Educação Corporativa Capítulo 4

Sumário

Educação Corporativa

4.1 – Introdução

4.2 – Aprendizagem Formal e Informal no Trabalho

4.3 – Programas de Capacitação

4.4 – T&D

4.5 – Etapas do Programa de Capacitação

4.6 – Trilhas de Aprendizagem

4.1 – Introdução

A educação corporativa é um conjunto de estratégias adotadas pelas empresas para desenvolverem seus recursos humanos de forma a adquirirem uma vantagem competitiva.

O desenvolvimento e ampliação do potencial humano é uma forma de alavancar novas oportunidades e impulsionar a organização a partir do conhecimento desenvolvido e compartilhado.

Educação Corporativa

4.2 – Aprendizagem Formal e Informal no Trabalho

  • Aprendizagem Informal

É uma atividade que envolve a busca de entendimento, conhecimento ou habilidade e que ocorre fora dos currículos que constituem cursos e programas educacionais, podendo ser planejada ou não, mas normalmente envolve algum grau de consciência que a pessoa está aprendendo.

Partindo do pressuposto de que existem discrepâncias entre o que os indivíduos sabem e o que eles devem saber, a aprendizagem informal proporciona um aprendizado incremental do que deve ser aprendido e sabido.

Em consonância com tais argumentações, as atividades informais de aprendizagem são em geral desestruturadas e iniciadas pelos próprios indivíduos e podem ou não estar alinhadas aos objetivos e estratégias da organização.

Tal abordagem volta-se para a aprendizagem que ocorre por meio da participação no trabalho.

Nesse sentido, o aprendizado ocorre de maneira não intencional e não deliberada. A transferência de conhecimento e aprendizagem é facilitada por meio da interação social.

  • Aprendizagem Formal

Por outro lado, a aprendizagem formal está bastante associada aos programas de treinamento e desenvolvimento.

Ou seja, aos eventos de aprendizagem sistematicamente planejados, com vistas a facilitar a aquisição e o desenvolvimento de competências por meio da utilização de uma tecnologia instrucional.

Aprendizagens formal e informal

4.3 - Programas de Capacitação

A intenção da capacitação é o desenvolvimento de um quadro de pessoal com as competências necessárias para satisfazer às necessidades e aos objetivos da organização, de modo a garantir seu bom desempenho e o alcance dos resultados e metas estabelecidos no planejamento estratégico.

Ela deve se basear no mapeamento das competências necessárias à organização e nas existentes no quadro de pessoal, identificando os gaps entre o necessário e o existente.

Deve também utilizar os resultados da avaliação de desempenho, que constitui uma rica fonte de informação sobre as necessidades de capacitação.

A capacitação deve ser um processo contínuo, uma vez que à medida que a organização evolui, acompanhando as mudanças das demandas externas, surgem novas necessidades em termos de competências que devem ser supridas com o fornecimento de novos programas de capacitação.

Ela deve ser um dos principais mecanismos para o desenvolvimento profissional do quadro de pessoal e deverá ser um dos fatores a serem considerados para o estabelecimento do mérito e para a progressão na carreira.

Objetivo final dos programas de capacitação

4.4 – Treinamento e Desenvolvimento

Treinamento

Treinamento pode ser definido como um processo de transmissão e aquisição sistemática de atitudes, conceitos e habilidades.

Esse processo é subsidiado por informações obtidas por meio da análise de tarefas, das capacidades do treinando e dos recursos instrucionais, ele é visto como um esforço planejado de uma organização para facilitar a aprendizagem.

A noção de Treinamento está associada à aprendizagem relacionada às tarefas ou atividades executadas pelo profissional em determinado momento e visa à melhoria de desempenho no trabalho.

A produção de conhecimentos científicos e o desenvolvimento de tecnologias no campo de T&D têm sido norteados pela Abordagem Sistêmica da Teoria Geral da Administração.

Nessa perspectiva, o treinamento é concebido como um sistema composto por elementos que mantêm entre si e com os ambientes intra e extraorganizacionais um estreito relacionamento de interdependência.

Treinamento

A realização de um evento de aprendizagem envolve diferentes etapas. São elas:

  • Levantamento de necessidades de Treinamento
  • Desenho do Programa de Treinamento
  • Aplicação do Programa de Treinamento
  • Avaliação dos Resultados de Treinamento
Ciclo dos programas de capacitação

Desenvolvimento

Desenvolvimento é o conceito mais amplo dentro da aprendizagem formal na educação corporativa.

Envolve a aprendizagem orientada para o crescimento do profissional, não estando, portanto, relacionada a um trabalho específico, mas aos possíveis cargos que ocupará no futuro.

Treinamento x Desenvolvimento

4.5 - Etapas do programa de capacitação

  • Levantamento de necessidades de Treinamento

No intuito de aproximar as ações de T&D dos objetivos organizacionais, é fundamental a compreensão das discrepâncias entre os desempenhos individuais reais e os esperados pelas empresas.

Reconhecer esta discrepância aumenta a probabilidade de sucesso das ações de treinamento. Em termos de resultados, desempenhos, competências ou soluções desejadas, o reconhecimento destas discrepâncias é realizado por meio de três conjuntos de análises - organizacional, de tarefas e individual.

No nível organizacional, devem ser considerados aqueles aspectos ambientais capazes de promoverem ou impossibilitarem a aplicação dos conteúdos que serão desenvolvidos durante o treinamento no trabalho.

Neste sentido, um ambiente organizacional favorável e suportivo parece ser condição necessária para garantir o sucesso do treinamento em ambientes organizacionais.

A finalidade de se realizar a análise organizacional é propiciar o remanejo ambiental anteriormente ou durante o desenvolvimento da ação educacional, na tentativa de serem aumentadas as taxas de melhorias de desempenho.

No nível das tarefas, o levantamento é exectudado para determinar os objetivos instrucionais que serão relacionados aos desempenhos de determinadas atividades ou trabalhos essenciais ao alcance dos objetivos e metas organizacionais.

Trata-se, portanto, de uma descrição das tarefas, bem como das competências necessárias para sua adequada execução.

Se tempos atrás predominavam tarefas de cunho psicomotor, repetitivas e burocratizadas por natureza, hoje em dia as atividades passam a exigir demasiadamente esforços cognitivos.

Os trabalhadores deste novo cenário passam, ao invés de vender força de trabalho, a ser valorizados pelo que possuem de mais importante, seus conhecimentos e habilidades intelectuais. Neste sentido, torna-se necessário o domínio de uma série de estratégias de análise no intuito de descrever estas novas tarefas e competências requeridas.

Os passos para a realização da análise de tarefas seriam os seguintes: detalhamento das tarefas, formação de grupos funcionais de tarefas, elaboração de CHAs, determinação das tarefas e CHAs relevantes, estabelecimento de relacionamento entre CHAs relevantes e tarefas, planejamento do ambiente de treinamento a partir do relacionamento entre tarefas e CHAs e validação de conteúdo dos CHAs elaborados.

Cumpridas estas etapas, tem-se um rico detalhamento das tarefas e das competências necessárias, em termos comportamentais, à sua execução, que permite com que os treinamentos sejam devidamente planejados, de acordo com as prescrições da teoria instrucional.

No nível pessoal, busca-se preencher as lacunas de desempenho estabelecidas entre o que as pessoas sabem, fazem ou sentem e aquilo que elas deveriam saber, fazer ou sentir.

A avaliação de necessidades compreende a identificação e hierarquização das lacunas em ordem de prioridade para que possam ser reduzidas ou eliminadas.

  • Desenho do Programa de Treinamento

O desenho do programa de treinamento é a segunda etapa do processo. Refere-se ao planejamento das ações de treinamento. Desde que as necessidades de treinamento foram diagnosticadas e localizadas, torna-se necessário reunir o atendimento a essas necessidades em um programa integrado e coeso.

Programar o treinamento significa definir sete ingredientes básicos: quem deve ser treinado, como deve ser treinado, em que, por quem, onde, quando e para que. O programa de treinamento deve estar associado às necessidades estratégicas da organização.

Desenho do programa de treinamento
  • Aplicação do Programa de Treinamento

Após a conclusão da avaliação de necessidades e do desenho do programa, a próxima etapa é determinar como o treinamento será realizado.

Além disso, é crescente o reconhecimento da necessidade de atividades que promovam a transferência das competências aprendidas para o ambiente de trabalho.

A expectativa é a de que a realização sistemática dos procedimentos relacionados a cada uma das etapas possa contribuir para o estabelecimento de um ambiente de aprendizagem, em que os conhecimentos, habilidades e atitudes possam ser adquiridos e, posteriormente, transferidos para o contexto de trabalho dos participantes.

Transferência do conhecimento
  • Avaliação do Treinamento

Níveis de avaliação:

1 – Reação – Como os participantes se sentem sobre a formação ou experiências;

2 – Aprendizagem – Mede o aumento do conhecimento;

3 – Comportamento – Relacionado ao grau de aprendizagem aplicado de volta ao trabalho;

4 – Resultados – Mede o efeito prático do treinamento

Níveis de reação

4.6 Trilhas de Aprendizagem

Mais recentemente, contextos organizacionais de gestão de competências têm utilizado a expressão “trilhas de aprendizagem”, definida como caminhos alternativos e flexíveis para promover o desenvolvimento pessoal e profissional, para fazer referência a uma estratégia com vistas ao desenvolvimento de competências direcionadas ao aprimoramento do desempenho atual e futuro.

Nessa perspectiva, a suposição básica é a de que o indivíduo está inserido em um contexto social e organizacional mais amplo, e que sua formação não está restrita às necessidades específicas do cargo que ocupa.

Pelo contrário, as trilhas estão articuladas à aquisição e desenvolvimento de competências que extrapolam as especificidades do cargo, e podem gerar valiosos subsídios ao desenvolvimento continuado do indivíduo e ao desempenho de papéis ocupacionais mais abrangentes dentro de determinado contexto ou estratégia organizacional.

Trilhas de aprendizagem

A noção de trilhas de aprendizagem integra as dimensões da aprendizagem formal e informal no trabalho, abordadas no início deste capítulo, para o desenvolvimento de competências profissionais.

Para tanto, considera as diferentes possibilidades de aprendizagem existentes nos ambientes intra e extraorganizacional e ainda propicia que interesses específicos tanto da organização quanto dos indivíduos sejam contemplados na realização da aprendizagem.

Dessa forma, a opção por uma ação de formação mais flexível e encadeada pode ser a opção por uma área temática de aquisição de conhecimentos que pode incluir educação formal (por exemplo, cursos e especializações) ou informal (por exemplo, aprendizagem em serviço, leituras, seminários, viagens de estudo), de acordo com a disponibilidade e interesse do profissional.

Created By
Vinicius Mendes
Appreciate

Credits:

Created with images by geralt - "problem analysis mark" • ivanolambertucci - "background yellow floor"

Made with Adobe Slate

Make your words and images move.

Get Slate

Report Abuse

If you feel that this video content violates the Adobe Terms of Use, you may report this content by filling out this quick form.

To report a Copyright Violation, please follow Section 17 in the Terms of Use.