Dicas de Locução Autor Conteudista: Eriberto Carvalho

Módulo Único

DICAS DE LOCUÇAO

Não existem fórmulas mágicas para se formar um bom locutor, existem recursos que, quando bem aproveitados, facilitam na locução.

O Locutor e o Microfone

Alguns anos atrás os microfones não possuíam a tecnologia de hoje. Com o desenvolvimento dos atuais, temos condições de ampliar a voz humana a extraordinários limites. A voz passou a ser mais bem detectada, ganhando um colorido todo especial. Da mesma forma que a voz passou a ser amplificada, com a nova tecnologia, surgiram também alguns requisitos básicos a serem observador pelos locutores quanto a sua utilização:

ANTES DE USAR UM MICROFONE, DEVE-SE TESTÁ-LO JUNTO AO EQUIPAMENTO.

Atitude: Coloque a chave do microfone ou o canal em que ele está acoplado a mesa em áudio, e teste-o de forma a saber se está como o funcionamento normal. Via de regra sempre fazemos o teste antes de entrarmos no ar.

POSICIONE O MICROFONE DE FORMA CORRETA JUNTO A VOCE.

Atitude: Os microfone são acoplados as "girafas", ou seja, a pedestais metálicos, reguláveis na altura e na distância. Certifique-se de que o microfone esteja desligado e regule-o de forma a ficar em distância e altura compatíveis ao seu trabalho.

DISTÂNCIA CORRETA.

Atitude: Conforme o microfone variam-se as distâncias. Existem microfones mais sensíveis, que devem ficar a pelo menos 1 metro de distância do locutor, devido sua multidireçao de captação sonora. É o chamado microfone multidirecional. O Shure, Leson e outros de semelhantes características são chamados de unidirecionais, por captarem os sons da voz com qualidade, somente na posição frontal e, neste caso, devem ficar a uma distância de 10 a 20 cm do locutor. Pois do contrário, em distância provocaríamos os famosos "puffs" no ar, que nada mais são do que a saturação na capacidade de captação do mesmo.

MAU FUNCIONAMENTO DO MICROFONE.

Atitude: Se o microfone começar a funcionar mal, não vacile em substituí-lo por outro. Normalmente mau funcionamento do equipamento se dá pelo desgaste do material, por quedas e fortes batidas no mesmo e ainda por mau contato dos cabos e conectores do microfone junto a mesa.

CUIDADO COM A RESPIRAÇAO, POIS O MICROFONE VAI CAPTÁ-LA E AMPLIFICÁ-LA.

Atitude: Uma das coisas que mais demonstram que um locutor é iniciante é a forma pela qual são feitas as tomadas de ar antes de se falar. O microfone amplifica os sibilados da voz os ruídos provocados pela boca. É extremamente desagradável ouvirmos alguns tipos de ruídos provocados pela língua, dentro da boca, durante a locução. Cuide para isto não acontecer.

NÃO DE APARTES PRÓXIMO AO MICROFONE, A SUA FALA SERÁ CAPTADA E AMPLIFICADA.

Atitude: Muitas vezes o microfone é deixado aberto no ar, por esquecimento ou propositadamente, quando na passagem rápida de um segmento a outro do programa. Neste momento devemos cuidar para que não provoquemos sons detectáveis junto a ele, tais como: Úfa, Que calor, Vá mais pra lá, etc.

SE ESTIVER LENDO NÃO VIRE AS FOLHAS DIANTE DO MICROFONE, VIRE-AS FORA DE SEU ÂMBITO DE ALCANCE.

Atitude: Procure dispor de forma ordenada as folhas dos noticiários ou da programação. Desta forma, quando você entrar no ar, não correrá o risco de perder-se diante delas.

O Locutor e o Ouvinte

Você deve se identificar com o ouvinte e não o ouvinte se identificar com você. Diante desta colocação. Talvez um pouco contraditória à primeira vista, existe a necessidade de você ser intensamente agradável no ar. Pois, são milhares de ouvintes a presenciarem a sua forma de se comunicar. O ser humano, pela sua própria necessidade de se agrupar, procura se identificar com todas as coisas que o rodeiam e ao mesmo tempo se sentir identificados por elas.

Saiba como cativar os seus ouvintes

Tome conhecimento de tudo o que estiver acontece na emissora, quanto a promoções a serem realizadas no ar, bem como toda e qualquer alteração dentro da programação.

Certifique-se de que todo equipamento esteja funcionando normalmente.

Confira a programação musical, o roteiro comercial. Ao ler observe os seguintes detalhes:

1. Fique atento aos sinais do operador, quando houver, é dele que sai o comando técnico

2. Interpretar corretamente o texto, para não correr o risco de ser alegre em notícias tristes, ou vice-versa.

3. O tom precisa ser convincente, de quem acredita no que está falando.

4. Pronuncie bem as palavras, não esquecendo os finais com "S" ou com "R".

5. Articule bem o final das frases e realce as frases finais do texto.

6. Não deixe qualquer ruído atrapalhar a audição do ouvinte. Evite tossir, pigarrear, espirrar ou bater com o lápis ou caneta na mesa. Se acaso acontecer, aja com naturalidade.

O Locutor durante a locução

Quando estiver comandando a programação no ar, não esqueça das regras fundamentais de sincronia e criatividade. O jogo bem elabora, entre as vinhetas e viradas de uma música para outra, traz a sua locução um colorido especial. Procure evitar a falta de concentração no seu trabalho fazendo outras coisas ao mesmo tempo, isto provoca erros. A concentração é fundamental para a execução perfeita da operação de mesa, quando se trata de um locutor-operador (FM) e ainda é indispensável a sincronia entre o locutor e o operador de áudio (AM). A postura é muito importante, ela revela respeito a programação e ao ouvinte.

O Locutor e a Voz

A voz é o instrumento de trabalho do locutor e através dela muitos conseguem criar uma magia em volta de si. Uma bela voz não é aquela, tão-somente, grave e aveludada; precisamos ainda de uma boa dicção, articulação e interpretação a tudo que falarmos ao microfone. Existem alguns cuidados para se manter um bom padrão vocal:

1. Evite tomar líquidos gelados.

2. Gargarejos com água morna, acompanhados de meio copo de suco de limão pela manhã.

Agem como preventivos das infecções da garganta, prejudiciais ao locutor.

O que é a voz ?

A VOZ É o espelho da alma, diz da sua identidade tanto quanto a sua impressão digital. Varia com a idade, sexo, saúde, emoção, intenção, profissão e personalidade. Ela é produzida nas pregas ou cordas vocais pela PASSAGEM DO AR que vem dos pulmões. A partir de então, passa pelas cavidades oral e nasal e pela faringe, que funcionam como ALTO-FALANTES naturais.

Você certamente já atendeu um telefonema e se surpreendeu com uma voz muito agradável. Também já se deparou com pessoas de vozes ásperas, roucas e de difícil emissão. Quem já teve um problema de voz sabe o quanto ela é importante.

O FONOAUDIÓLOGO ATUA não só na PREVENÇÃO dos distúrbios de voz como também no seu tratamento. Ele também é responsável pelo APERFEIÇOAMENTO da voz de profissionais como cantores, professores, atores, locutores, advogados e telefonistas. Em casos mais graves, como o de câncer de laringe, paralisia de cordas vocais e outros distúrbios neurológicos que afetam a voz, o fonoaudiólogo atua no RESTABELECIMENTO da comunicação da melhor maneira possível.

O mais importante é detectar um problema vocal rapidamente. Se você utiliza a voz profissionalmente, é aconselhável que busque ORIENTAÇÃO para uma boa colocação vocal e aprenda a prevenir os distúrbios resultantes do desgaste do dia-a-dia. Se você não é um profissional da voz, ainda assim fique atento a ela, principalmente à rouquidão persistente por mais de 15 dias.

LOCUÇÃO

O dicionário define locução como "o modo especial de falar, linguagem. Maneira de dizer, dicção. Reunião de palavras equivalentes a uma só". (FERREIRA, A. B. H. - 1980).

No telejornalismo a locução é sempre uma primeira vez, o ritmo acelerado da TV não permite o treino, exige-se domínio da voz, credibilidade, experiência jornalística e raciocínio rápido. "O texto deverá sempre estar casado com a imagem, através de vocabulário simples, coloquial, sem uso de pose ou linguagem intelectualizada, como se estivesse conversando com o telespectador e empenhando-se ao máximo para ser entendido". (GLOBO, M. T. - 1985)

O telejornalista não deve apresentar-se como um modelo de indivíduo que não existe no dia a dia, inatingível, mas como uma pessoa comum, capaz de ler, sentir e dizer como qualquer outro indivíduo da sociedade que faz parte. Por outro lado não deve utilizar palavras que agridam à língua pois o uso e divulgação da nossa língua portuguesa corretamente também é função do telejornalista. Deverá adaptar a locução às características da linguagem televisiva. A credibilidade da notícia está no equilíbrio entre o domínio da técnica e da expressão emocional das notícias. As palavras podem levar a notícia para qualquer telespectador, mas é a voz que expõe a emoção verdadeira do texto fazendo com que o locutor transmita credibilidade na tela. O público busca, anseia por naturalidade e espontaneidade. A voz expressa a emoção das palavras contidas no texto, atuando assim como importante componente da linguagem de TV.

"Só um roteiro perfeito, técnica e jornalísticamente, poderá propiciar ao talento, todo aquele que aparece diante das câmeras, uma locução firme e segura, o que resultará num produto final de alta qualidade." TEODORO, G. ( 1980)

No Brasil, há poucas escolas para locutores e nos cursos de jornalismo o aluno é preparado somente para escrever, como se não existisse a TV. A maioria dos locutores trabalham a sua própria voz por autodidatismo, ou através de cursos de canto ou mesmo imitando a voz do profissional que admiram e que destaca-se no vídeo.

Como o jornalista atua em diversas funções, com locuções diferenciadas na TV e na maioria das vezes não é o autor do texto, não tem acesso anterior à este, é natural que os poucos que possuem experiência e empenho diário possam atingir um resultado melhor que os iniciantes, destacando-se entre os demais.

TEODORO, G. (1980) e BEUTENMULLER, (1981) após vários anos de experiência com locutores de TV orientam que o " locutor de notícias deve realizar uma descrição com emoção, utilizando uma qualidade vocal aguda por esta ser mais audível e portanto prender mais a atenção do ouvinte. Deverá empenhar-se para que a notícia brilhe. Deverá ter sensibilidade para distinguir aquelas diferenças que constituem nuances e que podem marcar uma notícia de forma criativa. O que distinguirá o bom locutor de outro apenas regular pode ser a sutileza empregada na veiculação da notícia em seu tom de voz e com jogo fisionômico próprio. O locutor esportivo limita-se a nomear ou vez por outra comentar um lance na disputa, é responsável pela criação de inúmeros neologismos, no afã de fugir à repetição tediosa dos mesmos termos.

O Narrador exige voz grave, pausada e bem jogada ao microfone para não ferir ou macular o texto. Pede a adoção de um estilo que é determinado pela matéria que se vai traçar. Pode ter uma mobilidade fisionômica maior e um jogo de inflexões mais colorido, sem exageros.

No repórter é de se esperar que seja transmitida uma certa emoção, mais quente, mais solidária. A reportagem é menos formal do que a de estúdio, concede uma escolha mais ampla de posturas, tanto corporais como vocais. A locução é mais livre. O rítmo da narrativa vai depender dos acontecimentos sobre os quais se está falando. Ao entrevistador compete perguntar, arguir, procurando arrancar do estrevistado a resposta que o telespectador quer ouvir. Tem que possuir uma técnica de abordagem e comunicação com o entrevistado que poderíamos denominar empatia.

No comentarista a forma de locução pode ceder lugar à exatidão da interpretação. Não se trata mais da comunicação da notícia, mas da análise da sua significação".

Percebe-se, nos pesquisadores jornalísticos, a necessidade de uma locução criativa ,espontânea e com emoção. Apesar da solicitação de espontaneidade e emoção, há uma fixação ao texto impedindo assim que o locutor manifeste criatividade. Criatividade e espontaneidade estão interligados. Nos textos sobre TV, não há orientação em como ser espontâneo e criativo sem fugir ao texto e sem modificar seu sentido.

Sobre locução BEUTENMULLER, Mª. G. (1981) afirma que "a locução de um texto desconhecido sempre cria dificuldades de articulação, expressões fisionômicas que denotam essa ignorância e que o telespectador sente, ainda que inconscientemente. Falar também é criar imagens com as palavras, com frases que compõem um quadro, descrito pelo locutor através da correta modulação da sua voz, sem exageros. A boa dicção, a boa pronúncia, a fala perfeitamente articulada são resultados da educação constante do homem em seu esforço para tornar mais belo o Universo, pois a palavra cria também imagens, sons, cores e movimentos impostos pela inteligência criativa e superior do homem". Na era da informática, da globalização e do treino da democracia não se aceita mais uma locução que esteja distanciada do simples, do íntimo e principalmente do espontâneo e criativo. A TV oferece, neste momento, várias oportunidades de locuções mais diferenciadas, porque a sociedade atual exige transparência, simplicidade, emoção, rejeitando a velha locução rebuscada e mecânica.

O estilo da nova era é simplesmente ser natural, expontâneo e criativo, mesmo estando num veículo tão acelerado como é a TV.

LINGUAGEM DE TELEVISÃO

Por muitos anos o Brasil conviveu com uma política governamental sócio-econômica que desestimulou a comunicação oral coletiva, principalmente no veículo televisivo. Hoje, com o treino da democracia exige-se dissiminação da informação pela veiculação da notícia em TV . A TV é o maior veículo de comunicação de massa pelo seu poder de chegar a todos os lares, de todas as classes sociais e de todas as regiões do país prestando como serviço básico "entretenimento, informação, formação serviço e comunicação publicitária, esta última constituindo geralmente a base econômica de sustentação das quatro primeiras" ( Revista Briefing, 1980)".

A TV interage com os milhões de telespectadores do país, incluindo os analfabetos, por esse motivo a função básica deste veículo é jornalística e também social. Por ser um veículo de comunicação de massa recente, com características individuais, a TV precisa ser melhor entendida para que só assim possa ser melhor utilizada pelo fonoaudiólogo.

MACIEL, P. (1985), relata que "as características próprias da TV apontam para uma comunicação massiva, intimista, dispersiva e seletiva". O contato com os milhões de telespectadores leva o locutor de TV a fazer uso de extremo cuidado na sua comunicação oral, como se estivesse comunicando-se a cada um e somente um dos telespectadores. Nos gestos, expressão facial, qualidade vocal, linguagem coloquial, leitura de texto claro, objetivo, de fácil entendimento, simples (simples como a maioria dos brasileiros), a TV oferece informações que devem estar relacionadas ao real interesse do telespectador. Com estes parâmetros de comunicação o telespectador será envolvido emocionalmente pela intimidade da comunicação ao receber a nótícia com exclusividade.

Ao receber em seu lar uma locução individualizada, exclusiva,contextualizada, o ouvinte interage confortavelmente, naturalmente, com a informação. Buscar a atenção, visual, auditiva, cognitiva e emocional do telespectador, que é dividida entre as várias atividades do seu dia, exige que a TV ofereça ininterruptamente o uso de vinhetas, convocações sonoras, música para anunciar manchetes dos telejornais. Todos esses recursos são utilizados para que o telespectador fixe-se na telinha mas por essa característica dispersiva é quase impossível aprofundar-se na informação apresentada. Pesquisas americanas afirmam que "os primeiros dez segundos definem o interesse ou não do telespectador pela notícia" o que obriga o locutor a buscar o equilíbrio entre a informação e a emoção para conquistar o envolvimento do telespectador, pela sedução.

A TV dispõe de pouco tempo para veicular a notícia, selecionando assim aquelas, que o jornalista percebe como de real interesse do telespectador. "Uma notícia tem em

média um minuto de duração, uma entrevista dentro da reportagem geralmente não ultrapassa vinte segundos". O tempo na TV é muito limitado e deve ser bem utilizado pelo locutor. A meta a ser atingida pela locução em TV é fazer-se entender, na busca incessante da linguagem adequada a linguagem do ouvinte. O objetivo do telejornal é informar de uma maneira que valorize a notícia e estimule um maior interesse no espetáculo televisivo, em um curto período de tempo.

A locução deve assemelhar-se a uma conversa com um amigo íntimo informando-lhe sobre as notícias do dia. Esta necessidade de informação precisa não é recente nos grupos sociais quando lembramos que desde a pré-história, passando pelas tribos e chegando ao homem de celular, fax e Internet, sempre buscou-se a notícia através da comunicação com o outro.

Refletindo sobre a participação espontânea e criativa do homem com a máquina comunicativa hoje, qualquer indivíduo pode participar da comunicação de massa, seja enquanto profissional de TV, seja por prestação de serviços a TV ou mesmo através do registro de cenas ocasionais, com equipamentos amador-portáteis. Este material amador poderá ser aproveitado, no vídeo oficial, com a veiculação da notícia em rede local, regional, nacional e muitas vezes internacional. BERGER, R. ( 1979), cria os neologismos "Macro Tv, Meso TV e Micro Tv". Quanto aos sistemas de comunicação em TV podemos encontrar o "signo" e o "clichê".

No signo o telespectador não faz contato com a mensagem televisiva, prefere proteger-se das emoções, já no clichê ele se emociona, sofre, relaciona-se com a mensagem sentido-se elemento integrante, fazendo parte da mensagem. No clichê há uma liberação da emoção e no signo há uma couraça protetora das emoções. Esses dois sistemas de comunicação em TV passa a ter o poder de seduzir o ouvinte. FILHO, C. M. (1988), comenta que "signo e clichê são dois sistemas básicos de comunicação e que a TV trabalha passando para a sua linguagem os fatos da realidade que pretende transmitir".

Na relação com a imagem a TV estabelece uma relação extensiva, ou seja, o tempo em TV é muito reduzido para pretender-se parar numa determinada cena, pois todas elas movem-se muito rápido; a troca de planos e imagens é ultra acelerada. Não é objetivo da TV fixar-se em detalhes pois a comunicação deve seguir o rítmo acelerado. PGNATARI, B. (1984), propõe uma análise social da cultura de massa: "A TV tende à síntese, a palavra escrita à análise; é da transa entre ambos que vai nascer a nova cultura de massa. A história atual não está apenas nos livros, documentos e monumentos, como não está apenas nos documentários e noticiosos da TV. Ela está nas pedras, nas pessoas, nos bichos e nas plantas, no ar e na água, nas línguas, gestos e costumes, na paisagem e no SNC e em todos os sígnos que o homem produziu. Por isso ela está também nas novelas e no Chacrinha, no Sílvio Santos e nos Trapalhões, transmissões de futebol, comerciais, especiais, musicais, Jô Soares, nas cenas dos próximos capítulos e até mesmo em programas da TV Cultura".

A cultura de massa também é expressa pelo padrão vocal escolhido na classe de locutores. Esta pertence a um determinado contexto profissional, numa determinada comunidade, num determinado veículo de comunicação, numa determinada região, numa determinada época, para uma determinada estrutura corporal e pertinente a um contexto sócio-político. O padrão vocal apresenta variações contínuas entre os diversos grupos nas diversas faixas etária e de acordo com o papel social escolhido para a complementação da comunicação no grupo em que está inserido.

Dicçao é fundamental para uma boa locuçao no rádio. A articulaçao da voz comporta e confirma a verossimilhança da mensagem.

1) Dicas para locutores

Quais os segredos para ser um bom locutor? Apesar da diferença de estilos e de cada locutor ter um estilo próprio, o que torna o processo muito pessoal, é interessante dar uma olhada na lista abaixo. Sao várias dicas que vao lhe ajudar a melhorar sua locuçao, ou até mesmo orientar os locutores de sua emissora.

1. Ouça bastante o rádio, seja um bom ouvinte.

Quanto mais se ouve, mais se conhece, mais se aprende.

2. Entenda o que voce está falando e verifique o conteúdo

dos textos. Melhor do que a voz é o que se fala, seu conteúdo.

3. Relaxe antes do trabalho. A inspiraçao e expiraçao

do ar de maneira compassada, juntamente com a contraçao seguida

de relaxamento dos músculos das pernas e braços, ajudam bastante.

4. Livre de tensao, a voz é produzida de maneira natural.

5. Cuide com a entonaçao. Por exemplo: "Ele vem... Ele vem?"

6. Quanto maior o número de repetiçoes por segundo, mais

aguda a voz (crianças e mulheres) e quanto menor o número de repetições

por segundo, mais grave a voz.

7. Determinantes da voz: o físico, a emoção, a cultura,

a altura, a intensidade, o timbre.

8. Voz desagradável é: a gutural, áspera, peitoral, suspirante,

nasal, abafada, rouca, seguida, chorosa etc.

9. Fale para uma pessoa particular, não para todos os ouvintes: "agora

a hora certa para VOCE não perder seu compromisso...", "e

agora a previsão do tempo para VOCE se prevenir...". E não

assim: "e agora a previsão do tempo para vocês."

10. Tenha pelo menos 7 horas de sono por dia.

11. Evite líquidos excessivamente gelados.

12. Lembre-se: quando estamos agitados e excitados, nossa respiração

torna-se rápida e irregular. O oposto, traz respiração

harmônica, regular, lenta e suave.

13. Na comunicação geral, seja soft, fale sorrindo, com simpatia,

não de maneira austera ou autoritária. Seja sobretudo entusiasta.

Muito entusiasmo!

14. Amarre o ouvinte na programação: - Daqui a pouco você

vai ouvir esta música (e exibe um pedaço da música); -

Logo após os comerciais, você vai ouvir Fulano de tal, é

um programa especial que você conhece; - Em seguida, estará chegando

aquele seu programa esperado...; - Daqui a pouco uma dica de saúde...

15. Nunca tente copiar uma pessoa. Preste atenção em todos e forme

o seu estilo. Não force sua natureza para copiar o estilo de outra pessoa.

16. Leia bem o texto antes de apresentá-lo no ar. Cuide com a pronúncia

de nomes, numerais e já saiba onde parar para respirar. Fale o texto

sem dar a impressão de leitura.

17. Não leia o texto com pressa. Procure finalizar as frases com reservas

de ar. Seja cortes e respeite o ouvinte ao falar.

18. Mantenha-se sempre bem informado. Saiba o que está acontecendo: dia

do que é hoje, como se pronuncia o nome que está sendo manchete

na mídia do momento...

19. Não faça comentários sem autorização,

muito menos se não tiver conhecimento.

20. Seja organizado no estúdio.

21. Cuide para não deixar o microfone aberto em momentos inoportunos.

22. Sempre anuncie e desanuncie um programa dizendo quando ele volta.

23. Na troca de locutores, conversas amistosas, mencione o nome do locutor,

preparar previamente com descontração. Não fale coisas

negativas, não ofenda ao colega e evite falar sobre o tempo.

Lembre-se: o bom profissional de Rádio é avaliado pela sua originalidade,

poder de síntese, criatividade, improvisação, carisma e

por sua voz bem colocada.

2) Uso Profissional da Voz

Muitos são os profissionais que usam a voz como instrumento

de trabalho. Os cantores, atores, professores, radialistas, políticos,

vendedores, telefonistas, secretários, empresários, padres, pastores

e todos aqueles que precisam da voz para exercer sua profissão.

O aparecimento de rouquidão, cansaço vocal,

ardume e/ou dor na garganta, pigarro e falta de ar são sinais de patologias

que acometem a laringe e podem estar relacionadas ao uso abusivo da voz em condições

desfavoráveis.

O mau uso da voz se refere a falar excessivamente, falar

alto e rápido, gritar, usar voz muito aguda ou muito grave e praticar

canto sem ter preparação adequada. Tais hábitos associados

ao fumo, ar-condicionado (ambos ressecam a mucosa da laringe), poeira, alergias

respiratórias, stress, ruído competitivo e predisposição

genética propiciam o surgimento de patologias laríngeas, que podem

prejudicar ou até mesmo impedir a atuação profissional.

O médico otorrinolaringologista e o fonoaudiólogo

podem dizer se o profissional está fazendo um uso adequado da voz, dar

orientações preventivas, avaliar e tratar a patologia quando existente.

Vale lembrar que o tratamento precoce é sempre mais rápido, podendo

inclusive poupar o indivíduo de uma cirurgia.

Por ser um valioso instrumento de trabalho, três quartos

além de reflexo de nossa saúde física e mental, a voz merece

atenção e cuidados especiais. Voz saudável é voz

agradável

3) Dicas para uma Voz Saudável

Esses são cuidados para poupar a laringe de esforços

desnecessários que muitas vezes são feitos e trazem prejuízo

a voz e desconforto ao falante. A higiene vocal deve ser seguida por

adultos e crianças, mas principalmente por profissionais que usam a voz

como meio de trabalho.

1. Hidratação do organismo é fundamental.

Beba de 7 a 8 copos de água por dia, em temperatura ambiente. Pode ser

substituído por suco cítrico natural e não açucarado.

O refrigerante, por conter grande quantidade de gases pode prejudicar a movimentação

do diafragma, por isso deve ser evitado.

2. Evite ambiente com ar condicionado, que resseca as mucosas.

Neste caso, intensifique a hidratação.

3. Não grite sem suporte respiratório. O grito

deve ser sempre evitado, mas em situações esporádicas em

que ele é necessário (principalmente em certas profissões),

o indivíduo deve gritar com técnica: corpo ereto, inspirar profundamente

sentindo a expansão do abdômen e das costelas e falar em forte

intensidade, com ataque vocal suave.

4. Ataque Vocal é o encontro das pregas vocais quando

começamos a falar uma palavra ou frase. Se o ataque vocal for brusco,

o atrito entre as pregas vocais será muito forte, podendo causar inchaço

e nódulos. Assim, o mais aconselhável é o ataque vocal

suave.

5. Tossir ou pigarrear excessivamente provoca um atrito

intenso nas pregas vocais, podendo feri-las. Como mecanismo de proteção

há um aumento do muco para protege-las do impacto. Isso se torna

um ciclo vicioso, pois a secreção atrapalha a emissão vocal,

forçando o indivíduo a pigarrear novamente! O melhor é

controlar a vontade de pigarrear, aumentar a hidratação, fazer

exercícios de vibração de língua. Quando for imprescindível

eliminar o pigarro, sugere-se a realização voluntária e

precoce do fechamento glótico, como se estivesse realizando um esforço

físico, seguido de uma liberação repentina do fluxo de

ar.

6. Falar em ambientes ruidosos ou abertos leva o falante

a intensificar a emissão vocal, pois há competição

sonora. Quando possível deve-se evitar tais ambientes, mas no caso de

profissionais que trabalham e tais condições, a voz deve ser projetada

na máscara, os sons articulados com precisão e a voz deve ser

levemente agudizada.

7. Utilizar tom grave ou agudo demais também é

considerado um abuso. O tom mais apropriado para a fala é o tom médio

ou de uma a duas notas acima deste. O tom levemente agudizado, apesar de não

ser natural é o que exige menos esforço para ser produzido. Por

isso é o ideal para profissionais que usam a voz o dia todo.

8. Falar excessivamente durante quadros gripais ou crises

alérgicas pode causar danos irreversíveis, pois os tecidos que

revestem a laringe estão inchados e o atrito das pregas vocais durante

a fala passa a ser uma forte agressão. Deve-se falar o mínimo

possível nessas ocasiões, e beber água em abundância.

9. Praticar exercícios físicos falando pode

gerar sobrecarga, pois durante o esforço físico ocorre um aumento

no fechamento das pregas vocais.

10. Fumar ou falar muito em ambientes de fumantes. O cigarro

são altamente irritantes as mucosas do trato vocal, além de

ressecá-las e dificultar sua vibração.

11. Utilizar álcool em excesso. O álcool também

são irritantes as pregas vocais e tem um efeito anestésico

que mascara a dor de garganta, propiciando abusos vocais.

12. Cantar ou falar abusivamente em período pré-menstrual

não é aconselhável, pois nesse período, várias

regiões do corpo sofrem inchaço, inclusive as pregas vocais O

uso de pílulas anticoncepcionais pode causar o mesmo efeito.

13. Falar demasiadamente, logicamente, causa sobrecarga

vocal. As pregas vocais são músculos como qualquer outro, e também

sofrem fadiga.

14. Falar muito após ingerir grandes quantidades

de Aspirinas, calmantes ou diuréticos. A Aspirina causa aumento da circulação

sanguínea na periferia das pregas vocais. Com a associação

do atrito de uma prega contra a outra, há um aumento da fragilidade capilar.

Os diuréticos e calmantes ressecam as mucosas.

15. Cantar inadequada ou abusivamente e fazer parte de corais

sem preparo vocal. Cantar é um ótimo exercício laríngeo,

mas o indivíduo precisa ter preparo e técnicas vocais, caso contrário

podem surgir sérios distúrbios orgânicos.

16. Alimentaçao com excesso de condimentos

traz azia, má digestão e refluxo de secreções gástricas,

que podem banhar as pregas vocais causando irritações nas mesmas.

A maça e o salsão são recomendados, pois são

adstringentes, deixando a saliva mais fininha. Já os derivados do leite

e chocolate engrossam a saliva e dificultam a articulação das

palavras e a vibração das pregas vocais.

Resumo do "Manual de Higiene Vocal para Profissionais

da Voz", de Silvia M. Rebelo Pinho, ed. Pró-Fono, 1997.

4) Dicas para um Locutor de Rádio

O locutor de rádio deve ter segurança do que

fala, uma vez que rádio, se faz ao vivo. Procure estar sempre bem informado.

Leia os jornais do dia, ouça bastante rádio, procure se informar

do assunto que está em evidencia na mídia, conheça

a pronúncia de nomes de personagens estrangeiros em destaque, aprenda

a ler e pronunciar bem o inglês e o espanhol.

Ao fazer sua locução no rádio, fale

como se fosse para uma pessoa. Use o pronome voce, ex: você ouviu,

Imagine com Paulo Ricardo, você confere agora as melhores da semana etc.

Seja sempre simpático, abra um sorriso ao falar, as pessoas que estão

te ouvindo serão contagiadas pela sua alegria.. Saiba cativar a audiência

.

A grande maioria das rádios tem sua programação

voltada para gente comum, o povão, pessoas de diferentes gostos. Estas

emissoras fazem uma programação bastante eclética, buscando

agradar a todos, ou pelo menos a grande maioria. O locutor tem que ser imparcial.

Nunca deixe seu gosto pessoal ser notado ao anunciar ou comentar sobre uma música.

Faça tudo sempre com o mesmo entusiasmo e, por favor, fale somente o

necessário.

Enriqueça seu programa usando bem as vinhetas de

passagem, os jingles, efeitos sonoros etc. Nunca fale encima do início

da letra da música. O máximo que você pode fazer, é

usar a introdução da música para falar algo rápido,

sem atropelar a cabeça da música. Não deixe buracos entre

uma música e outra, seja dinâmico, prenda a audiência, faça

rádio para as pessoas, não para você. O seu gosto pessoal

não pode interferir no seu trabalho, goste de todas as músicas,

torça por todos os times, mas acima de tudo fale com naturalidade, não

imposte a voz. Ao falar, seja você mesmo, fale... não cante, você

não é a atração principal da rádio, as pessoas

ouvem rádio, para ouvirem músicas, notícias etc.

Se você estiver trabalhando em uma rádio de

programação segmentada, como rádios que só tocam

músicas gospel, pagodes, rock, clássicos etc, incorpore o estilo

de cada rádio; o locutor deve ser um mutante, e se moldar de acordo com

o ambiente.

Ouça bastante rádios de diversos estilos.

Absorva o que for bom, o que for ruim descarte. Não imite nunca ninguém,

principalmente na voz, conquiste seu espaço, seja você mesmo. Ao

ler uma notícia, cuidado com o tom. Não vá ler sorrindo

uma notícia trágica, ou vice-versa. Tome ciência do conteúdo

da nota antes de lê-la no ar. Ao ler um texto, nao de impressao

de leitura. Acredite no que está lendo, procure ser convincente. Conheça

a programação musical, os comerciais e as promoções

antes de assumir o horário. Confira o perfeito funcionamento do equipamento.

O microfone é o amigo inseparável do locutor,

mas pode se tornar um inimigo se você não desligá-lo nos

intervalos entre as músicas. Nunca vire folhas próximo ao microfone,

evite tomadas de ar longas e sonoras, respire como locutor não como um

velho ofegante e asmático. A boca não pode emitir outros sons

ou ruídos estranhos, como estalar de língua, lábios, pigarrear,

tossir etc.

Mantenha a distância correta do microfone. Com a evolução

da tecnologia, eles se tornaram altamente eficientes e capazes de detectar os

menores ruídos. Por isso você não precisa beijar o microfone

para falar. Geralmente um palmo de distância é o mais indicado

para rádio. É claro que existem microfones mais sensíveis,

em que as vezes se observa até um metro de distância. Geralmente

são usados em estúdios de dublagem e comerciais. Falar colado

ao microfone provocara a saturação do áudio, e com isso

os famigerados puffs, que são pancadas provocadas por fonemas formados

pelas letras p, b e vogais, ex: pipa, povo, bola, etc...

Se você pretende ser locutor de FM, terá de

operar todo o equipamento, inclusive ajustar o microfone (altura e distância)

adequadas para você. No caso das rádios AM, preste muita atenção

ao operador, que fará sinais durante a programação. O entrosamento

deve ser perfeito entre o locutor e o operador. Em estúdios para gravações

de textos, spots, narrações etc, posicione-se a frente

do microfone, não mexa no microfone sem pedir autorização

Ao operador ou editor que irá gravar você. Pode acontecer que haja

uma indisposição do operador, tendo em vista que ele está

ali para fazer isto. Ajustar todo o equipamento é dever dele e devemos

respeitar. No Brasil, geralmente não há problemas, mas nos Estados

Unidos, isto dá a maior treta, pois lá os operadores são

enjoados e altamente profissionais.

5) Exercício de Dicçao 1

Basicamente a arte de fazer locução resume-se

em: Articular; Interpretar; Dar ritmo adequado a cada leitura ou apresentação.

Parece fácil, mas o caminho é longo. É necessário

praticar muita leitura, o melhor exercício para quem vive da voz. Existem

tipos diferentes de locução para programas de rádio, para

TV, narração de documentários, narração de

historias etc. Exercício: pronunciar exageradamente cada sílaba

das palavras no exercício a seguir:

- O prestidigitador prestativo e prestativo está

prestes a prestar a prestidigitação prodigiosa e prestigiosa.

- A prataria da padaria está na pradaria prateando prados prateados.

- Branca branqueia as cabras brabas nas barbas das bruacas e bruxas branquejantes.

- Trovas e trovoes trovejam trocando quadros trocados entre os trovadores

esquadrinhados nos quatro cantos.

- As pedras pretas da pedreira de Pedro Pedreiras são os pedregulhos

com que Pedro apedrejou três pretas prenhas.

- O grude da gruta gruda a grua da ginga que grita e, gritando, grimpa a grade

da grota grandiosa.

- No quarto do Crato eu cato quatro cravos cravados no crânio da caveira

do Craveiro.

- O lavrador livre na palavra e na lavra, mas não pode ler o livro que

o livreiro quer vender.

- Fraga deflagra um drible, franco franqueia o campo, o povo se inflama e enfrenta

o preclaro júri, que declara grave o problema.

- Quero que o clero preclaro aclare o caso de clara e declare que Tecla se engana

no que clama e reclama.

- O acróstico cravado na cruz de crisálidas da criança

acreana e o credo Cristo.

- A entrada triunfal de trezentos truculentos troianos em trajes tricolores,

com seus trabucos, trombones e triângulos, transtornou o tráfego

outrora tranquilo.

- O prato de prata premiado precioso e sem preço, foi presente do preceptor

da princesa primogênita, probo primaz, procurador da Prússia.

6) Exercício de Dicção - 2

FÁCIL

1. Xuxa! A Sasha fez xixi no chão da sala.

2. O rato roeu a roupa do Rei de Roma a rainha com raiva resolveu remendar.

3. Três pratos de trigo para três tigres tristes.

4. O original nunca se desoriginou e nem nunca se desoriginalizará.

5. Qual é o doce que é mais doce que o doce de batata doce?

Respondi que o doce que é mais doce que o doce de batata doce é

o doce que é feito com o doce do doce de batata doce.

MÉDIO

1. Sabendo o que sei e sabendo o que sabes e o que não sabes e o que

não sabemos, ambos saberemos se somos sábios, sabidos ou simplesmente

saberemos se somos sabedores.

2. O tempo perguntou pro tempo qual é o tempo que o tempo tem. O tempo

respondeu pro tempo que não tem tempo pra dizer pro tempo que o tempo

do tempo é o tempo que o tempo tem.

3. Embaixo da pia tem um pinto que pia, quanto mais a pia pinga mais o pinto

pia!

4. A sábia não sabia que o sábio sabia que o sabiá

sabia que o sábio não sabia que o sabiá não sabia

que a sábia não sabia que o sabiá sabia assobiar.

DIFÍCIL

1. Num ninho de mafagafos, cinco mafagafinhos há! Quem os desmafagafizá-los,

um bom desmafagafizador será.

2. O desinquivincavacador das caravelarias desinquivincavacaria as cavidades

que deveriam ser desinquivincavacadas.

3. Perlustrando patética petição produzida pela postulante,

prevemos possibilidade para pervence-la porquanto perecem pressupostos

primários permissíveis para propugnar pelo presente pleito pois

Prejulgamos pugna pretérita perfeitíssima.

4. Não confunda ornitorrinco com otorrinolaringologista, ornitorrinco

com ornitologista, ornitologista com otorrinolaringologista, porque ornitorrinco,

é ornitorrinco, ornitologista, é ornitologista, e otorrinolaringologista

são otorrinolaringologista.

5. Disseram que na minha rua tem paralelepípedo feito de paralelogramos.

Seis paralelogramos tem um paralelepípedo. Mil paralelepípedos

tem uma paralelepipedovia. Uma paralelepipedovia tem mil paralelogramos. Então

uma paralelepipedovia é uma paralelogramolândia?

REFERENCIAS

CESAR, Ciro. Rádio: a mídia da emoção. São Paulo. Summus, 2005.

DUARTE, Noélio. Você pode falar melhor. São Paulo. Hagnos, 2001.

PRADO, Magaly. Produção de Rádio: um manual prático. São Paulo. Elsevier, 2006.

Created By
Maria Beatriz Cruz
Appreciate

Report Abuse

If you feel that this video content violates the Adobe Terms of Use, you may report this content by filling out this quick form.

To report a Copyright Violation, please follow Section 17 in the Terms of Use.