ERTE: LA-FCL Laboratórios de Aprendizagem: Cenários e Histórias de Aprendizagem (2.ª edição) Diário de Aprendizagem de Anabela Neves

Módulo 0: introdução ao MOOC

A- Bem-vindo/a!

Apresentação 

Quadro síntese da ponderação das tarefas do MOOC

PROJETOS RELACIONADOS COM O FCL

A. PROJETO ITEC

B. PROJETO CPDLab

C. PROJETO LSL

D. PROJETO CCL

PROJETOS EM CURSO RELACIONADOS COM O FCL

As seis zonas de aprendizagem

1- Apresentar: os alunos aprendem a partilhar e a comunicar, recebendo feedback pelo trabalho desenvolvido.

2- Interagir: a tecnologia pode melhorar a interação e a participação dos alunos, mesmo em espaços de aprendizagem tradicionais.

3- Investigar: os alunos podem pesquisar, construir modelos, recolher dados, testar ideias e avaliar resultados.

4- Criar: os alunos planificam, projetam e produzem o seu próprio trabalho.

5- Colaborar: os alunos trabalham a pares ou em equipa, enquanto investigam, criam ou apresentam.

6- Desenvolver: os alunos trabalham de forma independente, ao seu próprio ritmo, usando os seus dispositivos pessoais para acesso a recursos online e a ambientes virtuais de aprendizagem.

O que é o TOOLKIT da Iniciativa LA/FCL?

É um conjunto de ferramentas, orientações, entre outros recursos, produzidos pela EUN, que encaminham o utilizador para a idealização, criação ou adaptação de um Cenário de Aprendizagem e para a sua implementação na sala de aula (ou escola), e ainda para a avaliação dos resultados para eventual reutilização futura.

O QUE É O TeamUp?

O TeamUp é uma ferramenta de apoio ao trabalho colaborativo que facilita a organização dos grupos de trabalho e o acompanhamento do trabalho das equipas. Os professores podem organizar as equipas mediante critérios estabelecidos e podem acompanhar o seu trabalho ouvindo mensagens, reflexões ou notícias (1 minuto de voz) gravadas pelas próprias equipas.

Módulo 2: Iniciar o processo de inovação

PARCEIROS E TENDÊNCIAS

Tarefa 10 - PARCEIROS E TENDÊNCIAS

Eu concordo inteiramente com a necessidade de mudança! Os nossos alunos de hoje nasceram na era das tecnologias por isso é contra "natura" estarmos constantemente a proibir o seu uso. Precisamos de saber usar as ferramentas tecnológicas, que os alunos têm em seu poder, de fácil acesso, a nosso favor. É importante ensinar os alunos a usar as tecnologias incutindo-lhes autonomia e independência na construção do ensino/aprendizagem. Os alunos devem ser canalizados para elaboração de trabalhos de projeto relacionados com as vivências do mundo atual. Eu penso que o professor deveria deixar o modelo de ensino (do séc. passado) que pressupõe expôr os conteúdos na sala de aula enquanto os alunos ouvem (ou não!), ao invés de ensinar o aluno a ter espírito crítico perante as situações que lhe são apresentadas. Contudo para que isto seja possível é necessário que haja várias mudanças, nomeadamente, a nível político, em relação ao currículo atual e em relação ao apetrechamento das escolas de equipamento tecnológico e , também, na alteração dos critérios gerais de avaliação dos alunos. Os alunos também têm que mudar a postura atual em relação à aprendizagem. Essa mudança terá de ser gradual e ser iniciada logo no início da escolaridade de forma a adquirir o espírito de autonomia e investigação. O aluno deve ser o ator principal na construção do seu saber enquanto que o professor deve ser o moderador.

Finalizando, na minha opinião, urge mudar o sistema de ensino que estamos a usar em Portugal!

PARCEIROS E TENDÊNCIAS: A SALA DE AULA EM 2026

Tarefa 11 - TRICIDER - PARCEIROS E TENDÊNCIA - A SALA DE AULA EM 2026

MODELO DE MATURIDADE DA SALA DE AULA DO FUTURO

O Modelo de Maturidade e Inovação define cinco níveis de maturidade. Em cada nível de maturidade estão contempladas cinco dimensões: papel do aluno, papel do professor, objetivos de aprendizagem e avaliação, capacidade da escola para apoiar a inovação na sala de aula, ferramentas e recursos.

Tarefa 12 - NÍVEL DE MATURIDADE

AS CINCO DIMENSÕES

Tarefa 13 - AS CINCO DIMENSÕES

SOCRATIVE

O Socrative é uma app que pode ser usada como uma ferramenta simples de elaboração de questionários (preparação de testes, quizzes, etc.), mas também pode ser usada para receber feedback em tempo real da aprendizagem do aluno em sala de aula.

PLICKERS

O Plickers é um sistema de perguntas e respostas em que o professor utiliza o seu dispositivo móvel para recolher as respostas e os alunos utilizam cartões para responder.

Módulo 3: Adaptar ou criar um cenário inovador de ensino e de aprendizagem

CENÁRIOS DE APRENDIZAGEM: EXEMPLOS DE CENÁRIOS

Tarefa 15 - EXEMPLOS DE CENÁRIOS DE APRENDIZAGEM

Vídeo: Projeto de estudo ao ar livre

Aspetos positivos: interdisciplinaridade; trabalho colaborativo; uso de novas tecnologias; experiência no exterior da sala de aula; trabalho de investigação; autonomia dos alunos na busca do conhecimento. Aspetos a melhorar: envolver mais disciplinas no estudo.

Vídeo: Reconhecer aprendizagens informais.

Aspetos positivos: papel ativo do aluno na sua aprendizagem; a motivação dos alunos - ir de encontro aos interesses dos alunos. Aspetos a melhorar: maior colaboração entre os docentes e conseguir respeitar os diferentes ritmos de aprendizagem e interesse dos alunos envolvidos.

GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS

Tarefa 16 - GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS DE APRENDIZAGEM

Ambos os cenários de aprendizagem são viáveis no meu agrupamento de escolas. Contudo na minha opinião as escolas não terão os recursos suficientes para desenvolver um cenário de aprendizagem inovador, nem grande parte dos docentes têm competências digitais genéricas, de forma a se sentirem à vontade com a introdução de novas ferramentas e recursos na sala de aula de modo a motivarem os alunos.

Módulo 4: Criar Atividades de Aprendizagem Inovadoras

Conceito de Atividade de Aprendizagem

“Em termos simples, uma Atividade de Aprendizagem descreve o que os professores e os alunos fazem no âmbito do processo de ensino e aprendizagem. A Atividade de Aprendizagem pode ter lugar numa única sessão ou ao longo de várias sessões e utiliza tecnologia digital para possibilitar uma experiência de aprendizagem valiosa e cativante, apoiando o desenvolvimento das competências para o século XXI. Uma boa Atividade de Aprendizagem não é específica de uma disciplina e pode ser usada em todo o programa de estudo.” (fonte http://fcl.eun.org/pt_PT/tool4p1)

Tarefa 18 - CONCEITO DE ATIVIDADE DE APRENDIZAGEM

Atividade de aprendizagem é um conceito que permite envolver os alunos às aprendizagens ligadas à vida real de uma forma autónoma com a ajuda de várias ferramentas digitais. Permite assim que o professor tenha o papel de moderador das aprendizagens e os alunos tenham um papel ativo na procura da informação em contextos apelativos e que vão de encontro aos seus interesses.

Processo de conceção de Atividades de Aprendizagem

A - Planeamento - O que vai precisar?

Antes de iniciar o processo de conceção de Atividades de Aprendizagem, há que selecionar um cenário adequado ao seu contexto e aos seus objetivos.

Para dar seguimento ao processo de conceção de Atividades de Aprendizagem, observe o seguinte:

B - Etapas de conceção de Atividades de Aprendizagem

Tecnologias para a conceção de Atividades de Aprendizagem

Tarefa 19 - TRICIDER - TECNOLOGIAS PARA A CONCEÇÃO DE ATIVIDADES DE APRENDIZAGEM

A Ferramenta "Learning Designer"

Tarefa 20 - TODAYSMEET - A FERRAMENTA " LEARNING DESIGNER"

O que é o TodaysMeet?

O TodaysMeet é uma ferramenta simples para criar um ambiente virtual de conversa, onde os estudantes podem postar comentários, responder a avisos ou fazer perguntas.

Módulo 5: Implementar e avaliar a inovação

O QUE É UMA PILOTAGEM?

Quando se pretende introduzir mudanças com impacto no ensino e na aprendizagem, existindo um investimento significativo em recursos (humanos e materiais) ou em desenvolvimento profissional docente, é conveniente fazer uma primeira experimentação no terreno, a que se chama de pilotagem.

Orientações para a pilotagem e para a avaliação da pilotagem

Alguns aspetos a considerar durante a implementação e a avaliação da pilotagem:

1.º Avaliar a implementação

Durante a pilotagem é importante ir recolhendo dados, analisando e refletindo sobre aquilo que está a acontecer: o que é que está a funcionar bem? Que aspetos devem ser melhorados?

É importante recolher feedback da parte dos alunos, dos professores e de outras pessoas envolvidas (por exemplo, dos pais), não só para se perceber o impacto da intervenção, mas também para se poderem desenvolver e melhorar as próprias Atividades de Aprendizagem que estão a ser experimentadas.

Deve-se também procurar avaliar e medir o impacto da pilotagem, quer ao nível da motivação dos alunos, quer ao nível dos seus resultados de aprendizagem.

É igualmente importante identificar as boas práticas (as ideias, as abordagens, as ferramentas e os recursos) para que possam ser partilhadas com outros professores (da mesma escola ou dentro de uma comunidade mais alargada).

Deve-se ainda ser capaz de comparar os benefícios que se esperavam com os benefícios "reais" observados, ou seja, com aqueles que realmente aconteceram ou que estão a acontecer no terreno.

Esta avaliação deve abarcar todo o processo de implementação de mudanças, por exemplo, identificando as condições e os apoios que são necessários para alcançar o sucesso pretendido (incluindo políticas e processos escolares).

É ainda importante refletir sobre as necessidades de formação e de desenvolvimento profissional docente (para as intervenções que se estão a fazer no presente e para as que se possam vir a fazer no futuro).

2.º Planificar o projeto

Planificar o projeto, com a indicação das componentes inovadoras que se vão realizar, é sempre um bom passo para o início de uma pilotagem!

Note que as Atividades de Aprendizagem criadas e a História de Aprendizagem que se idealizou devem servir apenas como orientação para aquilo que se vai fazer na prática. O mais provável é que se tenham de adequar ao contexto, levando em consideração as restrições que possam surgir (o tempo de aula, o acesso a ferramentas e recursos, os objetivos dos programas curriculares, a existência de apoio técnico, as capacidades e as experiências dos próprios alunos, etc.).

É importante também refletir nos objetivos que se pretendem alcançar com a pilotagem. Qual é o objetivo principal? Como aumentar os níveis de colaboração dos alunos? Como obter um maior envolvimento dos alunos? Como melhorar a autonomia do aluno? Como melhorar o processo de avaliação?

3.º Métodos e instrumentos de avaliação da pilotagem

Há várias abordagens que se podem usar para avaliar a pilotagem:

Se for um professor (individualmente) a fazer a avaliação da sua implementação então pode usar uma abordagem mais informal, baseada na autorreflexão e também na indagação junto dos alunos e dos professores com quem trabalhou. Esta autorreflexão pode contemplar vários aspetos da experiência realizada: o que se passou? O que aprenderam os alunos? Que benefícios existiram para o ensino e para a aprendizagem dos alunos? Que obstáculos ou desafios encontraram? O que acharam os alunos? Gostariam de aprender sempre dessa forma?

IMPACTO NO ENSINO E NA APRENDIZAGEM

Rubricas para a avaliação das competências do século XXI

TAREFA 25 - TRICIDER - NÍVEL DE RUBRICA DA COLABORAÇÃO COM BASE EM 2 EXEMPLOS

Aurasma

Created By
Anabela Neves
Appreciate

Made with Adobe Slate

Make your words and images move.

Get Slate

Report Abuse

If you feel that this video content violates the Adobe Terms of Use, you may report this content by filling out this quick form.

To report a Copyright Violation, please follow Section 17 in the Terms of Use.