Loading

Mãe Natureza Camboja

Estratégia

Em 2015, Alejandro Gonzalez Davidson fundou a ONG Mãe Natureza Camboja, com o propósito de fazer campanha com as comunidades locais da região de Koh Kong para proteger os ecossistemas de mangue da área dos efeitos da extração de areia.

A campanha é desenvolvida por meio de: campanhas de informação - protestos pacíficos - ações diretas (ou seja, embarcar em navios de extração de areia)

Objetivos

Solicite às autoridades e empresas que parem de dragar até que seja realizada uma investigação completa sobre os impactos das suas atividades no ambiente local.

Aumente a conscientização sobre as implicações da dragagem para o meio ambiente e suas comunidades, e mobilize as comunidades.

Insista em consultas inclusivas com as comunidades locais.

Alguns riscos e ameaças

em agosto de 2015, três defensores dos direitos humanos ambientais (ehrd), SAN MALA, SIM SAMNANG e TRY SOVIKEA, foram presos e detentos arbitrariamente com o argumento de 'ameaçando causar destruição'
em julho de 2016, esta campanha local e internacional começou a ter resultados, quando SAN MALA, SIM SAMNANG E TRY SOVIKEA foram liberados.
SAN MALA, SIM SAMNANG E TRY SOVIKEA foram obrigados a pagar multas de $ 500 cada um, assim como $ 25,00 de compensação à empresa de dragado.
alejandro gonzalez davidson foi deportado do Camboja em fevereiro de 2015, após uma campanha de sucesso para parar a construção de uma barragem hidrelétrica.
No início de 2016, as acusações foram levadas contra o co-fundador de Mãe Natureza, Camboja, ALEJANDRO GONZALEZ DAVIDSON.
alejandro gonzalez davidson permaneceu dois anos em prisão e não pode voltar no camboja, nem para assistir ao seu próprio julgamento.
As autoridades locais proibiram uma sessão planejada de treinamento em direitos humanos de dois dias, organizada por Mãe Natureza Camboja, para os membros da comunidade Ta Meak.

Apoio

Foram proferidas apelações urgentes sobre os casos dos Defensores dos Direitos Humanos Ambientais (EHRDs) detidos, pelo Relator Especial das Nações Unidas sobre a situação dos direitos humanos no Camboja e pelo Relator Especial sobre os direitos à liberdade de reunião e associação pacífica, mas sem sucesso.

Os fundos de Frontline Defenders, Freedom House e Civil Rights Defenders, ajudaram a Mãe Natureza Camboja para cobrir os custos de apoiar os ativistas em prisão, assim como organizar visitas familiares, facilitar as comunicações e fornecer comida.

Em fevereiro de 2016, foi emitida uma declaração em conjunto de 22 organizações de direitos humanos, declarando apoio à organização e condenando a repressão contra os ativistas.

Credits:

1. Charles Pieters; mangrove 1; January 16, 2011; (CC BY-NC-ND 2.0). 2. Cristina Bejarano; mangroves; September 13, 2012; (CC BY 2.0). 3. Official logo. 4. Zol m; sand dredge; October 22, 2018; (CC BY-NC-ND 2.0). 5. Taken from phnompenhpost.com 6. Global Partnership for Education; Cambodia community preschools; April 24, 2015; (CC BY-NC-ND 2.0). 7. Craig Hamnett; prison shutters; December 7, 2014; (CC BY-NC-SA 2.0).