Loading

Hindou Oumarou Ibrahim direitos indígenas e mudanças climáticas

A Sra. Ibrahim é especialista em adaptação dos povos indígenas às mudanças climáticas, conhecimento ecológico tradicional e estratégias de mitigação das mudanças climáticas. Ela é copresidente do Fórum Internacional dos Povos Indígenas sobre Mudanças Climáticas.
Hindou é de uma comunidade pastoril Mbororo no Chade. Ela fundou a Associação para Mulheres e Povos Indígenas do Chade (AFPAT) e trabalha para capacitar as vozes indígenas e garantir sua inclusão nas plataformas internacionais. Tem liderado vários projetos concretos que melhoraram o acesso às necessidades básicas dos povos indígenas, ao mesmo tempo que promove sua contribuição para a proteção do meio ambiente.
“Durante séculos, os povos indígenas protegeram o meio ambiente, que lhes fornece alimentos, medicamentos e muito mais. Agora é hora de proteger seu conhecimento tradicional único, que pode trazer soluções concretas para implementar metas de desenvolvimento sustentável e combater as mudanças climáticas. ” - Hindou Ibrahim

Ela tem mobilizado a comunidade para garantir a sobrevivência em um clima que se apresenta cada vez mais árido e tem mudado a forma como seu povo vê às mulheres. É uma líder dos povos indígenas e representa os interesses das comunidades indígenas nas negociações climáticas da ONU. Ela também é co-presidente do Fórum Internacional dos Povos Indígenas sobre Mudança Climática (IIPFCC).

Mbororo, que significa ‘pastores de gado’, é um subgrupo étnico de 250.000 membros que fazem parte dos Fulani, a maior comunidade nômade que vive na África Central e Ocidental. Ela testemunhou como o clima afeta a vida de sua comunidade dependendo da agricultura e da pecuária.

Ibrahim iniciou o primeiro grande diálogo entre as numerosas culturas e comunidades da área do Lago Chade. Juntos, eles estão criando um mapa 3D da região considerada frágil ambientalmente, para informar sobre a conservação e gestão dos recursos, enquanto promovem a segurança.

O trabalho feito por Ibrahim com as comunidades indígenas no nível local, regional e internacional, dá voz aos que não têm voz, convidando os governos e o setor privado a escutar.

Hindou Ibrahim é uma das fundadoras da 'Associação de Mulheres e Povos Indígenas do Chade' (AFPAT), que se dedica à proteção do meio ambiente e dos direitos das comunidades tradicionais do país.

Sua defesa pelas comunidades indígenas e seu compromisso em integrar o conhecimento indígena com a ciência ocidental para criar um planeta mais saudável lhe valeram inúmeras homenagens, incluindo o Prêmio Pritzker de Gênio Ambiental Emergente.
Ela também tem sido indicada como Defensora dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, Membro Indígena Sênior de Conservação Internacional (Conservation International) e Exploradora de National Geographic, entre muitos outros reconhecimentos.

Credits:

1. TED Conference; TW19_20191205_1SM3057_1920-; December 5, 2019; (CC BY-NC-ND 2.0). 2. TED Conference; TW19_20191205_1MA1925_1920; December 5, 2019; (CC BY-NC-ND 2.0). 3. David Stanley; Southern Saharan Dunes; November 2, 2015; (CC BY 2.0). 4. Matt Tomalty; ladys going to market; December 16, 2008; (CC BY-NC 2.0). 5. David Stanley; Lake Taguedei; November 3, 2015; (CC BY 2.0). 6.CIFOR; Hindou Ibrahim. Coordinator, Indigenous Women and Peoples Association of Chad Executive Committee, Indigenous Peoples of Africa Coordinating Committee; November 16, 2016; (CC BY-NC-ND 2.0).