. Todavia algumas espécies que foram sendo introduzidas nos Açores acabaram por se desenvolver de uma forma única, sobretudo em termos de coloração e dimensão, tornando-se assim em sub-espécies específicas do arquipélago.

O Priolo, uma pequena ave que outrora se julgou estar extinta, foi redescoberta no seu habitat natural dos Açores, a Serra da Tronqueira, em São Miguel, e é hoje uma das espécies mais arduamente protegidas. Entre as espécies de aves que se conseguiram adaptar bem ao arquipélago contam-se também o Milhafre, o Corvo, o Canário-da-terra, o Pombo-da-rocha, o Pombo-torcaz, o Cagarro, o Garajau. A Doninha-anã, o Furão, o Ouriço-cacheiro e o Coelho selvagem são, por seu turno espécies de mamíferos bastante comuns, sendo este último considerado inclusive uma espécie de caça desportiva. Já na água doce, em ribeiras e lagoas é normal encontrar-se algumas espécies de trutas desde a Truta-comum à Truta-arco-íris, Percas, Carpas e Lúcios. São espécies que não só entram nos roteiros de pesca desportiva como nos roteiros gastronómicos.

Animação Turística

Passeios Pedestres

O perfume europeu no meio do Atlântico solta nove fragrâncias distintas. O manto verde reveste-se de criptoméria, incenso, faia, vinha. Cones vulcânicos espreguiçam-se em direcção ao céu. Grutas contam segredos da origem das ilhas. Lagoas repousam em vulcões adormecidos. Erguemos o olhar e vemos aves migratórias, na única paragem europeia que conhecem. Os trilhos serpenteiam todo o arquipélago, revelando mistérios guardados para os caminhantes. Há falésias de cortar a respiração, fajãs à beira-mar que aconchegam, quedas de água para refrescar a alma. Não é um sonho. São os trilhos dos Açores.

Observação de Cetáceos

Os Açores são atualmente um dos maiores santuários de baleias do mundo. Entre espécies residentes e migratórias, comuns ou raras, avistam-se mais de 20 tipos diferentes de cetáceos nas suas águas. O número impressiona e corresponde a um terço do total de espécies existentes. Estamos num ecossistema de características únicas. Com a presença das majestosas baleias e dos simpáticos golfinhos, o azul do Atlântico torna-se ainda mais mágico e abençoado em redor destas nove ilhas. E traz para os novos tempos, onde preservação é palavra-chave, um grito antigo: “Baleia à vista!”.

Mergulho

Um conjunto de excelentes condições naturais permite a prática de mergulho nos Açores durante quase todo o ano. Difícil é escolher por onde começar. Existem dezenas de spots, adequados a diferentes tipos de mergulho. Zonas costeiras e baixas onde se contemplam magníficas grutas e arcadas submarinas. Restos de barcos naufragados, agora refúgio de lírios, meros e garoupas que saúdam os visitantes. Aguas oceânicas profundas, habitat de grupos de jamantas que planam na vertigem azul. Raras e misteriosas fumarolas subaquáticas. E se ainda desconhece o tipo de maravilhas que o mundo subaquático tem para mostrar, há um baptismo de mergulho inesquecível à sua espera nos Açores.

Estas são algumas das várias atividades que pode desfrutar na Ilha de São Miguel, Açores. Caso pretenda praticar outras atividades, deixo aqui o link:

Festividades

As Festas do Espírito Santo representam uma tradição religiosa açoriana que marca presença em todas as ilhas, estendendo-se de Maio a Setembro e tomando como centro nevrálgico da festa os designados “impérios”.

Com ligação intrínseca a São Miguel, a secular Festa do Senhor Santo Cristo dos Milagres venera a imagem de Cristo depositada no Convento da Esperança, em Ponta Delgada. A festividade dura três dias em redor do quinto domingo após a Páscoa.

Os Romeiros de São Miguel são outra tradição tipicamente micaelense, de grupos de homens que, em oração, percorrem a ilha a pé na época da Quaresma, visitando igrejas e ermidas que veneram a imagem de Maria.

Com partida da freguesia da Ribeira Seca, no concelho da Ribeira Grande, as Cavalhadas de São Pedro (dia 29 de Junho) consistem num desfile de cavaleiros vestidos com trajes coloridos – integrando um rei, cavaleiros, lanceiros, despenseiros e corneteiros – que montam cavalos igualmente ornamentados.

O Entrudo é vivido com fervor em Ponta Delgada: a “Batalha das Limas” é tradição que se mantém viva, com grupos que se digladiam nas ruas da cidade utilizando diferentes “armas” cheias de água para molhar o adversário. Esta quadra festiva integra ainda curiosos bailes de gala com os “foliões” trajados a rigor, de smoking e vestido de noite. Os corsos carnavalescos ocorrem um pouco por toda a ilha e atraem muitos participantes e entusiastas.

Os bailaricos e concertos de filarmónicas são frequentes nas diferentes localidades da ilha, em especial nas festas do santo padroeiro de cada freguesia ou lugar. A festa da passagem de ano em Ponta Delgada ganhou nova dinâmica com as Portas do Mar, a sua marina e o terminal de cruzeiros. Esta nova centralidade da cidade serve também de palco a espectáculos musicais e exposições e acolhe diversos bares e restaurantes, que contribuem para a animação nocturna da cidade.

Gastronomia

Na gastronomia micaelense abundam os pratos de diferentes tipos de peixe, sempre com uma característica comum: a frescura. No marisco há também enorme variedade e curiosidades, como as cracas, crustáceo cozinhado em água do mar. A carne proveniente do gado criado em pastagens é macia e saborosa. Nas entradas, a famosa “pimenta da terra” associa-se ao queijo fresco, mas este tipo de malagueta local marca presença em várias receitas. O bolo lêvedo, originário das Furnas, está bastante difundido e pode surgir em qualquer refeição. Na doçaria, ganharam especial fama as Queijadas de Vila Franca do Campo. Os fumadores podem terminar a refeição com um charuto ou cigarrilha fabricados localmente.

Onde comer?

A Ryanair e a Easyjet, assim como a TAP e a Sata voam para o aeroporto de Ponta Delgada, em São Miguel, o que torna super acessível a chegada.

Como se deslocar em São Miguel?

Para facilitar a deslocação, é melhor alugar um carro ou apanhar um autocarro, embora esteja sempre dependente dos seus horários e não haja trajetos disponíveis a todos os locais a visitar na cidade.

Conduzir em São Miguel não é difícil à exceção da zona das montanhas quando tem neblina. Deixo aqui o site da Europcar (caso queira alugar um carro), apanhar um táxi ou fazer uma excursão.

Onde dormir na Ilha de São Miguel?

O Terra Nostra Garden Hotel, fica situado no Vale das Furnas e inserido no Parque Terra Nostra, um jardim criado no século XVIII .

O Azoris Royal Garden está situado na Ilha de São Miguel a poucos metros do centro histórico.

Possui um jardim zen com amplos espaços comuns, duas piscinas (exterior e interior), SPA e ginásio.

Este luxuoso resort com vista para o Oceano Atlântico tem acesso direto à praia Baía de Água d'Alto e inclui uma grande piscina de água doce exterior.

Caso pretenda optar por algo mais em conta, pode sempre escolher a Pousada de Juventude de São Miguel.

Fica situada junto à marina e a poucos minutos do centro.

O que visitar?

Dia 1:

Lagoa das Sete Cidades

A lagoa das Sete Cidades constitui-se no maior reservatório natural de água doce de superfície dos Açores, ocupando uma vasta área que chega aos 4,35 quilómetros quadrados, com uma profundidade de 33 metros.

Caracteriza-se pela dupla coloração das suas águas, sendo dividida por um canal pouco profundo, atravessado por uma ponte baixa que separa de um lado um espelho de águas de tom verde e, do outro, um espelho de tom azul.

Essas características, e a beleza da paisagem envolvente, deram lugar a que surgissem belas lendas sobre a sua origem e formação, inclusive a que a liga ao mito da Atlântida.

A lagoa, bem como a sua zona envolvente, encontra-se classificada como Paisagem Protegida.

Ponta do Sossego

O Miradouro da Ponta do Sossego oferece uma ampla vista sobre a costa norte da ilha bem como sobre as montanhas de Nordeste.

Este Miradouro encontra-se bem preservado, com áreas ajardinadas de grande beleza, mostrando todo o vigor da vegetação da ilha, possuindo um agradável parque de merendas.

Lagoa do Fogo

A Lagoa do Fogo é a segunda maior Lagoa da Ilha de São Miguel, e também a mais alta, classificada desde 1974 como Reserva Natural, tal o seu valor natural e paisagístico.

Está situada na caldeira de um vulcão adormecido que se terá formado há cerca de 15.000 anos, dando forma ao grande maciço vulcânico da Serra de Água de Pau. A Lagoa do Fogo encanta pela sua beleza natural e a sua grande dimensão.

Parque Terra Nostra

O Parque Terra Nostra oferece um momento de tranquilidade no meio de uma coleção botânica impressionante. A história do Parque Terra Nostra está ligada à evolução da aldeia das Furnas como centro termal e estância de veraneio. Este jardim botânico de gosto romântico foi construído no século XVIII/XIV e é um dos sítios mais populares da Ilha de São Miguel, visitado por locais e por estrangeiros atraídos pelos banhos da piscina geotermal, devido aos magníficos cenários e pela variedade e riqueza da vegetação exótica.

O Parque divide-se em duas zonas: a parte alta, ocupada pelas alamedas e bosques mais densos, e a zona baixa entre os cursos da Ribeira Amarela e a Serpentina de água, onde se podem encontrar passeios, relvados, tanques e fontes.

A entrada no parque e na piscina de água termal ferruginosa a 38° custa 6 euros por pessoa. Embora tenha a oferta de um mergulho muito agradável, a água alaranjada irá sujá-lo, mas não se preocupe no local vai encontrar instalações sanitárias para se lavar.

Dia 2:

Miradouro da Boca do Inferno

Este Miradouro situa-se na Mata do Canário, junto à Lagoa do Canário. Neste local único é possível ter uma vista da Lagoa das Sete Cidades, da Lagoa Rasa, da Lagoa de Santiago, da Lagoa do Canário, de parte da povoação das Sete Cidades e da Serra Devassa. A uma altitude de 730 metros, é possível ver o mar, a montanha e as lagoas no meio de uma vegetação natural e selvagem.

Parque Natural da Ribeira dos Caldeirões

Este Parque encontra-se situado ao longo do curso das águas límpidas da Ribeira dos Caldeirões. É de destacar a existência de uma lindíssima cascata que encanta a todas as pessoas que por ali passam.

Neste bonito e agradável espaço existem serviços de cafetaria, um parque de apoio para fazer merendas e um parque infantil para os mais novos.

Lagoa das Furnas

A Lagoa das Furnas localiza-se muito perto da vila das Furnas. De origem vulcânica, junto à Lagoa é possível ver algumas fumarolas resultantes das manifestações vulcânicas, devido às águas ferventes, debaixo da terra, fazem-se os tradicionais cozidos à Portuguesa.

Envolvida de uma vegetação muito bonita, o local convida a passeios no seu redor.

Miradouro Vista do Rei

Situado no concelho de Ponta Delgada, na freguesia das Sete Cidades é conhecido por ter sido o local onde o rei D. Carlos I e a rainha D. Amélia apreciaram a tão bela paisagem aquando da sua visita à Ilha de São Miguel, em 1901.

Dia 3:

Ponta Delgada

É uma cidade multifacetada onde a tradição convive com a atualidade e o cosmopolitismo com a tranquilidade da vida açoriana

Igreja da Senhora da Vitória

A Capela ou Ermida de Nossa Senhora da Vitória está localizada nas Furnas, concelho de Povoação. É um dos mais ricos e originais templos dos Açores. Foi mandada levantar pelo ilustre micaelense José do Canto, em consequência de um voto formulado por ocasião de uma doença grave de sua esposa. A ermida foi levantada ainda em vida de José do Canto, do que resultou que a mesma ficasse a constituir uma pequena maravilha artística, em estilo neo-gótico, imitando as grandes catedrais europeias.

Fábrica de Chá Gorreana

Esta Fábrica funciona desde 1883 e é um marco importante na história, economia e turismo da Ilha. Entrar nas instalações do Chá Gorreana tem tanto de museu vivo, carregado de história e tradição, como de produção industrial. É como fazer uma viagem no tempo em que percebemos que a realidade associada à revolução industrial do século XIX é que faz sentido naquele espaço e não o mundo atual da alta tecnologia.

Fumarolas das Furnas

Na vila das Furnas pode ver as caldeiras em ebulição de onde brotam águas minerais, que deixam um rasto cor de laranja. Quem por ali passa fica fascinado ao ver as fumarolas a emitirem vapor de água e gases. O Vale das Furnas tem mais de vinte nascentes termais.

Dia 4:

Lagoa das Empadas

Localizada perto da Lagoa das Sete Cidades, esta Lagoa é um autêntico tesouro pouco conhecido. São um conjunto de pequenas lagoas rodeadas por um lindíssimo bosque e separadas entre si por pequenas faixas de terras. Esta lagoa que se divide por dois lençóis de água com origem em duas diferentes crateras vulcânicas unidas entre si apresenta-se rodeada por bardos de Azáleas e por florestas típica da macaronésia e por florestas de criptomérias.

Hotel Monte Palace

O Monte Palace, o primeiro hotel de cinco estrelas do arquipélago, foi inaugurado em 1989 na ilha de São Miguel e chegou a dar trabalho a mais de cem pessoas. Acabou por fechar pouco tempo depois. Até 2010, o espaço teve segurança em permanência, mas depois ficou ao abandono, foi vandalizado e apresenta-se degradado. A unidade hoteleira, de cinco pisos, com vista para a Lagoa das Sete Cidades, tinha dois restaurantes, três salas para conferências, uma discoteca, uma loja e centena e meia de quartos. É actualmente propriedade do banco Santander Totta.

Caldeira Velha

Vai apreciar sem dúvida, a tranquilidade e o relaxamento que este lugar verdejante oferece. A “Caldeira Velha“, localizada na Ribeira Grande, no centro da ilha, é caracterizada pela sua bela cascata que cai no Lago de Fogo.

O calor da agua na piscina natural é de 27° e 38° na piscina natural situada um pouco mais a baixo. As alturas da Caldeira, vão permitir-lhe admirar uma das mais belas paisagens de São Miguel.

Ermida do Monte Santo

A ermida de Nossa Senhora do Monte Santo fica na localidade de Água de Pau, na costa sul da ilha de São Miguel e assinala o local de aparições de Nossa Senhora ocorridas em 1910. A sua localização e cores vivas fazem deste um miradouro a não perder.

Dia 5:

Estufa de Ananases

A cultura do ananás foi introduzida nos Açores em 1850 e é ainda hoje aí produzido em estufas de vidro. Na quinta de Augusto Arruda na Fajã de Baixo, pode visitar gratuitamente umas quantas destas estufas e observar as várias etapas da produção deste fruto.

Igreja do Santo Cristo

A igreja do Santo Cristo dos Milagres insere-se no convento da Esperança em Ponta Delgada e é aí venerada a imagem do Santo Cristo dos Milagres, a mais antiga e maior devoção popular do país, cujas festas se celebram no quinto domingo após a Páscoa.

Ponta da Ferraria

No extremo oeste da ilha fica a estância termal da Ferraria. O edifício foi recentemente recuperado e aí funcionam as termas e um restaurante. Mais à frente, numa paisagem quase lunar, fica a piscina natural, no próprio mar, onde uma nascente termal mantém as águas sempre quentes.

Lagoa Azul

A lagoa azul é uma das partes da lagoa das Sete Cidades. A suas águas são normalmente calmas e, naturalmente, mais azuis que as da lagoa verde, convidando assim à pratica de desportos aquáticos, como a canoagem ou o stand up paddling.

Poça da Dona Beija

Águas quentes e límpidas num espaço muito bem cuidado tornam este num dos locais mais procurados nas Furnas.

Contactos

Postos de Turismo de São Miguel

Aeroporto: Aeroporto João Paulo II, 9500-749 Ponta Delgada

Tel: +351 296 284 569

E-mail: pt.ae.smg@azores.gov.pt

Report Abuse

If you feel that this video content violates the Adobe Terms of Use, you may report this content by filling out this quick form.

To report a Copyright Violation, please follow Section 17 in the Terms of Use.