Marcos Scheidt Paz

Me chamo Marcos, uma pessoa igual a ti. Sinto o mesmo que tu, depende do que escolha, as vezes medo, as vezes paz. Não tenho nada que te ensinar, tu já sabes. De fato, és para mim um presente, a oportunidade que tenho para conhecer[me] através do que decida compartilhar contigo. Obrigado de antemão.

Eventos

Encontros presenciais e online onde compartilho o meu amor, o meu ser, os tesouros que vou [re]conhecendo em mim. Os assuntos são Paz, aceitação, perdão, escutar, diálogo interior, Vida, honestidade, compartilhar... os sinônimos de amor em suas distintas formas. O propósito dos meus eventos é SENTIR o que estamos vivendo no agora. Sem teorías ou técnicas para o intelecto, e sim, essa viajem maravilhosa ao coração. Simplesmente acompanho as pessoas na sua viajem interior e festejo com elas a Vida. Pode ser individual, em grupos reduzidos ou conferências. Na praia, em casa, em um centro de eventos, em um café, em um auditório... não há limitações de espaço ou tempo (todos os dias). Para isso estou aqui, compartilhar e aprender.

Para contratação de conferências em português ou espanhol scheidtmarcos@yahoo.com 📞 [+34] 669 561 115 - Espanha

Textos

"Então em um momento te detivestes e sentistes. Era eminente. Aceitastes que era hora de parar de brincar a buscar, a carecer, ao vitimismo, as contradições, as mentiras a ti mesmo. Ficastes tu e a tua verdade. Como em um espelho. Decidistes então, viver[te]. Ah, que delícia. Que paz. Que leve é ser o que é." Marcos Scheidt

"Começarás a conhecer-te e surpreender-te do ser maravilhoso que és. Tu és um constante presente dentro de ti. Que está disponível em qualquer momento e em qualquer forma que decidas expressar-te. É uma beleza tão intensa que jamais viste ou sentiste algo assim antes nas tuas buscas de felicidade ou abundância. Poderás perguntar-te "por que busquei fora tanto tempo e de tantas formas quando dentro de mim estava tudo?" e verás que a resposta não tem importância. Já é passado e agora a presença que sentes de ti mesmo é tudo. Aí estão todas as respostas aclaradas. Verás passar imagens de experiências do passado, onde a dor era a sensação que associavas. Como si fosse um filme com os principais momentos que tinhas guardado. De repente surgirá o sentir da aceitação que todos esses momentos tinham algo em comum: a inocência. Sim, já não vês culpa neles. Não sentes medo de recordar-los, de sentir-los. O que fizeste foi o que acreditavas naquele momento. A experiência estava baseada em medo, em culpa e isso viste e viveste. Mesmo que por algum tempo acreditaste o contrario, que as experiências te fizeram sentir medo e culpa. Simplesmente a ordem estava ao contrario. Então as experiências serão entendidas como uma projeção da tua crença de ser culpável. Agora poderás aceitar que essa crença já pode ser perdoada. E as experiências foram perdoadas. Sentirás a força da inocência e a leveza da mesma. Uma profunda paz. Sentirás a ti mesmo. Sentirás a vida dentro de ti em toda a sua expressão." Marcos Scheidt

"Encontros"

Te convido... / Passo por ti / No lugar que estejas / Ontem, hoje ou amanhã

Te estendo a minha mão / E suavemente nossos dedos / Enlaçam / O que já estava / Enlaçado

Caminhamos por uma avenida / Entre carros e pessoas / Pensamentos e desejos

Todos nos veem / Todos nos olham / Escutam tudo, todos

No cruzamento paramos / E começamos a desnudarmos / Lentamente / Não, não da ropa / De nossas mentiras / Todas

Essas que estiveram ocultas / Com grande esforço / Para não ser o que somos

A brisa da verdade / Toca nossa pele / Nos excitamos / Seguem indo as mentiras

Todos escutam a nossa voz / Que sempre foi ouvida / Mesmo que a boca não falara

Com nosso olhar inocente / Nos acariciamos / Sentimos por vez primeira / A verdade do amar

Me entrego a ti / E portanto a última mentira / O corpo que separa

E agora estamos dentro / De nós / O orgasmo que sentimos / É a união / Essa que seguirá / Pois a verdade / Foi reconhecida

Já não sabemos quem somos / As identidades se foram / Fica nossa verdade / Que nos amamos

Marcos Scheidt

"Chegou o momento. É agora. Foram instantes de renuncia, de carência, de dor, de abandono, de rechaço, de busca, de frustração... Aí segues, aí estás. Entendo que pode parecer pesado as lembranças do passado. Entendo que carregar a couraça tanto tempo pode parecer que já não a podes tirar. Entendo que o medo a uma nova forma de relacionar-se contigo mesmo pode por momentos até pânico dar. Entendo que pareça não haver outra forma. A tua voz interior te diz que há algo, por isso segues, mesmo que por momentos não entendas. Porque não haveria sentido seguir vivendo para sofrer. Não haveria sentido viver sem encontrar o sentido na paz. Passaram pessoas, lugares, trabalhos e tantos outros símbolos que parece haver reafirmado que não há como encontrar essa paz. É verdade, isso pareceu. E de tão parecido até real parecia ser. Mas o que parece somente parece, não é. Então chega o instante em que te deténs e te sentes, honestamente, rendido ao coração, sem buscar responder-te ou explicar-te. É um instante que foi evitado por ti, fugiste desse momento porque havias associado com dor, com reconhecer que não sabias. É um instante de valentia, de girar a ti mesmo e olhar-te aos olhos. De dizer-te "aqui estou, me escuto". É um instante que parece haver medo, porque o natural foi esquecido, mas agora, estás recordando que tu estás aí, a todo momento, disponível para amar-te." Marcos Scheidt

Created By
Marcos Scheidt
Appreciate

Made with Adobe Slate

Make your words and images move.

Get Slate

Report Abuse

If you feel that this video content violates the Adobe Terms of Use, you may report this content by filling out this quick form.

To report a Copyright Violation, please follow Section 17 in the Terms of Use.