Loading

Portefólio de História 8º. ano

Apresentação

Olá! O meu nome é Leonor e tenho 13 anos e nasci no dia 04 de fevereiro de 2004. Sou divertida. Segundo a minha irmã, sou chata mas responsável. Gosto de ler, escrever, jogar voleibol, de brincar com os meus animais, de jogar no computador e de ouvir música.

Estou a frequentar o 8.º ano, o que me deixa curiosa, pois é um novo ano da minha vida. Dizem que as matérias do 8.º ano são as mais difíceis de assimilar e de compreender. Para mim, a História é a ciência que investiga o passado da humanidade, tendo como referência um lugar, uma época, um povo ou um indivíduo específico. Gosto desta disciplina mas não gosto menos das outras.

No futuro tenciono formar-me em medicina animal, ou seja, quero ser veterinária e vou-me esforçar para concretizar o meu sonho. Outro sonho que eu tenho é o de viajar pelo mundo e conhecer culturas, línguas, costumes de povos diferentes do meu.

Quero cuidar dos animais!

Há professores que dizem que o portefólio, seja virtual ou físico, reflete "a mente de uma pessoa", ou seja, pode estar bem ou mal organizado, segundo as características do seu autor em termos de organização, então, vou tentar ser o mais organizada possível, pois é assim que consigo trabalhar e organizar as minhas ideias.

1.º Período

Lição número 1 - 14 de setembro de 2017

Sumário : Apresentação. Algumas considerações gerais sobre o funcionamento da disciplina.

Na primeira aula de História deste novo ano letivo abordámos algumas considerações gerais sobre o funcionamento desta disciplina e falámos nas diferentes matérias que iríamos aprender e desenvolver nesta nova aventura. No decurso destas explicações, a professora afirmou que teríamos de alcançar os objetivos propostos e que estes eram como as dunas num deserto, sempre que chegamos ao topo de uma, constatamos que existem outras ainda maiores, existindo sempre grandes dunas ao longo da nossa vida. Assim sendo, dunas estão equiparadas a objetivos que todos nós deveremos ter e tentar alcançar.

As dunas do deserto!

A nossa professora falou ainda do projeto "Ver para Querer" e relembrou a sua importância para a E.B. 2/3 de Amarante.

Este projeto pretende remodelar a cantina da nossa escola, os equipamentos - copos, pratos, tabuleiros, talheres, tigelas - e mesmo o local onde são servidas as refeições e, evidentemente, a comida que todos os dias é servida ao almoço. O projeto conta com a colaboração da Ordem dos Nutricionistas e ainda ainda com a colaboração da Fundação Manuel António da Mota.

A professora Anabela Magalhães informou-nos que iríamos utilizar novas tecnologias (tablets e computadores) para a realização de algumas aulas, em particular a aplicação "Kahoot", "Quizizz" e "Adobe Spark", sendo que esta última irá ser utilizada para a construção de um portefólio digital. Para isso teremos de resumir as aulas, pesquisar, imagens sobre os assuntos abordados... e para nos dar um exemplo de como usar esta aplicação, mostrou-nos um trabalho realizado pelas professoras: Ana Osório (de T.I.C), Elisabete (membro da direção do nosso agrupamento) e a própria professora num programa de "Erasmus" que fizeram durante as férias de verão. No programa, as professoras tiveram que se apresentar em inglês, referindo tanto a localidade onde trabalhavam, como a escola onde exerciam as suas funções a um outro grupo de professores estrangeiros que estavam, nesse momento, em Florença. Contaremos com a professora Ana Osório e com as aulas de T.I.C. para nos apoiar neste novo desafio.

Lição número 2 - 18 de setembro de 2017

Sumário: Como trabalhar o portefólio de História na aplicação Adobe Spark.

Nesta aula, a professora ensinou-nos a elaborar uma página na aplicação Adobe Spark. Demonstrou-nos como escrever, fazer uma capa, uma apresentação, como anexar imagens e links de vídeos ou sites que poderiam servir de complemento para o nosso trabalho. Fomos vendo que tipo de letra e tamanho é que seriam os mais adequados, entre outras coisas essenciais. Na conclusão da aula os alunos apresentaram as suas dúvidas.

Lição número 3 - 21 de setembro de 2017

Sumário: Os condicionalismos da expansão europeia e a busca de novas rotas comerciais.

Indivíduo importante : Ptolomeu- astrónomo, geógrafo e cartógrafo grego do século II, e cujo o saber foi a base da geografia ocidental até aos Descobrimentos, no século XV.

A nossa professora começou por explicar os motivos que causaram tanto alvoroço na cantina, no dia anterior. Este facto deveu-se à falta de conhecimentos dos alunos do 5.ºano relativamente ao funcionamento da aquisição das senhas para o almoço e ainda ao facto de cerca de cinquenta alunos não terem tirado senha.

Em consequência deste facto, a professora apelou para que tirássemos a senha do almoço no dia anterior, com a finalidade de melhorar o serviço da cantina em todos os sentidos: as refeições estarão de acordo com o número de alunos que pretendem almoçar e haverá melhoramentos na rapidez com que estas são servidas.

Imagens retiradas de : http://anabelapmatias.blogspot.pt/

Posteriormente demos início à matéria do 8.ºano, abordando as circunstâncias da expansão europeia e a busca de produtos de luxo que chegavam à Europa vindos através das rotas comerciais africanas, asiáticas e mediterrânicas.

Nos finais do século XIV, início do XV, Portugal tinha começado a recuperar brutais perdas humanas causadas pela Peste Negra e por outras epidemias ou doenças e sentia-se necessidade de mais produtos alimentares, como por exemplo cereais, especiarias e ainda de ouro para pagar as importações crescentes.

Os muçulmanos detinham as rotas comerciais, essencialmente terrestres, através das quais chegavam à Europa bens cobiçados por muitos dos seus habitantes, como por exemplo escravos, ouro, especiarias, sedas, pérolas, pedras preciosas, prata, entre outros bens que vinham de África, da Índia e de outras partes da Ásia.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjI0OTJhODkxNzU4NGM2YQ

Os produtos que já eram caros no país de origem tornavam-se ainda mais dispendiosos para a população do continente europeu devido às exorbitantes despesas que os comerciantes muçulmanos suportavam antes de chegar ao seu destino - despesas da caravana durante a viagem, impostos aplicados pelos povos por onde passavam as rotas, tempo de viagem, alimentos consumidos durante o transporte das mercadorias...

Os muçulmanos transportavam os produtos até ao Mediterrâneo e negociavam-nos com os comerciantes das cidades-estado italiana que posteriormente os revendiam para o resto da Europa também com lucro. No final, os bens de luxo ficavam com preços exorbitantes, só acessíveis ao alto clero, ao Papa, aos Reis e à nobreza.

Como já referi, a vida começou a melhorar nos finais do século XIV e princípios do século XV, aumentando a população, o que conduziu a um maior consumo de bens essenciais e de luxos, como por exemplo: cereais (para fazer pão), especiarias (para temperar os alimentos), algodão (para fazer roupas mais frescas), açúcar (para adoçar os alimentos), tapetes (para decorar as casas), sedas (para o vestuário), marfim (para fazer objetos)... Em consequência deste aumento de população, aumentaram as importações, o comércio reanimou-se no Atlântico, no Báltico e no Mediterrâneo.

Para pagar as numerosas importações, os povos europeus viram-se obrigados a procurar noutros locais o ouro e a prata (a Europa já não tinha esses recursos naturais pois tinham sido explorados no passado, nomeadamente com a exploração feita pelos romanos)e para cunharem moeda), facto que também explica a necessidade de chegar às fontes produtoras e que também ajuda a explicar o início da expansão.

https://sites.google.com/site/historia1958/7o-ano---expansao-maritima-europeia-seculos-xv-e-xvi
http://rutaseda.blogspot.pt/p/sedas-decoracion.html; https://sol.sapo.pt/artigo/512690/cuidado-com-as-pecas-de-marfim-que-tem-em-casa; https://www.pipperjoias.com.br/noticia/tire-suas-duvidas-sobre-a-prata; https://portuguese.alibaba.com/product-detail/most-popular-exported-to-saudi-arabia-handmade-persian-carpet-from-china-60285580279.html; http://www.infoescola.com/elementos-quimicos/ouro/; http://medievalimago.org/2015/05/22/especiarias-cobica-e-fantasia/

Em 1453, os Turcos conquistaram Constantinopla, o Egito, a Tunísia e a Argélia, interrompendo, em larga medida, o comércio detido pelos muçulmanos. Esta dificuldade de obtenção de produtos de luxo pelos europeus leva-os ao desejo de chegar às fontes produtoras e, consequentemente, à expansão.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Queda_de_Constantinopla

Os europeus só conheciam um quarto do globo terrestre. A cartografia medieval era baseada em autores gregos, romanos, muçulmanos e em raros viajantes europeus, como Marco Polo e continha muitas incorreções.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjI0OTJhODkxNzU4NGM2YQ

O PowerPoints explorado na aula foi:

Lição número 4 - 25 de setembro de 2017

Sumário: Realização e correção do teste diagnóstico.

Como já está indicado no sumário, a minha turma fez um teste diagnóstico mas este teste foi um pouco fora do normal pois utilizamos os computadores da sala de informática para os fazer. A aplicação que utilizamos para fazer o teste foi o "Quizizz", nesta aplicação podem-se fazer vários testes sobre diversos assuntos, como é óbvio o assunto do teste foi História.

Entrei na página do jogo e introduzi um código de seis números, necessário para aceder ao teste a realizar. Seguidamente escrevi o meu primeiro e último nome para me identificar, porque havia mais alunos a jogá-lo ao mesmo tempo e a aplicação , automaticamente, escolheu um avatar para me representar enquanto fazia o teste. Após a realização do teste, analisamos o ranking da turma, sendo que eu fiquei em quinto lugar com cinquenta e quatro por cento de respostas certas. A aplicação fez a correção do teste e eu verifiquei quantas perguntas eu tinha errado.

Apesar da aula ter sido inovadora e divertida, fiquei um bocado decepcionada com a minha pontuação pois estava à espera de conseguir um melhor resultado. No entanto, eu percebi quais as perguntas e os conceitos que errei e espero melhorar no próximo teste, não só por causa da pontuação mas, essencialmente, pelo conhecimento geral que eu penso que é importante ter. No geral eu gostei desta aula e espero que se possa repetir mais vezes.

Lição número 5 - 28 de setembro de 2017

Sumário: Condições da prioridade portuguesa na expansão europeia.

Iniciámos a aula com as incertezas dos europeus sobre o desconhecido. Como eram os africanos? Haveria monstros marítimos? Serpentes ? Dragões que engoliam os barcos?Sereias que atraíam (com a sua voz) os marinheiros para o fundo do mar e aí os matavam? Haveria águas, no Sul, ferventes? Homens brancos se tornaria negros? Homens só com um pé gigante? Com duas cabeças? Sem cabeça e com a fronte no tronco? Com um olho? Com cabeça de cão? Estes são alguns receios e mitos associados ao medo e ao desconhecido.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjI0OTJhODkxNzU4NGM2YQ; http://www.museudeimagens.com.br/monstros-marinhos/ http://eluismadureira.blogspot.pt/2014/11/

No entanto, os portugueses não se deixaram dominar pelo medo e "deitaram" os barcos ao mar. Isto sucedeu porque o país tinha algumas necessidades, que, de resto eram também as necessidades da Europa. As necessidades que "falavam mais alto" eram: a necessidade de cereais, que eram abundantes no Norte de África, onde a terra é fértil e o clima conveniente ao cultivo de maior parte dos cereais, particularmente o trigo; necessidade de ouro, existente em África, pois era necessário para a cunhagem da moeda; necessidade de especiarias e os portugueses queriam desenvencilhar-se dos muçulmanos e chegarem eles próprios às regiões produtoras de ouro, especiarias e artigos de luxo.

Alguns significados de símbolos nos esquemas: #- Eles aperfeiçoaram a caravela com o leme preso à popa e com velas triangulares; *- Os portugueses praticavam a navegação astronómica, ou seja, por meio de observação dos astros com a ajuda dos instrumentos mencionados, os marinheiros iam-se orientando; '- A arte de bolinar consistia em navegar com ventos contrários graças às velas triangulares.

http://www.hirondino.com/historia-de-portugal/balestilha/; https://sites.google.com/site/uptdescobrir/os-osbtaculos-mentais; http://www.popa.com.br/docs/cronicas/navios-portugueses.htm

Com a renovação dos dirigentes do país subiu ao trono D. João I, dando início à dinastia de Avis. D. João I casou com D. Filipa de Lencastre e tiveram seis filhos: D. Duarte, D. Pedro, D. Henrique, D. Isabel, D. João e D. Fernando. D. Duarte foi o primogénito e sucedeu ao pai e D. Henrique foi importantíssimo no início das descobertas, ajudando o irmão mais velho. D. Fernando teve uma triste história. O pobre príncipe viveu em cativeiro/prisioneiro até morrer e só depois da sua morte é que Portugal tentou negociar os restos do defunto. Os restos mortais desta família real estão sepultados na Capela do Fundador, no Mosteiro de Santa Maria da Vitória, vulgarmente conhecido por Mosteiro da Batalha. No meio encontram-se os restos mortais de D. João e de D. Filipa e à sua volta estão os restos mortais dos seus filhos a que Luís Vaz de Camões chama "A Ínclita Geração".

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjI0OTJhODkxNzU4NGM2YQ
https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjI0OTJhODkxNzU4NGM2YQ

Em geral, os portugueses tinham interesse na expansão, todos queriam arranjar forma de aumentar a sua riqueza. A coroa pretendia elevar o seu prestígio; a nobreza tencionava ganhar prestigio, títulos e alargar os seus territórios senhoriais já que estava desocupada da sua função: combater ; o clero queria aumentar o seu poder, as suas rendas e expandir a religião cristã para outros povos; a burguesia estava interessada em novos mercados e em obter lucro; o povo queria ter melhores condições de vida e mais oportunidades de trabalho.

Lição número 6 - 02 de outubro de 2017

Sumário: A conquista de Ceuta; o papel do Infante D. Henrique e as prioridades expansionistas no tempo de D. Afonso V.

Conceitos de aula:

Redescoberta- o arquipélago da Madeira e algumas ilhas dos Açores já apareciam assinaladas em mapas do século XIV, pelo que já eram conhecidas antes da sua descoberta oficial.

Testes: 1.º Período: 23 de outubro - segunda-feira; 27 de novembro - segunda-feira 2.º Período: 19 de fevereiro - segunda-feira; 15 de março - quinta-feira 3.º Período: 28 de maio - segunda-feira

Ceuta tinha uma posição estratégica importante no controlo da navegação entre o Mediterrâneo e o Atlântico, era um importante porto de pesca, era uma zona fértil e rica em cereais, nomeadamente o trigo e daí partiam as embarcações de piratas que atacavam a costa algarvia e as embarcações dos pescadores portugueses. Ceuta era, ainda, um importante centro de comércio, pois era o ponto de chegada das rotas comerciais de especiarias, escravos e ouro. Ao conquistarem Ceuta também enfraqueciam o poder dos muçulmanos, inimigos da fé cristã.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjFlODZjNmZkM2FmM2QzYw; http://tempodecrescertempodeaprender.blogspot.pt/2013/02/historia-de-portugal-xvi-conquistas-e.html
http://osdescobridoresbiju.blogspot.pt/2011/03/conquista-de-ceuta-1415.htm; http://aumagic.blogspot.pt/2015/01/santa-joana-darc-heroina-e-santa.html

A 25 de julho de 1415, uma armada de 200 navios, enorme para um povo tão pouco numeroso e pobre, partiu de Lisboa, conquistou Ceuta ocorreu a 21 de agosto de 1415 e, no dia seguinte, D. João I armou os infantes cavaleiros numa antiga mesquita transformada em igreja.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Conquista_de_Ceuta

Esta conquista, que foi um êxito do ponto de vista militar, redundou num fracasso do ponto de vista económico. As razões são muito óbvias: os árabes desviaram as rotas com o intuito de não deixarem os portugueses apoderarem-se dos seus produtos; as áreas produtoras de cereais, à volta da cidade, foram abandonadas e devastadas pelos ataques do muçulmanos que queriam reaver Ceuta e que, assim, ficou uma praça cristã isolada num contexto muçulmano. Esta situação era tão difícil que até alimentos para a população da cidade provinham de Lisboa.

https://jornaldiabo.com/nacional/conquista-ceuta/;

O Infante D. Henrique, o Navegador, assumiu, a partir da conquista de Ceuta, a condução dos descobrimentos portugueses. Este príncipe nasceu a 4 de março de 1394, na cidade do Porto, e, segundo a tradição, na antiga casa da Alfândega, atual Casa do Infante. Dedicou quase toda a sua vida aos descobrimentos e à expansão, dirigindo inúmeros projetos durante o período que ficou conhecido como Período Henriquino (de 1416 a 1460). Durante a sua vida viveu rodeado de marinheiros experientes portugueses e italianos que aprofundaram as técnicas da arte de navegar. O seu lema era "Talent de bien faire", ou seja, "Vontade de fazer bem". Morreu em 1460, na Vila do Infante, em Sagres, e foi sepultado no Mosteiro da Batalha, Capela do Fundador.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Henrique,_Duque_de_Viseu
https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjFlODZjNmZkM2FmM2QzYw

A redescoberta da Madeira (redescoberta porque já existiam mapas com a sua localização) ocorreu em 1418, com a redescoberta de Porto Santo, realizada por João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira e em 1419, com redescoberta da Madeira, realizada pelos mesmos navegadores e por Bartolomeu Perestrelo.

https://br.pinterest.com/pin/453878468672542856/; https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Gon%C3%A7alves_Zarco

O nome "Madeira" deveu-se à existência da grande quantidade de árvores na ilha.

https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Regi%C3%A3o_Aut%C3%B3noma_da_Madeira_islands.svg

Posteriormente redescobriram-se os Açores, arquipélago formado por três grupos de ilhas: grupo oriental (S. Miguel e Sta. Maria), grupo central (Terceira, Graciosa, S. Jorge, Pico e Faial) e o grupo ocidental (Flores e Corvo). O nome "Açores" deve-se à grande quantidade de pássaros chamados açores.

http://www.prof2000.pt/users/jsantos/teresa/index.htm

O grupo oriental foi redescoberto 1427 por Diogo Silves, o grupo central, em 1431, por Gonçalo Velho Cabral e o grupo ocidental, em 1452, por Diogo de Teive e por João de Teive. Redescobriram-se as ilhas do grupo oriental.

http://statues.vanderkrogt.net/object.php?webpage=ST&record=ptac004;

O Cabo Bojador foi dobrado pela primeira vez por Gil Eanes, que à segunda tentativa, corajosamente, o ultrapassou.

http://diariodebordodescobrimentos.blogspot.pt/2007/07/passagem-do-cabo-bojador_10.html; http://profalexandregangorra.blogspot.pt/2013/10/monstros-marinhos-cartografia-tematica.html

Lição número 7 - 09 de outubro de 2017

Sumário:Conclusão do sumário da aula anterior. Preparação da viagem marítima para a Índia. A importância da Rota do Cabo.

Conceitos da aula:

Capitão-donatário- nobre ou pessoa nobilitada que recebia, a título hereditário, parcelas de terras descobertas, com obrigação de as povoar, explorar e defender. Detinha vários direitos e poderes, como o lançamento de impostos e a aplicação da justiça.

Rota do Cabo- rota comercial que, por mar, fazia a ligação entre o Ocidente e o Oriente (no século XVI, entre Lisboa e Índia)

Ora os marinheiros tinham medo das horríveis criaturas que se diziam encontrar-se para lá do Cabo, ora tinham medo das tempestades de areia e dos precipícios que constituíam a costa africana. Até hoje os cabos são difíceis de passar, imagino há muitos anos quando não existiam tecnologias como as da atualidade! O Cabo Bojador é tão perigoso que, na atualidade, continuam a existir naufrágios na zona.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjFlODZjNmZkM2FmM2QzYw
http://www.padraodosdescobrimentos.pt/pt/protagonistas/gil-eanes/

Para passar o Cabo Bojador, em 1434, Gil Eanes utilizou uma barca - tipo de embarcação que é utilizado na navegação fluvial e marítima. Mais tarde a barca foi substituída pelas caravelas e por último pelas naus. No Cabo Bojador foi colocado um padrão a assinalar o feito.

http://portugalquetefizeram.blogspot.pt/2015/03/os-barcos-mais-utilizados-nos.html; https://pt.wikipedia.org/wiki/Caravela; http://carloskurare.blogspot.pt/2010/04/nome-da-nau-de-cabral.html
http://tempodecrescertempodeaprender.blogspot.pt/2013/02/historia-de-portugal-xvi-conquistas-e.html

Um dos poemas mais belos e conhecidos que retrata este feito é de Fernando Pessoa e chama-se "Mar Português".

https://www.escritas.org/pt/fernando-pessoa

Já no tempo de D. Duarte a expansão continuou para sul e, em 1436, Afonso Baldaia chegou ao Rio Ouro ou à Pedra Galé. No entanto D. Duarte morreu e, como o seu filho era muito novo para governar, sucedeu-lhe D. Pedro (seu irmão e tio do futuro D. Afonso V ). Em 1441, com o navegador Nuno Tristão, os portugueses chegam ao Cabo Branco; em 1443, chegam a Baixos de Arguim e, em 1444, com Dinis Dias, chegam ao Cabo Verde. Em 1460, ano da morte de D. Henrique, Pedro Sintra chega à Serra Leoa.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjFlODZjNmZkM2FmM2QzYw, com alterações

Em 1437, D. Duarte enviou uma armada para Tânger comandada por D. Henrique e D. Fernando. Porém, a conquista não se realizou e os muçulmanos acabaram por fazer refém o príncipe D. Fernando que permaneceu em território africano como garantia de que os portugueses iriam entregar Ceuta aos mouros. Portugal não entregou Ceuta e D. Fernando ficou no cativeiro

https://pt.wikipedia.org/wiki/Fernando,_o_Infante_Santo; https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjFlODZjNmZkM2FmM2QzYw

D. Afonso V privilegia a expansão no Norte de África e, no seu tempo, são conquistadas as praças de: Alcácer Ceguer (em 1458), Anafé (em 1464), Arzila, Larache e Tânger (em 1471).

https://historiasdeportugalemarrocos.com/cartas/

No entanto, D. Afonso V não desiste das descobertas para Sul e, neste seguimento, fez um contrato arrendamento com Fernão Gomes (um nobre rico e poderoso) para que ele explorasse do Golfo da Guiné ao Golfo da Santa Catarina, incluindo a costa da Mina; este contrato durou de 1469 a 1474 e foi vantajoso para ambas as partes.

http://ecen.com/eee87/eee87p/navegacoes.htm;http://www.costadamina.ufba.br/index.php?/conteudo/exibir/11

O arquipélago de Cabo Verde foi descoberto entre 1456 e 1460.

https://megaarquivo.wordpress.com/2012/03/15/5529-de-%E2%98%BBlho-no-mapa-onde-fica-cabo-verde/

Ao longo da sua expansão os portugueses constroem inúmeros monumentos belíssimos que até hoje perduram, como exemplo a igreja e a cisterna de El Jadida, antiga Mazagão.

https://pt.dreamstime.com/fotos-de-stock-el-jadida-marrocos-image23699493; https://pt.wikipedia.org/wiki/Mazag%C3%A3o_(Marrocos); https://catherinedejupiter.wordpress.com/2011/02/27/el-jadida/

No reinado de D. João II, Diogo Cão foi mandado para Sul a fim de continuar a exploração e de adquirir mais conhecimentos sobre a costa ocidental africana.

http://ensina.rtp.pt/artigo/diogo-cao-a-desbravar-caminhos/ ; https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjFlODZjNmZkM2FmM2QzYw com alterações

Pêro da Covilhã e Afonso de Paiva viajaram em 1487, disfarçados de navegadores, e separam-se à saída do mar Vermelho. Infelizmente só Pêro da Covilhã é que sobreviveu tendo passado o relatório com as informações que obteve durante a viagem aos emissários do rei, em 1490, no Cairo. Contudo, não regressou à pátria e fixou-se na Etiópia, onde acabou por morrer..

https://es.wikipedia.org/wiki/Afonso_de_Paiva; https://alchetron.com/P%C3%AAro-da-Covilh%C3%A3
https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjFlODZjNmZkM2FmM2QzYw

Lição número 8 - 09 de novembro de 2017

Sumário: Apresentação. Troca de impressão com os alunos sobre a matéria a abordar.

Hoje, nós tivemos aulas com um professor substituto, já que a nossa professora estava de baixa médica. Eu já estava ansiosa para voltar a ter aulas de História pois já não as tínhamos há um mês e, como eu estava a gostar da matéria que estávamos a dar na última aula, queria (o quanto antes) voltar a ter esta disciplina. O professor João Gomes disse que só iria ficar poucos dias porque as nossas aulas voltariam a ser dadas pela professora a que estávamos habituados.

http://blog.qmagico.com.br/educacao/4-dicas-inovar-na-sala-de-aula/

Como não o conhecíamos, ele começou por apresentar-se, assim, conseguimos saber que se chama João Gomes e que nasceu em Braga, no entanto, já viajou, por exigência profissional, por todo o país - já esteve em Loulé (Algarve), agora estava em Amarante a dar aulas às turmas que a professora Anabela deixou por um longo (até demais) período de tempo. De seguida, perguntou quais eram os nossos nomes e de onde é que vínhamos, freguesia, e ficou um pouco surpreendido por termos um menino na turma da Aparecida (que fica na Lixa) e por possuirmos um par de gémeas, eu e a minha irmã. Terminadas as apresentações, o professor perguntou-nos em que matéria tínhamos ficado e começou a abordá-la. Sendo que, primeiro nós pedimos se poderia dar as aulas com PowerPoint, como a nossa professora faria, mas afirmou que era um método muito próprio da colega e que não iria utilizá-lo porque já tinha o dele, de vez em quando ia fazendo perguntas para concluir se nós ainda nos lembravamos do que tinha sido falado.

A primeira matéria que revemos foi a redescoberta dos arquipélagos Açores e da Madeira, seguidamente a progressão para sul na costa africana.

D. Duarte, mandou dividir o território dos arquipélagos em capitanias doadas a capitães-donatários para que eles os povoassem, explorassem e colonizassem.

João Gonçalves Zarco - biografia

"Terá participado na tomada de Ceuta em 1415, já ao serviço do Infante D. Henrique, após o que este o terá nomeado comandante de uma embarcação cuja missão era patrulhar a Costa Sul de Portugal, uma vez que eram frequentes, naquele litoral, as razias de piratas da Barbária. Assim, cedo se tornou mestre na arte de marear, reconhecendo, em 1418, a ilha de Porto Santo e, no ano seguinte (1419), a ilha principal do que é hoje o arquipélago da Madeira. João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira reconheceram o arquipélago da Madeira em 1418, presumindo-se que terão sido arrastados para a ilha de Porto Santo quando se preparavam para explorar a costa da África e atingir a Guiné, numa viagem a mando do Infante. Regressados a Portugal, os navegadores persuadiram D. Henrique das vantagens de estabelecer na ilha recém-descoberta uma colónia permanente, e a ela regressaram, desta vez acompanhados de Bartolomeu Perestrelo. De Porto Santo, o navegador passou à Ilha da Madeira, a cuja colonização o Infante D. Henrique deu início em 1425. Confirmando uma situação de facto, o Infante concedeu a João Gonçalves, em 1450, a Capitania do Funchal. Na qualidade de homem da casa do Infante, Zarco participou no cerco de Tânger, onde foi armado cavaleiro, em 1437. A 4 de Julho de 1460, por concessão de D. Afonso V (1438-1481) em Santarém, Zarco passou a ostentar o apelido Câmara, derivado de Câmara de Lobos, designação atribuída pelo navegador a um local da Ilha da Madeira onde descobriu grande quantidade daqueles animais. Casou-se com Constança Rodrigues, com quem teve sete descendentes (três varões e quatro damas). Os seus descendentes mantiveram o sobrenome Câmara e aboliram o de Lobo. Diz o cronista que:

"...seguiu desde novo a carreira marítima, exercendo o comando das caravelas que vigiavam as costas do Algarve. Quando D. Henrique se lançou no caminho das explorações, foi o primeiro que se ofereceu para o coadjuvar. D. Henrique, em 1418, mandou preparar um barco, e entregando-o a João Gonçalves Zarco e a Tristão Vaz Teixeira, mandou-os demandar terras desconhecidas ou procurar ilhas que apareciam nos mapas, a que teriam aportado há 50 ou 60 anos outros navegadores port. Zarco chegou depois de dias de viagem à ilha que batizou Porto Santo, voltando a Portugal dar conta do resultado. O infante ficou satisfeito e tratou logo de colonizar a ilha. Ordenou a ele e a Vaz Teixeira voltar a Porto Santo, dando-lhes por companheiro outro criado da sua casa, Bartolomeu Perestrelo. Nessa viagem descobriram ou demandaram a ilha da Madeira, saindo Tristão Vaz e Gonçalves Zarco do Porto Santo no dia 1º de julho de 1419, e indo aportar à Madeira no ponto a que chamaram de São Lourenço, por ser «S. Lourenço» nome do navio que os conduzia. Fizeram ao redor da ilha viagem de circum-navegação, e foram pondo nomes aos diferentes acidentes da costa. A principal baía recebeu nome de Baía do Funchal; uma grande lapa onde se escondiam muitos lobos que caçaram, o nome de Câmara de Lobos, tomando desse sitio Zarco e os seus descendentes o apelido de Câmara. Voltando a Portugal, receberam o premio. O infante confirmou a Zarco o apelido de Câmara, e deu-lhe por armas um escudo em campo verde, e nele uma torre de menagem com cruz de ouro, e dois lobos encostados à torre com paquife e folhagens vermelhas e verdes; e por timbre outro lobo em cima do paquife. Além disso, dividindo a ilha em duas capitanias, fez mercê de uma, a do Funchal, a Zarco. Partiu este para a sua ilha, depois de ter casado, e se entregou à colonização da sua propriedade. Não se esqueceu dos deveres de cavaleiro, nem da gratidão que devia ao infante. Quando D. Henrique quis tentar a expedição de Tanger, veio pôr-se à disposição. No cerco de Tanger foi armado cavaleiro pelo infante, e tendo escapado com vida a essa desastrosa expedição, tornou para a Madeira, onde, aproveitando suas ricas matas, fez construir navios com que de vez em quando auxiliou o infante nas suas expedições de descobrimento além do cabo Bojador. Parece ter sido o 1.º que pôs a artilharia a bordo. Esses instrumentos guerreiros eram imperfeitos e de bem pouco serviam. Os navios de Zarco figuraram nos descobrimentos para além do cabo Bojador. Um sobrinho, Álvaro Fernandes, foi dos descobridores mais audaciosos. O ramo principal da sua casa é hoje representado pelos descendentes dos condes e marqueses da Ribeira Grande."

Faleceu em idade avançada, sendo sepultado no Funchal, na Capela de Nossa Senhora da Conceição, que ele próprio mandara edificar em 1430, muito embora o mausoléu tenha sido demolido, por razões de espaço, em 1768, a pedido da abadessa do Convento de Santa Clara, no qual fora, entretanto, integrada a pequena capela quatrocentista."

A pesquisa foi retirada do site: https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Gon%C3%A7alves_Zarco.

Imagem retirada de: https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Gon%C3%A7alves_Zarco

Tristão Vaz Teixeira - biografia

"Tristão Vaz Teixeira (1395-1480) foi um navegador e explorador português que, juntamente com João Gonçalves Zarco e Bartolomeu Perestrelo , foi o descobridor oficial e um dos primeiros colonos do arquipélago da Madeira (1419-1420). Ele nasceu Tristão Vaz , acrescentando o nome de Teixeira depois do casamento com Branca Teixeira. Tristão era um nobre do Príncipe Henrique, a Casa do Navegador , participando da conquista de Ceuta . Por volta de 1418, enquanto explorava a costa da África, ele e João Gonçalves Zarco foram desviados pelo mau tempo e chegaram a uma ilha que eles chamavam Porto Santo . Pouco depois, eles foram ordenados pelo príncipe Henry para resolver a ilha, juntamente com Bartolomeu Perestrelo. Na sequência de um surto de coelhos que dificultou o cultivo, eles se mudaram para a ilha vizinha da Madeira. Provou ser hospitaleiro e cultivável, então o Príncipe Henry enviou mais colonos para colonizar a ilha. A governança da Madeira foi dividida entre Zarco e Tristão, que foram nomeados capitão-majores (capitães-donatários ) do Funchal e Machico, respectivamente. Tristão foi oficialmente designado para o cargo em 11 de maio de 1440. Tristão Vaz participou de mais incursões e explorações ao longo da costa da África ao longo de sua vida. Morreu em Silves, em uma idade avançada. Tristão Vaz participou de mais incursões e explorações ao longo da costa da África ao longo de sua vida. Morreu em Silves, em uma idade avançada."

Esta pesquisa foi retirada do site: https://en.wikipedia.org/wiki/Trist%C3%A3o_Vaz_Teixeira.

Imagem retirada de: http://www.vanderkrogt.net/statues/object.php?record=ptma077

D. Duarte I - biografia

"D. Duarte recebeu o seu nome em homenagem ao avô de sua mãe, o rei Eduardo III da Inglaterra. Desde muito jovem, D. Duarte acompanhou o seu pai nos assuntos do reino, sendo portanto um herdeiro preparado para reinar; em 1412 foi formalmente associado à governação pelo pai, tornando-se seu braço direito. Ao contrário de D. João I, D. Duarte foi um monarca preocupado em gerar consenso e ao longo do curto reinado de cinco anos convocou as Cortes cerca de cinco vezes, para discutir assuntos de estado. Várias vezes as Cortes tinham pedido a D. João I a organização de uma colectânea em que se coordenasse e actualizasse o direito (lei) vigente, para a boa fé e fácil administração na justiça. Para levar a cabo essa obra, D. Duarte designou o doutor Rui Fernandes, que a concluiu em 1446. Posteriormente revista por ordem do infante D. Pedro, ela se converteria nas Ordenações Afonsinas. D. Duarte deu continuidade à política de incentivo à exploração marítima e de conquistas em África. Durante o seu reinado, o seu irmão Henrique estabeleceu-se em Sagres, a partir de onde dirigiu as navegações: assim, em 1434 Gil Eanes dobrou o Cabo Bojador, um ponto lendário da época, cuja travessia causava terror aos marinheiros; daí avançou-se para Angra dos Ruivos em 1435, e Afonso Gonçalves Baldaia atingiu o Rio do Ouro e Pedra da Galé em 1436. Em 1437, os seus irmãos Henrique e Fernando convenceram-no a lançar um ataque a Marrocos, de forma a consolidar a presença portuguesa no norte de África, que se pretendia uma base para a exploração do Oceano Atlântico. A ideia não foi consensual: D. Pedro, Duque de Coimbra e D. João, Infante de Portugal estavam contra a iniciativa de atacar directamente o rei de Marrocos. A campanha foi mal sucedida e a cidade de Tânger não foi conquistada,custando a derrota grandes perdas em batalha. O próprio príncipe Fernando foi capturado e morreu em cativeiro, por recusar-se a ser libertado em troca da devolução de Ceuta, o que lhe valeu o cognome de "Infante Santo". O próprio D. Duarte morreu pouco tempo depois de peste. Fora da esfera política, Duarte foi um homem interessado em cultura e conhecimento. Escreveu vários livros de poesia e prosa. Destes últimos destaca-se o Leal Conselheiro (um ensaio sobre variados temas onde a moral e religião têm especial enfoque) e a Livro da Ensinança de Bem Cavalgar Toda Sela (em forma de manual para cavaleiros). Estava a preparar uma revisão do código civil português quando a doença o vitimou. Jaz nas Capelas Imperfeitas do Mosteiro de Santa Maria da Vitória, na Batalha."

Esta pesquisa foi retirada do site: https://pt.wikipedia.org/wiki/Duarte_I_de_Portugal.

Imagem retirada de: https://www.thinglink.com/scene/701425659125170178;http://www.arqnet.pt/portal/portugal/temashistoria/duarte.html

http://www.padraodosdescobrimentos.pt/pt/protagonistas/gil-eanes/;https://www.caravelonwheels.com/pt-pt/este-dia-na-historia-nascimento-infante-d-henrique/; http://www.historiadeportugal.info/d-afonso-v/

Apesar das informações, D. João II morreu em 1495 sem conseguir alcançar a Índia por mar. Foi no reinado de D. Manuel I, sucessor de D. João II, que os portugueses chegaram à Índia, mais concretamente a Calecute.

http://www.arqnet.pt/portal/portugal/temashistoria/manuel1.html

Os arquipélagos foram povoados por colonos vindos de Portugal (maioria do Entre Douro e Minho, Alentejo e Algarve), estrangeiros (flamengos nos Açores) e escravos vindos de África.

Os colonos cultivaram cereais, açúcar e vinho na Madeira; cultivaram plantas tintureiras, cereais e criaram gado nos Açores; os produtos cultivados tornaram-se economicamente rentáveis.

https://www.nestle-cereals.com/pt/sites/g/files/qirczx286/f/stage_visual/article_switching_to_wholegrain_2048x1152_01_2_0.jpg; https://ocponline.com.br/noticias/cristiane-molon-diminua-o-consumo-de-acucar/;https://ocponline.com.br/noticias/cristiane-molon-diminua-o-consumo-de-acucar/; http://cambiranoticias.com.br/web/2016/07/15/roubo-de-gado-da-raca-nelore-no-sitio-sete-de-maio/

Os arquipélagos de Cabo Verde e de S. Tomé e Príncipe foram colonizados mais tarde. Os colonos eram oriundos do Reino e do Norte de África (escravos negros). Plantaram, no arquipélago de Cabo Verde, algodão e cana-de-açúcar e, no arquipélago de São Tomé e Príncipe, cana-de-açúcar e criaram gado; os produtos tornaram-se as principais riquezas destes arquipélagos .

http://revistagloborural.globo.com/Noticias/Agricultura/Algodao/noticia/2017/03/campanha-incentiva-o-uso-do-algodao-brasileiro-na-industria-textil.html; https://www.infoescola.com/plantas/cana-de-acucar/; https://beira.pt/portal/noticias/sociedade/exposicao-gado-ovino-bovino-caprino-trancoso/

Ao longo da revisão, o professor ia demonstrando a localização do local no globo que tinha ido buscar no início da aula.

https://www.pontofrio.com.br/papelaria/escolarescritorio/globosterrestre/globo-terrestre-colombo---30cm---iluminado---antique---4889769.html

Lição número 9 - 13 de novembro de 2017

Sumário:  A presença portuguesa em África. A relação com o continente. A ocupação do arquipélago. Tentativa de cristianização.

Conceitos:

-Bolsa - instituição financeira dedicada à compra e venda de ações (títulos).

-Aculturação - processo de mudanças/influências que se dão na cultura de um grupo social ou povo quando em contacto direto com outro.

Começámos a falar dos produtos do litoral africano que pertenciam à Coroa (à família real). Entre 1444 e 1640 o comércio passou a ser monopólio do Infante D. Henrique. Alguns particulares também podiam cooperar na expansão mediante o pagamento de determinada quantia.

http://osdescobridoresbiju.blogspot.pt/p/instrumentos-nauticos.html

Como sabemos, no tempo de D. Afonso V, a exploração do litoral africano foi entregue a Fernão Gomes (rico mercador), no entanto, foi no reinado de D. João II que recuperou-se o monopólio comercial, ou seja, recuperou-se o comércio comandado apenas pelo rei.

Ao longo do litoral de África, os portugueses foram comercializando em certos locais (chamados lugares de "resgate", lugares determinados onde o nosso povo fazia comércio) ou construindo feitorias-fortaleza, entre as quais merecem notoriedade a de Arguim (construída no tempo de D. Henrique) e a da Mina (fundada enquanto D. João II estava vivo).

http://marcellebogado.blogspot.pt/2011/10/; http://oitavochistoria.blogspot.pt/2007/11/feitoria.html

As feitorias-fortaleza tinham, para comandá-las, capitães, com guarnições militares, e feitores encarregues dos negócios com os negros, muito lucrativos, pois os portugueses trocavam escravos, ouro, marfim e malagueta, entre outros produtos, por tecidos de fraca qualidade, manilhas de latão, cobre, cereais e cavalos.

O Brasil foi descoberto por Pedro Álvares Cabral, em 1500. O país tem este nome devido à existência da grande quantidade de madeira de cor de brasa ou de fogo, chamada pau-brasil. Inicialmente tinha a designação de Terra de Vera Cruz.

https://www.coladaweb.com/biologia/botanica/pau-brasil

O continente americano era habitado por povos ameríndios que dependiam da caça, da pesca e que praticavam, em algumas situações, uma agricultura rudimentar e que viviam em pequenas comunidades espalhadas por todo o continente.

Com a expansão marítima, criámos um vasto império, sendo que os nossos territórios espalhavam-se por várias áreas do globo, como por exemplo: as ilhas atlânticas (Madeira, Açores, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe), praças e feitorias (construções para fins comerciais) no Norte do continente africano, na costa africana, no Oriente e uma faixa de território no Brasil.

https://eliateixeira.wordpress.com/a-ilha/; http://www.geopt.org/index.php/board/viewtopic.php?p=154468; http://www.lusocom2016.org/sample-page/sobre-cabo-verde; https://www.mapsofworld.com/sao-tome-principe/road-map.html; http://www.authorstream.com/Presentation/f1553-1251320-o-imp-rio-portugu-s-2/

O nosso império atingiu o seu auge na primeira metade do século XVI e, a partir deste tempo, numerosas riquezas chegavam a Lisboa - escravos, ouro, marfim, especiarias, objetos de luxo, pau-brasil, açúcar do Brasil. Com o desenvolvimento económico, houve um aumento da população e, consequentemente, da cidade.

https://obenedito.com.br/pode-um-cristao-ser-comerciante-e-senhor-de-escravos/; http://www.sitedecuriosidades.com/curiosidade/como-e-cotado-o-preco-do-ouro.html; https://sol.sapo.pt/artigo/512690/cuidado-com-as-pecas-de-marfim-que-tem-em-casa; http://www.jandira.com/pt/curiosidade/especiarias.html; http://www2.camara.leg.br/a-camara/programas-institucionais/inclusao-social-e-equidade/bosque-dos-constituintes/flora-local/as-4-arvores-historicas/pau-brasil; http://www.historiabrasileira.com/brasil-colonia/ciclo-da-cana-de-acucar/

Antes dos Descobrimentos não havia uma economia à escala mundial. As trocas comercias eram feitas entre a Europa, o Norte de África e a Ásia; as restantes regiões do planeta eram desconhecidas. Em resultado das viagens realizadas , as relações comerciais mundiais mudaram. Assim, estabeleceram-se novas rotas comerciais, como a do Atlântico (entre a Europa, a África e a América, que constituíam um triângulo comercial por onde circulavam produtos como trigo, açúcar das ilhas atlânticas, especiarias da Índia, ouro e prata da América, açúcar do Brasil, escravos, entre outros.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Com%C3%A9rcio_Triangular

Na mesma época aumentou-se a circulação monetária devido à abundância de metais preciosos, vindos da América, e ao maior poder de compra das populações.

http://www.sistemafaep.org.br/programa-campo-cia-debate-cultura-do-trigo-no-pr.html; https://pt.wikipedia.org/wiki/A%C3%A7%C3%BAcar; http://aumagic.blogspot.pt/2012/03/especiarias-indianas-ervas-e.html; https://www.todoestudo.com.br/geografia/recursos-minerais; https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-713472282-prata-pura-1000-direto-da-fundico-granulada-_JM; https://www.incm.pt/portal/colecionismo_detalhe.jsp?codigo=1862

Nos séculos XV e XVI, a escravatura era uma prática usual em algumas regiões da Europa, de África e da Ásia. Os portugueses, bem como outros povos europeus, participaram no tráfico negreiro que era um negócio rentável e que se estendeu até ao século XIX. Ao longo da costa africana, Portugal estabeleceu locais de resgate, como Arguim, Mina e Angola, onde eram comercializados escravos, que tinham como destino a Europa e o Brasil. O tráfico negreiro provocou muitas mortes em África e, nas longas viagens de travessia do Atlântico, muitos milhares de negros morreram devido às más condições de higiene e de alimentação. Na chegada, os sobreviventes eram vendidos por preços que variavam de acordo com a idade, saúde, género e força e destinavam-se aos serviços domésticos e aos duros e pesados trabalhos nas plantações e minas.

http://brasilista.blogspot.pt/2015/12/8-nomes-bizarros-de-navios-negreiros.html; http://www.diariodocentrodomundo.com.br/amavel-donzela-caridade-os-nomes-dos-navios-negreiros-e-o-cinismo-dos-vendedores-de-escravos/; https://mundoestranho.abril.com.br/historia/como-era-um-navio-negreiro-da-epoca-da-escravidao/; http://paleonerd.com.br/2015/06/03/por-dentro-dos-navios-negreiros/; https://mundoestranho.abril.com.br/historia/como-era-um-navio-negreiro-da-epoca-da-escravidao/; http://www.mariosousa.se/Para%20a%20hist%C3%B3ria%20do%20comercio%20de%20escravos%20europeu%20de%20%C3%81frica.htm; http://www.filorbis.pt/confrontos/page7b.html

No Brasil tentou-se utilizar a força índia, no entanto, os índios estavam habituados à liberdade e não tinham a mesma resistência que os negros para o trabalho. Os escravos eram batizados com o intuito de expandir o cristianismo e de cristianizar os povos escravizados.

https://zarpante.wordpress.com/lusofonia/angola/

Os jesuítas e os dominicanos defenderam a liberdade dos índios do Brasil, pois afirmavam que os escravos (ao contrário do que os outros diziam) eram pessoas só que de cor diferente da "normal". O papa Paulo III, D. Sebastião e Carlos V de Espanha elaboraram medidas para defenderem os índios dos traficantes de escravos.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Papa_Paulo_III;https://edukavita.blogspot.pt/2015/06/biografia-de-carlos-v-sua-vida-e.html; https://pt.wikipedia.org/wiki/Sebasti%C3%A3o_de_Portugal

Após vermos o vídeo ficamos enojados com as atitudes dos nossos antepassados perante os negros, na nossa visão eles pareciam psicopatas mas, à época, isto era encarado com naturalidade, o que nos chocou imenso.

Antes da aula terminar fizemos observações de lugares no mundo em que ainda há escravatura, por exemplo na China e em África, nomeadamente na Líbia, ...., nós refletimos sobre este assunto e chegamos à conclusão de que somos privilegiados em relação a estes países, sendo que, mesmo aqui na Europa, ainda existem casos de escravatura.

http://historiahoje.com/babas-de-branco-e-criancas-escravas-sera-que-voltamos-no-tempo/

T.P.C.

página 41 do livro "Páginas da História"

1.º Explica, de acordo com o doc. 1, o tráfico negreiro praticado pelos europeu.

  • Os africanos capturavam os seus irmãos negros e, de seguida, vendiam-nos aos traficantes de escravos para depois serem transportados em barcos, amontoados, em condições degradantes. Após a viagem marítima eram vendidos em leilões por preços que variavam consoante o género, a força, a idade e a saúde dos negros. Eram comprados para executarem os trabalhos mais pesados nas minas, nas terras de cultivo e nas casas dos seus senhores.

2.º Em que condições, os escravos negros eram transportados para a América doc. 2?

  • Os escravos africanos eram transportados, acorrentados, em barcos com condições desumanas, sem qualquer higiene, pois permaneciam no local onde faziam as suas necessidades fisiológicas. Eram pessimamente alimentados e os homens e as mulheres eram empilhados e acorrentados num porão. No entanto, as mulheres eram tratadas com maior consideração mas não tanta ao ponto de serem tratadas como seres humanos.

Lição número 10 - 16 de novembro de 2017

Sumário: Correção do T.P.C. O Império português do Oriente.

Correção do questionário:

1.º Explica, de acordo com o doc. 1, o tráfico negreiro praticado pelos europeu.

  • Os portugueses estabeleceram lugares de resgate onde transacionavam escravos destinados à Europa, ao Brasil e à América. Isto provocou uma enorme sangria humana em África, muitos milhares de negros escravizados morreram devido às más condições de higiene e de alimentação. Os sobreviventes eram vendidos por preços que variavam de acordo com a idade, a saúde e o sexo; eram encaminhados para serviços domésticos ou para duros trabalhos em plantações agrícolas.

2.º Em que condições, os escravos negros eram transportados para a América doc. 2?

  • Os homens eram empilhados e acorrentados no fundo do porão do barco, as mulheres grávidas eram tratadas com mais cuidados pela tripulação.

Os arquipélagos dos Açores, da Madeira, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde foram divididos em capitanias que foram entregues a capitães-donatários , encarregues de povoar e explorar as ilhas.

https://pt.slideshare.net/cristinazoia/arquiplagos-atlnticos; https://confins.revues.org/9018; https://megaarquivo.wordpress.com/2012/03/15/5529-de-%E2%98%BBlho-no-mapa-onde-fica-cabo-verde/

Os arquipélagos dos Açores e da Madeira foram povoados por pessoas vindas de Portugal (maior parte vinda do Entre Douro e Minho, Alentejo e Algarve), estrangeiros (flamengos nos Açores) e escravos vindos do continente africano.

Nestas ilhas cultivaram-se cereais, açúcar e vinhas com as quais se produziu vinho (na Madeira), plantas tintureiras, cereais e criação gado (nos Açores). Estas mercadorias tornaram-se produtos economicamente rentáveis.

https://vegetarianismoveganismo.wordpress.com/alimentos-ingredientes-nutrientes/cereais/; http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAQ0oAE/alcool-acucar-unidade-ii-fabricacao-acucar; http://www.goodlookblog.com.br/post/9-beneficios-do-vinho-para-seu-corpo; http://www.sograpevinhos.com/regioes/Madeira/Vinha; https://www.ccvfloresta.com/actividades/oficinas/21-oficinas-arquivo/260-plantas-tintureiras; http://escolakids.uol.com.br/pecuaria.htm

Os arquipélagos de Cabo Verde e São Tomé e Príncipe foram colonizados com pessoas vindas do Reino e escravos negros de África. Plantaram o açúcar e o algodão e introduziram gado.

http://leonardoleiteoliva.blogspot.pt/2013/11/escravos-servos-e-operarios.html; https://www.vix.com/pt/bdm/medicina-alternativa/1605/tipos-de-acucar-e-suas-caracteristicas; https://www.embrapa.br/busca-de-imagens/-/midia/3879001/capulho-de-algodao; http://ruralpecuaria.com.br/noticia/brasil-atinge-recorde-de-215-2-milhoes-de-cabecas-de-gado.html

A construção do nosso império no Oriente deveu-se, inicialmente, a dois homens que foram os dois primeiros vice-reis na Índia - Francisco de Almeida e Afonso de Albuquerque - que defendiam duas políticas distintas para o Oriente.

http://www.knotofstone.com/francisco-d%E2%80%99almeida-and-walter-johannes-stein/; http://www.indiaportuguesa.com/afonso-de-albuquerque.html
  • D. Francisco de Almeida foi o 1.º vice-rei da Índia, governou entre 1505 e 1509 e defendia o domínio dos mares para controlar a passagem ou a navegação dos barcos e das mercadorias no oceano Índico. Para concretizar a sua ideia, criou uma poderosa e numerosa armada que, em 1565, chegou ao Oriente e conseguiu controlar a passagem do oceano.
  • Afonso de Albuquerque foi o 2.º vice-rei da Índia, governou de 1509 a 1515 e defendia que poderia estabelecer consolidar o poderio dos portugueses a partir de bases territoriais estratégicas - conquistou Goa (capital do Império português no Oriente), Calecute, Malaca e Ormuz.
https://www.iimacau.org.mo/index.php/artigos-revista/174-os-portugueses-e-a-expansao-da-cultura-neolatina-pelo-oriente

Ainda hoje, em Goa, podem-se ouvir pessoas que falam português e que mantêm o seu sobrenome português.

De notar que os povos do Oriente eram mais desenvolvidos, em alguns aspetos, do que os portugueses.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Estado_da_%C3%8Dndia; http://www.colegiovascodagama.pt/historia3c/descobrimentos.htm

Os portugueses construíram fortalezas, entre elas a de Molucas, feitas para defender as cidades conquistadas, eram equipadas com canhões, soldados, armas de extremo poder de destruição, para a época.

O império era comercial e marítimo. Portugal, no século XVI, controlava rotas comerciais que iam desde o mar Vermelho e Golfo Pérsico à Insulíndia e aos mares da China e do Japão.

http://www.japassei.pt/artigo.aspx?lang=pt&id_object=1547; https://spark.adobe.com/sp/design/page/e10feaea-dffb-4410-92ea-20cf7636f2bc

Nestas rotas vendiam-se especiarias, sedas e porcelanas. As mercadorias reunidas em Goa, eram enviadas pela Rota do Cabo para Lisboa e descarregadas na Casa da Índia.

Lição número 11 - 20 de novembro de 2017

Sumário: Revisões para o teste. Império português do Oriente. Exploração do Brasil.

Nesta aula, fizemos revisões da matéria dada, até ao momento.

Descobrimos também algumas curiosidades sobre Vasco da Gama, que descobriu a Índia, como por exemplo: morreu na noite de Natal, em Cochim, e encontra-se sepultado nos Mosteiros dos Jerónimos.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Vasco_da_Gama

Aproveitamos esta aula para falar sobre a importância da Casa da Índia.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6YTM1NjM1NmI2MmI3MjFi

Na Índia, os portugueses incentivaram a miscigenação, a união ou o casamento de portugueses com indianas com a finalidade de se integrarem melhor.

Os portugueses estabeleceram a Rota do Cabo, através da qual transportavam para a Europa as especiarias, tão cobiçadas pelos europeus, a preços menores do que eram feitos pelos muçulmanos, venezianos e turcos que dominavam as rotas caravaneiras e as Rotas do Levante.

http://salvador-nautico.blogspot.pt/2013/02/rota-do-cabo.html

A Casa da Índia foi construída em 1503, próxima do palácio do rei, em Lisboa, onde chegavam especiarias, perfumes, tecidos de luxo, móveis e porcelanas.

Já no do Brasil, descobrimos que a fauna brasileira era composta por vários animais desconhecidos na Europa, como por exemplo: anaconda, papa-formiga, capivara, onça, tucano, papagaio, arara, periquito, colibri, piranha, entre outras espécies que encontraram.

https://kids.nationalgeographic.com/animals/anaconda/#anaconda-swimming.jpg; http://depoisfalamos.blogspot.pt/2008/10/papa-formigas.html; https://pt.wikipedia.org/wiki/Capivara; https://www.todamateria.com.br/onca-pintada/; https://www.todoestudo.com.br/biologia/tucano; https://animais.umcomo.com.br/artigo/como-saber-se-meu-papagaio-e-macho-ou-femea-7881.html; https://casadospassaros.net/arara-vermelha/; https://www.pinterest.pt/Psittaciformes/amazona-viridigenalis/; https://www.youtube.com/watch?v=JO85FGXFCx4; https://www.youtube.com/watch?v=piZRTe8o9gY

Em 1502, D. Manuel I alugou a terra, por 4000 cruzados por ano, a um grupo de cristãos novos chefiados por Fernão de Noronha em troca da sua exploração económica: pau brasil, peles, macacos, aves exóticas e da obrigação de explorarem 300 léguas da costa do Brasil, anualmente. Entretanto, os portugueses exploraram também a flora e descobriram a planta do amendoim, ananás, caju, mandioca. No entanto, só em 1530 é que o rei D. João III mostrou. de facto, interesse neste território, pois o comércio do Oriente entrou em decadência e começou a haver ataques dos piratas franceses ao território brasileiro.

https://www.youtube.com/watch?v=0UtWtbDjZks; http://bon-saishop.nloja.com/product/ananas-ananas-comosus/; https://itabapoananews.blogspot.pt/2017/03/producao-de-caju-e-destaque-em-sao-joao.html; https://hortas.info/como-plantar-mandioca;

Em 1534, dividiu o Brasil em 15 capitanias e deu-as a 12 capitães-donatários que detinham o poder administrativo e judicial e também eram obrigados a povoar os respetivos territórios e a explorar as suas riquezas em troca do pagamento de impostos. Todavia, em 1549, o rei aboliu o sistemas de capitanias devido às diferenças de riquezas entre capitães-donatários.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6YTM1NjM1NmI2MmI3MjFi

D. João III cria um Governo Geral.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_III_de_Portugal

Lição número 12 - 23 de novembro de 2017

Sumário: Revisões para o teste de avaliação. Realização de um Quizizz sobre a expansão portuguesa.

Esta foi a última aula antes do teste de avaliação em que fizemos uma revisão da matéria abordada um tanto diferente do normal, pois foi feita com recurso aos nossos telemóveis e tablets, numa aplicação chamada Quizizz.

https://quizizz.zendesk.com/hc/en-us

No total, o teste tinha trinta perguntas de escolha múltipla, a minha equipa teve 73% das respostas certas. As perguntas e as respostas estão abaixo apresentadas numa tabela que a professora nos cedeu.

No final da aula, os professores deram-nos a matriz para o teste.

Na minha opinião devirImos fazer mais testes assim, mesmo que às vezes os alunos se exaltem um pouco (como eu, por exemplo). No decorrer da revisão muito alunos clicaram sem querer na resposta errada e houve , por vezes, má comunicação com os parceiros. No entanto, todos achámos divertida esta forma de mos prepararmos para o teste de avaliação.

Lição número 13 - 29 de novembro de 2017

Sumário: Teste de avaliação.

Lição número 14 - 30 de novembro de 2017

Sumário: O Império Espanhol da América.

Cristóvão Colombo, mandado pelos reis espanhóis, chegou às Índias Ocidentais, em 1492. No entanto, Portugal reivindicou estas terras para si, pois, segundo Tratado de Alcáçovas (assinado em 1479 pelos reis de Portugal e Espanha), estas terras seriam de exploração portuguesa. Ora, os reis católicos também reivindicaram para si a exploração do novo continente. O diferendo foi resolvido através da assinatura de um novo tratado, chamado Tratado de Tordesilhas, assinado em 1494, tratado este que referia que a Terra ficava dividida em duas partes iguais, por um meridiano que passava a 370 léguas a oeste de Cabo Verde. A parte para Ocidente ficava para Espanha e a parte para Oriente ficava para Portugal.

http://www.portalsaofrancisco.com.br/biografias/cristovao-colombo

Quando os europeus chegaram às Índias Ocidentais encontraram povos muito diferentes entre si. Uns estavam na era do Paleolítico e outros tinham construído civilizações avançadas, como era o caso dos Astecas, dos Maias e dos Incas.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NGE0MDE4MWIxZTc3NGQ4Zg

Estes povos eram muito avançados, contudo, não dominavam tão bem a arte da guerra como os europeus e ficaram em desvantagem. Por esta razão a conquista destes povos foi bastante rápida graças às armas de fogo, às armaduras de ferro e ao uso do cavalo.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NGE0MDE4MWIxZTc3NGQ4Zg

O Império Asteca situava-se no atual México e a sua capital era Tenochtitlan (hoje, Cidade do México) e foi dominado por Fernando Cortez (ou Hernán Cortés, em espanhol)entre 1519 e 1521.

http://exploration.marinersmuseum.org/subject/hernando-cortes/

Os Astecas foram massacrados pelos espanhóis e pelas doenças transmitidas pelos europeus, nomeadamente provocadas por vírus para os quais os americanos não tinham defesa. Foi o caso do vírus da gripe

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NGE0MDE4MWIxZTc3NGQ4Zg

Os Astecas eram excelentes no trabalho de ourivesaria. Infelizmente muitas dessas dessas peças foram fundidas pelos espanhóis e, atualmente, já não existem muitos exemplares, o que seria muito interessante para o estudo desta civilização. Também eram bons na escultura (com estátuas muito pormenorizadas), na cerâmica (com detalhes esplêndidos) e na metalurgia do bronze. Os Astecas eram politeísta, ou seja, acreditavam em muitos deuses.

https://www.slideshare.net/AndreaDressler/arte-prcolombiana-maia-asteca-e-inca; http://www.raulmendessilva.com.br/brasilarte/internacional/pre_colombiana37.html; http://www.fotosefotos.com/page_img.php?p=7688&a=escultura_asteca

O Império Maia situava-se no atual México e na Guatemala, ou seja, na América Central; construíram majestosas pirâmides de degraus; conheciam a escrita e tinham bastantes conhecimentos de astronomia e de matemática; eram politeístas.

https://merdtv.wordpress.com/2013/10/24/as-piramides-espalhadas-pelo-mundo/

Já o Império Inca situava-se na América do Sul, o que corresponde (grosso modo) ao Peru. Mergulhado numa guerra civil entre 1531 a 1533 foi invadido pelos espanhóis liderados por Francisco Pizarro. Eram construtores de cidades, excelentes ourives, não conheciam a escrita mas detinham importantes conhecimentos de matemática e de medicina.

https://www.biography.com/people/francisco-pizarro-9442295

A conquista feita pelos europeus foi rápida devido à extrema violência que usaram para forçar os índios a obedecerem-lhes e a entregar-lhes os seus territórios e saquearem as riquezas aos povos da América.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NGE0MDE4MWIxZTc3NGQ4Zg

No ínicio do século XVI, os espanhóis descobriram, no México, as jazidas de prata de Zacatecas e no Peru, as minas de Potosí. Nesta época, tentaram escravizar os índios, tarefa que se revelou difícil, pois os índios não estavam habituados a fazer trabalhos pesados e muitos morriam devido às novas doenças. A exploração das jazidas de prata e de ouro financiavam as luxurias da corte e as artes. Como efeitos da grande quantidade de ouro e prata. A Casa de Constratación, em Sevilha, detinha o monopólio do comércio do império espanhol.

http://mudancaedivergencia.blogspot.pt/2010/06/holocausto-dos-indios-e-negros-na.html; http://jerez-xeres-sherry.blogspot.pt/2017/04/la-casa-de-contratacion.html

O comércio continuava a ser triangular entre África, Europa, América do Norte e Brasil. De África vinham os escravos e outros produtos que aí se cultivavam em direção à Europa. A Europa exportava produtos alimentares, tecidos e quinquilharias (produtos de baixo valor para trocar com outros de alto valor). A América exportava ouro, prata, couros, açúcar, plantas tintureiras e medicinais. O Brasil exportava ouro, açúcar e prata.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NGE0MDE4MWIxZTc3NGQ4Zg

O Império Português foi um império comercial e mercantil . Portugal foi, entre 1500 e 1525, o país mercantil mais poderoso do mundo, tendo na base um vasto império colonial e uma extensa rede de fortalezas e feitorias.

https://salaestudohst8.wordpress.com/2015/10/27/crise-do-imperio-portugues-do-oriente/

Lição número 15 - 04 de dezembro de 2017

Sumário: O comércio Intercontinental no século XVI (continuação).

A Casa da Índia foi criada em 1503, no Paço do Rei, em Lisboa. A este estabelecimento chegavam especiarias, perfumes, tecidos de luxo, móveis, porcelanas, escravos, marfim, pau-brasil e ouro. Nesta "casa" organizava-se todo o comércio, as viagens e a nomeação de funcionários para este vasto império e para a feitoria de Antuérpia, feitoria que era muito importante para o comércio europeu e onde as mercadorias que saiam da Casa da Índia iam parar. As mercadorias não paravam muito tempo no mesmo sítio, mal chegavam ao nosso país eram reencaminhadas para Antuérpia.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NGE0MDE4MWIxZTc3NGQ4Zg; https://pt.slideshare.net/carlosvieira/lisboa-e-sevilha-no-sculo-xvi

Por esta altura, Lisboa já tinha crescido em tamanho e em população, tendo que alargar, sucessivamente, os seus limites. Era uma cidade muito cosmopolita, onde viviam ou chegavam pessoas de todo o mundo, principalmente por causa do comércio, do qual muitas pessoas faziam trabalho.

Os continentes europeu, asiático, africano e americano estavam, finalmente, ligados por rotas comerciais.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NGE0MDE4MWIxZTc3NGQ4Zg

Entretanto, Portugal perdeu a independência para Espanha que se tornou a maior potência mundial.

Filipe II foi o monarca mais importante da sua época e dominava terras como os Países Baixos, Milão, Nápoles, Sicília, toda a América do Norte e Portugal e respetivas colónias. A Espanha passou a deter todas as rotas comerciais de todas as nossas colónias, ficando com o monopólio do comércio.

https://esma7.wordpress.com/2014/01/29/imperios-coloniais/

Apenas a partir da expansão portuguesa e espanhola é que aparece o comércio à escala mundial. Revelam-se as rotas do Atlântico , a do Cabo, a do Extremo Oriente e a de Manila. Com estas rotas, começa a aumentar a circulação monetária (a circulação de moedas) devido, sobretudo, a um poder maior de compra da população e pela circulação de metais preciosos vindos da América.

http://jerez-xeres-sherry.blogspot.pt/2017/04/la-casa-de-contratacion.html
Diapositivo retirado do PowerPoint feito pela nossa professora, que achei relativamente importante.

Algumas plantas originárias do continente americano são: ananás, milho (que foi uma surpresa para mim), tabaco, batata, feijão, pimento, cacau, mandioca, tomate e ainda alguns animais como o papagaio, a arara (já referenciados quando apresentada a fauna do Brasil) e o peru.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Anan%C3%A1s; https://pt.wikipedia.org/wiki/Milho; http://agriculturaemar.com/autoridades-apreendem-6-mil-cigarros-cerca-meia-tonelada-tabaco/; https://www.vix.com/pt/dietas/540745/feijao-engorda-pode-comer-a-noite-tudo-sobre-como-usar-o-grao-a-favor-do-sehttp://agriculturaemar.com/autoridades-apreendem-6-mil-cigarros-cerca-meia-tonelada-tabaco/u-corpo; http://www.agromais.pt/pagina.aspx?ID=9; http://mercadodocacau.com/cacau; http://www.mundoboaforma.com.br/10-beneficios-da-mandioca-para-que-serve-e-propriedades/; http://revistagloborural.globo.com/Revista/Common/0,,EMI292956-18289,00-PERU+NERVOSO.html; http://www.achetudoeregiao.com.br/animais/arara.htm; https://casadospassaros.net/papagaio-ecletus/

Plantas que vieram da Ásia foram: o coqueiro, a cana-de-açúcar, as especiarias, o chá, o arroz, o algodão e a planta do café, que se chama cafezeiro.

http://revistagloborural.globo.com/vida-na-fazenda/gr-responde/noticia/2014/09/cuidados-com-o-coqueiro.html; http://dicassobresaude.com/beneficios-da-cana-de-acucar/; http://www.petitgastro.com.br/a-historia-das-especiarias-e-sua-importancia-na-gastronomia/; http://emagrecer.eco.br/cha/verde/; http://www.conquistesuavida.com.br/noticia/arroz-como-cozinhar-veja-qual-e-a-forma-mais-saudavel-para-preparar-o-alimento_a5634/1; http://gshow.globo.com/TV-Centro-America/E-Bem-MT/noticia/2016/03/algodao-se-transforma-em-artesanato-e-e-grande-fonte-de-renda-em-mt.html; https://pt.123rf.com/stock-photo/gr%C3%A3os_de_caf%C3%A9.html?sti=m9wwkp1zetifpaol5e|

Alguns animais que vieram de África foram: a girafa, a gazela, o oryx, o antílope e uma planta oriunda do continente africano é o milho-miúdo.

https://www.megacurioso.com.br/animais/98005-nas-alturas-10-fatos-curiosos-a-respeito-das-girafas.htm; https://www.youtube.com/watch?v=IFh01DXBKOc; https://en.wikipedia.org/wiki/Oryx; http://www.portaldosanimais.com.br/informacoes/antilopes-especiais/; https://www.olx.pt/agricultura/q-milho/

Da Europa vai para América o trigo, a cevada, a aveia, a cana-de-açúcar, a oliveira e alguns animais como o boi, o porco, o cavalo, a galinha e o carneiro.

http://www.agrotejo.pt/noticia_detail.asp?ID=475; https://www.dicasdemulher.com.br/cevada/; http://www.minhavida.com.br/alimentacao/tudo-sobre/16691-aveia; http://visafertil.com.br/portfolio_page/cana-de-acucar/; https://www.infoescola.com/plantas/oliveira/; https://www.jornalbomdia.com.br/noticia/4037/boi-na-pista; https://www.jornalbomdia.com.br/noticia/4037/boi-na-pista; https://comocriargalinha.com/galinha-legorne/; http://www.trespassosnews.com.br/mais-lidas/item/2247-carneiro-da-montanha-ataca-motoqueiro-em-estrada-veja-v%C3%ADdeo; https://www.vortexmag.net/puro-sangue-lusitano-o-mais-belo-cavalo-do-mundo2/

Como foram introduzidas novas culturas, as paisagens e os hábitos alimentares modificaram-se e também há movimentação de povos.

Na aula, também vimos o trailer de um filme chamado "Apocalypto", onde os Maias escravizavam outros povos menos evoluídos.

Lição número 16 - 07 de dezembro de 2017

Sumário: Entrega e correção do teste de avaliação.

Como era de esperar, o nosso professor entregou os testes nesta aula e, como já sabíamos as notas, não ficámos surpreendidos com elas.

Correção do teste de avaliação

1.º Observa os documentos 1 e 2 e lê a seguinte frase com muita atenção:

"Os europeus do início do século XV tinham um limitado conhecimento do mundo".

Documento 1 Documento 2

1.1-Comenta, a partir do documento 1, a frase acima transcrita.

Resposta: A afirmação "Os europeus do início do século XV tinham um limitado conhecimento do mundo" é verdadeira, pois os europeus só conheciam cerca de um quarto do território mundial. A cartografia medieval, baseada em autores gregos, romanos e muçulmanos e nalguns raros viajantes europeus, nomeadamente Marco Polo estava cheia de incorreções. Os europeus só conheciam a Europa, local onde viviam, parte da Ásia, lugar de onde saíam os produtos e especiarias do Oriente, e o Norte de África, ponto de chegada das rotas caravaneiras que vinham do interior de África. Desconhecia-se, por completo, o continente americano e a Oceania.

1.2- Explica, a partir do documento 2, que outras dificuldades sentiram os navegadores portugueses ao navegarem para Sul.

Resposta: A outra dificuldade que os navegadores sentiram ao navegar para sul foi o medo pelo desconhecido. Os povos europeus temiam que houvesse serpentes com cabeças humanas que engoliriam os marinheiros que caíssem ao mar, pessoas com um pé gigante, monstros, gigantes, que o mar fumegaria sob o sol, que os homens brancos ficariam negros,... Também o estrondo das ondas contra os penhascos, as fortíssimas correntes e as névoas de areia assustavam qualquer piloto que se atrevesse a navegar por lá.

2.º- Lê atentamente o documento 3 e a frase que se segue:

"A expansão quatrocentista portuguesa pode ser considerada um empreendimento nacional."

Resposta: A frase significa que a expansão pode ser considerada um empreendimento nacional pois todos os grupos estavam nela interessados, ou seja, toda a nação tinha interesse nos descobrimentos, muito embora interesses diferenciados. A nobreza, que estava desocupada da sua principal função, a guerra, pretendia alcançar prestígio e expandir os seus domínios senhoriais; o clero pretendia aumentar o seu poder, as suas rendas e expandir a fé cristã; a burguesia pretendia adquirir novos mercados e aumentar os seus lucros; o povo queria melhorar as suas condições de vida e ter mais oportunidades de trabalho e o rei queria aumentar aumentar o seu prestígio social.

3.º- Lê com muita atenção a seguinte frase e completa-a com as palavras que consideres adequadas.

"A expansão portuguesa começa em 21 de agosto de 1415 com a conquista de Ceuta, cidade do norte de África"

Lição número 17 - 11 de dezembro de 2017

Sumário: Conclusão da correção do teste de avaliação.

Continuação da correção do teste de avaliação

4.º Refere uma motivação que levou os portugueses a conquistar Ceuta no início do século XV.

Resposta: Uma motivação que levou os portugueses à conquista de Ceuta foi a riqueza de Ceuta em especiarias, escravos, cereais, ouro e prata.

5.º Explica a frase "A conquista de Ceuta foi, simultaneamente, um êxito e um fracasso."

Resposta: A conquista de Ceuta foi um êxito e um fracasso. Foi um êxito do ponto de vista militar pois a cidade conquistada; mas foi um fracasso do ponto de vista económico pois os muçulmanos desviaram as rotas comerciais que deixaram de chegar a Ceuta, as terras produtoras de cereais, inseguras, foram abandonadas, ao ponto de todo o abastecimento a população de Ceuta ser proveniente da população de Lisboa.

6.º Observa atentamente o documento 4 e responde à questão que se segue:

Documento 4

6.1- Identifica, a partir do documento 4, os arquipélagos "descobertos" no Oceano Atlântico, no tempo do Infante D. Henrique.

Resposta: Os arquipélagos "descobertos" no Oceano Atlântico, no tempo do Infante Dom Henrique são os arquipélagos dos Açores, Madeira e Cabo Verde.

7.º Lê o texto que se segue com muita atenção e responde ás seguintes questões:

Documento 2

"Em novembro do ano de 1469, arrendou El-Rei D. Afonso V o negócio da Guiné a Fernão Gomes, um rico mercador de Lisboa, pelo tempo de cinco anos, por duzentos mil réis cada ano. Com a condição de que em cada um desses cinco anos fosse obrigado a descobrir pela costa adiante cem léguas. E foi Fernão Gomes tão diligente e ditoso nesse descobrimento que logo em Janeiro de 1471 descobriu o resgate de ouro (1) a que agora chamamos a Mina."

(1) Comércio

7.1- Este contrato de arrendamento foi feito entre quem?

Resposta: Este contrato de arrendamento foi feito entre D. Afonso V e Fernão Gomes.

7.2- Por quantos anos era válido este contrato?

Resposta: O contrato era válido por cinco anos.

7.3- Este contrato de arrendamento teve resultados positivos ou negativos? Justifica a tua resposta com uma frase do texto.

Resposta: O contrato teve resultados muito positivos

8.º Observa o documento 5 com muita atenção e responde às seguintes questões:

Documento 5

8.1- Localiza no mapa:

1- Lisboa 2- Ceuta 3- Brasil 4- Açores

5- Cabo Verde 6- Cabo Bojador 7- Índia 8- Cabo da Boa Esperança

8.2- Identifica a rota assinalada no documento 5 e quem comandava a frota que a percorreu pela primeira vez.

Resposta: A rota assinalada no documento 5 é a Rota do Cabo, inaugurada por Vasco da Gama.

9.º Relaciona os elementos da coluna da esquerda com os da coluna da direita, ligando-os:

10.º Assinala com V as frases que consideras verdadeiras e com F as frases que consideras falsas:

Resposta : F -A primeira feitoria portuguesa na costa ocidental africana foi instalada na região da Mina.

Resposta: V -As viagens de Diogo Cão e Pêro da Covilhã foram importante para preparar a viagem que levou os portugueses, por mar, à Índia.

Resposta: F -Em 1488, Pedro Álvares Cabral descobriu o Brasil.

Resposta: V -Em 1492, Cristóvão Colombo chegou às Índias Ocidentais.

11.º Corrige as frases que consideraste falsas na pergunta anterior.

Resposta: A primeira feitoria portuguesa na costa ocidental africana foi a instalada na região de Arguim.

Em 1500, Pedro Álvares Cabral descobriu o Brasil.

12.º Lê os documentos 4 e 5 com muita atenção e responde ás questões:

Documento 6

"Quanto mais fortalezas tiverdes, mais falho será o vosso poder: toda a nossa força seja no mar, porque se nele formos poderosos, tudo logo será contra nós (...).

Enquanto no mar fordes poderoso, tereis a Índia por vossa e se isso não tiverdes no mar, pouco vos prestará fortalezas em terra."

Carta de D. Francisco de Almeida a D: Manuel I

Documento 7

"Não podereis reinar sobre um território tão extenso como a Índia, colocando o vosso poder simplesmente no mar. Não construir fortalezas é precisamente o que os mouros deste país desejam ver-vos fazer; porque sabem que todo o domínio fundado apenas no mar não pode persistir."

Carta de D. Afonso de Almeida a D. Manuel I

12.1- Distingue as políticas dos dois primeiros vice-reis da Índia expressas nos documentos 6 e 7.

Resposta: O primeiro vice-rei da Índia, D. Francisco de Almeida, defendia uma política de conquista e domínio do oceano Índico pois, assim, os portugueses iriam conseguir controlar, vencer e apoderar-se das rotas de especiarias e de produtos de luxo orientais. O segundo vice-rei da Índia, D. Afonso de Albuquerque, defendia uma política de conquista de praças estratégicas no Oriente pois, assim, os portugueses conseguiriam apoderar-se das rotas dos muçulmanos e dos seus produtos.

13.º Completa o texto, sobre a descoberta e colonização do Brasil, com as palavras que consideras mais adequadas:

Resposta: Em 1500, Pedro Álvares Cabral descobriu o Brasil que inicialmente se chamou de Terra de Vera Cruz e era habitado por inúmeras tribos ameríndias. Em 1534, D. João III, dividiu o Brasil em capitanias e entregou-as a capitães-donatários. Mas este sistema de colonização não deu os resultados esperados e, em 1549, D. João III nomeou o primeiro Governador-Geral, chamado Tomé de Sousa.

Lição número 18 - 14 de dezembro de 2017

Sumário: Auto e heteroavaliação.

Nesta aula, nós fizemos a nossa autoavaliação e a heteroavaliação .

Quando terminamos as avaliações vimos alguns vídeos relacionados com a descoberta da América, nomeadamente algumas partes do filme "Apocalypto".

2.º Período

Lição número 19 - 04 de janeiro de 2017

Sumário: As novas rotas do comércio internacional e o comércio à escala mundial. A circulação de produtos e pessoasAmpliação dos níveis de multiculturalidade das sociedade.

Na primeira aula do segundo período, a professora começou por nos falar da razão de um painel da nossa cantina ter sido retirado, a razão era porque a parede no qual este estava colado, não estava bem preparada para se afixarem coisas nela.

Seguidamente, comunicou-nos algumas informações sobre os nossos portefólios virtuais como por exemplo: o facto de que alguns meninos não o entregaram a tempo e, por isso, tiveram nota neutra na percentagem que equivale à avaliação destes, também nos relatou que não iria "andar" atrás dos alunos para lhe entregarem tais coisas, nem que pediria a alguém para os informar de que não os tinham entregado, para não falar que também nos deu um mini sermão acerca de responsabilidades (em parte, por causa de um menino que se recusou a entregar o link do seu portefólio).

https://stephaniepsi.wordpress.com/2015/06/04/professor-nao-grite-com-seu-aluno/- Uma imagem exagerada

Para além disso também nos falou de que alguns dos portefólios da nossa turma estavam muito bem trabalhados e que, por isso, a professora queria torná-los públicos (para tal combinou com esses alunos algum tempo para poder os corrigir, em conjunto com eles, alguns pequenos erros que lá contavam).

Ainda no mesmo assunto, eu perguntei se, os portefólios sendo públicos, podem ser copiados por outras pessoas, sendo que esta se podem apoderar do nosso trabalho, a professora respondeu que ela poderiam mas não deveriam e justificou dizendo que plágio é crime e que pode dar lugar a prisão. Para entendermos melhor a professora relatou-nos uma situação que aconteceu com a própria, disse-nos que uma senhora do Brasil tinha-se apoderado do seu trabalho e que não tinha dado os créditos que a professora merecia, dizendo que o trabalho era dela, no entanto, a professora não se quis chatear e acabou por não relatar o acontecimento à polícia, mas referiu que se o tivesse feito, essa pessoa iria para a prisão.

https://pt.slideshare.net/eugostodepandas/plgio-32240966

Depois dos assuntos acima referidos, decidimos acabar a matéria de um PowerPoint que faltava.

No século XVI haviam centros económicos europeus, sendo os principais: no Mediterrânico, as zonas mais dinâmicas do Norte da Itália (até hoje o norte deste país continua a ser muito dinâmico, provavelmente, porque em tempos fora um centro económico), Constantinopla e Cairo; na Europa Central,distinção para a Alemanha com indústrias e jazidas, ou minas, de prata e cobre (ainda hoje, a Alemanha trabalha com metais, que usa para produzir automóveis bastante apreciados, como por exemplo os automóveis da marca Mercedes); no Báltico, as cidades da Liga Hanseática; no Atlântico, desde o estreito de Gibraltar até ao Mar do Norte.

https://historiazine.com/constantinopla-capital-do-mundo-867b6391aa70; http://lalarebelo.com/egito/; http://www.joaoleitao.com/viagens/alemanha/; http://economipedia.com/historia/liga-hanseatica.html; https://commons.wikimedia.org/wiki/File:BlankMap-Europe.png - com algumas alterações

A cidade de Antuérpia, que fica na Flandres (atualmente, está localizada na Bélgica, mas antigamente estendia-se pelo território francês, holandês e pelo território belga), comandava a distribuição dos produtos coloniais para o nosso continente e ligava a Europa do Sul à do Centro e à do Norte.

Entre 1499 e 1548, Portugal teve, neste local, uma feitoria que recebia ouro, marfim e especiarias (vindas do exterior do nosso país), sal e produtos agrícolas (que viam nosso interior).

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NGE0MDE4MWIxZTc3NGQ4Zg

A Antuérpia foi conquistada em 1585 pelos espanhóis, quando entrou em decadência cedeu o seu lugar a Amesterdão, hoje capital da Holanda ou Países Baixos.

O seu auge situa-se entre 1500 e 1570, altura em que dominava a distribuição e venda dos produto coloniais na Europa e em que era um importante centro financeiro; a Bolsa de Antuérpia foi criada em 1531.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NGE0MDE4MWIxZTc3NGQ4Zg

Quando íamos passar para outro PowerPoint, a professora questionou-nos o que significava a frase do terceiro ponto do sumário, como eu sabia levantei o dedo, acabando pela professora escolher para resolver a questão. Eu disse que, em alguma cidades ou sociedades, houve um aumento da existência de pessoas com culturas diferentes que trocaram ideias, costumes, alimentos, conhecimentos, entre outras coisas com as cidades em que eles passavam, uma minha colega (a minha irmã) completou referindo, como exemplo, Lisboa, uma cidade que recebeu bastantes turistas nos tempos antigos.

https://www.fotosearch.com.br/IGS079/is09978jv/

No final, eu não estava errada, o terceiro ponto do sumário significava a existência, numa cidade/sociedade, de pessoas que vieram de países diferentes e, portanto, tinham culturas diferentes.

Lição número 20 - 08 de janeiro de 2017

Sumário: Dificuldades do Império português. O domínio Filipino. O Império holândes, inglês e francês.

No começo da aula cantamos os parabéns a uma nossa colega, pois esta fazia anos; confirmamos as datas e os alunos que iriam rever o seu portefólio para ser publicado; marcamos os testes.

2.º Período:

- 19 de fevereiro - segunda-feira

- 15 de março - segunda- feira

3.º Período:

- 28 de maio - segunda-feira

http://iam-not-abarbie.blogspot.pt/2009/10/

Seguidamente, iniciamos a matéria com " As sociedades multiculturais nos séculos XV e XVI".

Durante a expansão os portugueses, espanhóis e, um pouco mais tarde, os holandeses, ingleses e franceses, entraram em contacto com povos em estados de desenvolvimento muito diferentes entre si.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjkwYTdkZTljYjI5MjJkOA

Na África encontraram diversas civilizações muçulmanas, como os reinos de Benim, Congo e Monomotapa, para além que também encontraram algumas tribos que viviam da recoleção, da caça e da pesca (viviam verdadeiramente na Era Paleolítica; faziam fogo com pedras ou paus, só caçavam, pescavam e recolhiam, não cultivavam; ainda estavam num grau de desenvolvimento MUITO a baixo do dos europeus).

http://www.voldiscount.eu/pt/guia-pais/guia-de-viagem-benim-1.php; http://www.portalsaofrancisco.com.br/mapas-mundiais/mapa-da-republica-democratica-do-congo; http://seguindopassoshistoria.blogspot.pt/2015/11/monomotapa-o-reino-das-minas-de-ouro.html

Na América contactaram com civilizações como os Astecas, os Maias e os Incas (civilizações mais avançadas do que a população geral deste continente), eram povos da América do Norte com culturas intermédias, mas também encontraram tribos diversas a Sul que ainda viviam na Era do Paleolítico.

https://pt.slideshare.net/georgedumitrache399/history-year-9-the-incas-empire; http://roberto-menezes.blogspot.pt/2011/04/os-maias.html; https://www.megacurioso.com.br/historias-macabras/101576-10-curiosidades-sobre-os-terriveis-sacrificios-humanos-dos-astecas.htm

Quanto mais evoluído é o povo, menos permeável é à influência de outro; isto quer dizer que quantos mais anos tem a civilização encontrada mais difícil é, para os viajantes ou conquistadores, conseguir conquistar o povo ou é mais difícil incutir a cultura dos povos invasores nos povos que já lá estavam. Como esta frase é um pouco difícil de perceber, a professora comparou a com uma capa impermeável; se esta não deixa passar água, é porque é impermeável, neste caso é mais difícil de "passar" ou transpor os conhecimentos ou a cultura dos povos (mais difícil é deixar passar água), se esta for permeável, deixa passar água mais facilmente, a cultura e conhecimentos dos conquistadores são muito mais "aceitas" no povo (mais fácil é deixar passar a água).

https://www.pecheur.com/pt/pt/compra-fato-impermeavel-homem-xm-horizon-amarelo-123491.html

Umas das civilizações que era muito impermeável (pois já era muito antiga e, portanto, já tinha conhecimentos e cultura fixa) eram as culturas da Índia, do Japão e da China, presentes na Ásia.

Um facto muito interessante é que estes povos mais avançados retrataram a chegada dos portugueses às terras deles em biombos , onde os portugueses são representados com narizes longos (nome por quem eram conhecidos na região, pois os nossos narizes são muito mais compridos do que os das pessoas da Ásia, ainda hoje).

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjkwYTdkZTljYjI5MjJkOA

Nas viagens que efetuamos conseguimos ensinar ou penetrar na língua, de tal forma, que algumas palavras dos povos asiáticos , até hoje eles as utilizam, no entanto, escrevem-se de maneira diferente e têm uma pronuncia ligeiramente mais estranhas; algumas dessas palavras são: pan (pão), nikado (picado), amendô (amêndoa), manteika (manteiga), biidro (vidro), tabako (tabaco), shabon (sabão), koppu (copo), haka (faca), banko (banco), Kirishito (cristo), Lesuzu (Jesus), misa (missa), rasaryo (rosário), botam (botão), kappa (capa), mantô (manta), saya (saia) e karusan (calções).

https://www.nutella.com/en/al/ukraine; http://www.mundosimples.com.br/alimentacao-nutricao-beneficios-do-broto-de-amendoa2.htm; https://belezaesaude.com/manteiga/; http://vidrariaudico.com/project/vidro-comum/; https://www.psicodelizando.com.br/tabaco-bolado-x-industrializado-qual-compensa-mais/; https://www.dicasdemulher.com.br/receitas-de-sabao-caseiro/; https://www.boccati.com.br/copo-multiuso-em-policarbonato-transparente-300ml; https://www.dofus.com/pt/mmorpg/enciclopedia/equipamentos/8521-capa-vermelha; https://www.desmobilia.com.br/produto/banco-plataforma-1-83-1133; https://mormonsud.net/jesus-cristo/os-mormons-nao-sao-cristaos-isso-e-um-engano-equivocado/; http://liberal.com.br/cidades/americana/horario-de-missa-mais-cedo-atrai-fieis-de-outras-paroquias-498212/; https://pixabay.com/pt/ros%C3%A1rio-rosas-coroa-de-flores-265518/; https://www.ciadosbotoes.com.br/; http://www.mundocheff.com.br/facas-e-acessorios/facas-de-aco-inox/faca-chef-10-polegadas-inox-century-24011110-tramontina/; https://www.conforama.pt/manta-220x240-cm-coralina; https://roupas.mercadolivre.com.br/saias/femininas/saia-plus-size; https://www.tuaptstore.com/loja/calcoes-menino-azul-laranjinha/

Por outro lado, eles também nos influenciaram nas artes, por exemplo, na cerâmica, os portugueses fizeram peças com detalhes em que se notava a influência asiática.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjkwYTdkZTljYjI5MjJkOA

Em consequência dos descobrimentos, houve um extremismo das tribos ameríndias pela violência (os conquistadores queriam ter mais escravos e, por isso, utilizavam a força para estes se submeterem) e pela propagação da gripe, doença desconhecida até então na América; os portugueses já estavam habituados a estar em contacto com este tipo de microorganismo, por isso, não tinham problemas, mas as tribos da América estavam indefesas a este tipo de ataque, pois nunca tinham estado em contacto com algo do tipo, logo, houve muitas mortes.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NGE0MDE4MWIxZTc3NGQ4Zg; https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjkwYTdkZTljYjI5MjJkOA; http://www.historiadigital.org/curiosidades/10-epidemias-mais-mortiferas-da-historia/

Também houve a miscigenação dos povos e culturas, onde estes se juntavam por causa do casamento entre pessoas de culturas diferentes (por exemplo, houve miscigenação na Índia, onde os portugueses casaram com indianas e tiveram filhos, unindo as duas culturas) e a aculturação dos povos indígenas (ou seja, eles ficaram com algumas partes do que nós fazíamos ou dizíamos) que assimilaram hábitos, costumes, língua, religião, arte, cultura, técnicas, entre outras coisas mais.

Atualmente, na Ilha de Moçambique vemos pessoas com traços europeus mas com pele ais escura, uma mistura de portugueses com africanos.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjkwYTdkZTljYjI5MjJkOA

Uma das consequências dos descobrimentos mais horrível foi o aumento do tráfego de escravos entre o continente africano e europeu e americano (mais tarde os escravos negros foram muito importantes para o cultivo e fabrico do açúcar, um dos principais produtos vendidos para o exterior da América; o trabalho escravo era muito apreciado porque os seus donos só os tinham que alimentar pouco para não morrerem e trabalharam, assim não pagavam tanto dinheiro e tinham um lucro maior do que se tivessem de pagar a cidadãos do povo).

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjkwYTdkZTljYjI5MjJkOA

Em Cabo Verde foram introduzidos escravos vindos do continente africano, depois havendo miscigenação; Cabo Verde, nomeadamente, a ilha do Fogo, servia de plataforma para a distribuição dos escravos entre a Europa e a América.

http://embcv.pt/lista_conteudos_sub.asp?idcont=3170&idarea=4&idsub=786

A cristianização durante os Descobrimentos fez-se, sobretudo, através de missionários Jesuítas que a partir de 1541 desempenharam um papel importante na evangelização das populações locais.

S. Francisco Xavier destacou-se nesta ação nada fácil, devido às religiões existentes como o Hinduísmo, Budismo e Islamismo.

http://www.caminhandocomele.com.br/sao-francisco-xavier-3-de-dezembro/

Há construções, nomeadamente de igrejas e Cistenas na Ilha de Moçambique e em S. Salvador da Baia que foram consideradas Património Mundial.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Igreja_de_Santo_Ant%C3%B3nio_(Ilha_de_Mo%C3%A7ambique); https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjkwYTdkZTljYjI5MjJkOA

D. João III, O Piedoso, nasceu em Lisboa a 1502 e reinou de 1521 a 1557, ano em que a China doou Macau a Portugal.

Durante o seu reinado foram abandonadas inúmeras praças no Norte de África (devido a uma grande dificuldade de administração entre as colónias à pouco conquistadas e as praças neste local, acabando pelos Muçulmanos as conquistarem, sendo que elas não estavam muito bem protegidas), incrementa-se a colonização do Brasil (visto que as outras zonas conquistadas estavam em declínio comercial e também que o Brasil estava a ser atacado por piratas), a evangelização dos territórios conquistados e introduz-se a Inquisição.

https://casaducaldebraganca.wordpress.com/2015/03/31/a-morte-de-d-joao-iii/

Com os Descobrimentos os portugueses encontraram muitas dificuldades, entre elas: uma grande extensão e dispersão do império comercial e marítimo; doenças que surgiam em viagens tão longas; naufrágios devido a cargas excessivas e a tempestades; reanimação das rotas do Levante, os muçulmanos reanimaram o seu comércio.

https://megaarquivo.wordpress.com/category/catastrofes-2/naufragios/; http://dc.clicrbs.com.br/sc/estilo-de-vida/noticia/2014/08/conheca-10-doencas-que-assolaram-o-mundo-no-ultimo-seculo-4569800.html; http://disciplina-de-historia.blogspot.pt/2012/06/as-grandes-rotas-comerciais-no-seculo.html

Uma das doenças era o escorbuto, desenvolvido por falta de Vitamina C; podia não ser mortal, se a pessoa afetada repousasse e se alimentasse convenientemente. A doença fazia com que as pessoas ficassem com as gengivas inchadas, tanto, que já não cabiam na boca, fazia com que os músculos das pernas inchassem e apareciam inchações roxos devido a hemorragias internas, fazendo com que a pessoa morresse de tanta dor.

https://www.saudemedicina.com/escorbuto/

Lemos um texto sobre esta doença que chocou muitos alunos devido aos sintomas sentidos, para não falar da dor imensa.

Nesta época, os ataques dos corsários ingleses, holandeses, franceses e muçulmanos que não concordavam com a política do mare clausum (esta política foi instituída pelo Tratado de Tordesilhas em que 350 léguas a Oeste de Cabo Verde eram territórios espanhóis, enquanto que o resto era território português e, evidentemente, estes povos não deixavam navegar outros, que não eles, nos mares, o que os enfurecia) e visam o mare liberum (mar livre à navegação de todos os povos).

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjkwYTdkZTljYjI5MjJkOA

Também houve ataques ingleses, holandeses e franceses às colónias.

Neste século havia escassez de população e também a decadência das produções agrícolas e manufatureira.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjkwYTdkZTljYjI5MjJkOA

A Coroa faz com que Portugal ganhe dividas em empréstimos ao estrangeiro (como atualmente faz). A administração do império era corrupta e ineficaz (tiravam o que podiam e ficavam com ele no bolso).

Lemos alguns textos sobre o sobrecarregamento das embarcações da época que, obviamente, não aguentavam e acabavam por afundar e perder os produtos transportados.

Nós observamos também um gráfico do n.º de barcos que saiam e chegavam a Portugal nesta época e verificamos que havia mais saídas do que chegadas; ao observá-mo-lo podemos concluir que haviam muitos naufrágios, provavelmente, por causa das tempestades da sobrecarga, entre outras razões.

Devido aos naufrágios, a burguesia perdia oportunidades de negócio para os estrangeiros, nomeadamente o comércio do açúcar, do tabaco e dos escravos porque os holandeses ocupavam o Brasil e a Angola.

Como já tinha referido, as autoridades portuguesas incentivaram a miscigenação entre portugueses e indianas.

A crise política portuguesa começa em 1578 com a Batalha de Alcácer ou Batalha dos Três Reis, onde morre D. Sebastião, O Desejado, isto porque ele era o único herdeiro legítimo ao trono e desde pequenino o povo desejava-o.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Sebasti%C3%A3o_I_de_Portugal

Sucedeu-lhe o tio-avô Cardeal D. Henrique que, sem descentes, morreu em 1580.

http://www.hirondino.com/historia-de-portugal/cardeal-dom-henrique-cardeal-rei/

D. António, Prior do Crato, é aclamado em algumas cidades, no entanto, em 1580, D. Filipe II invade Portugal e conquista o reino.

E é assim que começa a Dinastia Filipina, que durou entre 1580 a 1640 (durou 60 anos). Ela começou com D. Filipe II, I de Portugal.

Ele foi aclamado rei nas Cortes de Pomar, em 1581, e prometeu uma monarquia dualista: um reino de dois reinos independentes (o que foi completamente mentira). Também prometeu respeitar os usos e costumes, privilégios e liberdades dos portugueses.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjkwYTdkZTljYjI5MjJkOA

Lição número 21 - 11 de janeiro de 2017

Sumário: Conclusão do sumário da lição anterior. O Renascimento .

Depois do Império espanhol quem tomou o poder comercial foi o Império holandês; este ganhou força no século XVII, eles faziam faianças (peças de cerâmica), flores, tecidos, tinham uma forte de contrução naval, refinavam o açúcar (que era um produto muito apreciado na época) e faziam a criação de gado.

http://noblat.oglobo.globo.com/arte-hoje/noticia/2014/08/a-faianca-de-delft-do-seculo-xvii-aos-nossos-dias-545715.html; https://www.ducsamsterdam.net/keukenhof-como-visitar-parque-flores-holanda/; https://m.pt.dhgate.com/product/2017-newest-african-hollandais-dutch-wax/396262415.html - Os tecidos não são estes, mas vieram da Holanda; http://blog.tudogostoso.com.br/noticias/conheca-diferenca-entre-o-acucar-de-confeiteiro-e-o-acucar-impalpavel/; http://www.novonegocio.com.br/criacoes/criacao-de-gado-2/

Eles tinham uma importante organização bancária (tinham o Banco de Amesterdão, que foi construído em 1609), este era grande e muito bem organizado.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjkwYTdkZTljYjI5MjJkOA

Os holandeses redistribuíram, por toda a Europa, os produtos coloniais, lãs, cobre, vinho, cereais e madeiras. Também dominaram o comércio entre o Mediterrâneo e o Báltico.

https://pt.wikipedia.org/wiki/L%C3%A3; https://pt.wikipedia.org/wiki/Cobre; https://exame.abril.com.br/noticias-sobre/vinho/; https://www.greenme.com.br/images/cereais-sem-gluten.jpg; http://www.palser.pt/produtos/madeira-termotratada/

Mais ou menos por este tempo, a população judaica fora expulsa de Espanha e, logo a seguir (por idiotice dos reis católicos, naquele momento, D. Manuel I), de Portugal; estes foram expulsos, pois não possuíam a mesma religião que os reis destes países e, por isso, foram forçados a abandonarem o seu país de nascimento (e onde tinham a vida já feita).

https://www.vortexmag.net/historia-insolita-de-portugal-o-rei-que-casou-com-a-noiva-do-filho/

Eles foram para a Holanda, um país em que a população era, predominantemente, tolerante ou liberal quanto à religião, principal motivo de eles irem para este país, ativa, a burguesia sabia investir os seus negócios, tinha hábitos austeros (rígidos) e era dinâmico. Por estas e por mais razões, é que os Judeus (que tinham bastante poder de copra e de venda) mudaram-se para a Holanda ou para os outros países do norte da Europa, onde não se sentiam perseguidos e onde investiram as suas fortunas, desenvolvendo o país e o comércio.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjkwYTdkZTljYjI5MjJkOA

Enquanto os Judeus estiveram em Portugal, ele criaram os chamados "bairros de Judeus", grandes aglomerados de habitações judaicas.

Os Judeus que não quiseram sair do país converteram-se ao Cristianismo ou praticavam a sua religião em segredo (às escondidas); um objeto que eles usam muito nas orações são os castiçais de sete braços.

https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-693419760-candelabro-castical-para-7-velas-maconaria-judaismo-davi-_JM; https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjkwYTdkZTljYjI5MjJkOA

A saída deste povo contribuiu para que os holandeses evoluíssem em vários aspetos, evolução que se nota até hoje, e para que os portugueses se atrasassem em relação aos outros países.

O povo holandês formou a Companhia das Índias Orientais, que controlava a Rota do Cabo e os oceanos Índico e Pacífico e a Companhia das Índias Ocidentais, que controlava o Atlântico, a África e a América.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjkwYTdkZTljYjI5MjJkOA

Também instituíram o Mare Liberum (mar livre, isto aconteceu porque, os portugueses e os espanhóis fizeram o Tratado de Tordesilhas, em que acordaram que só eles podiam navegar nos mares e que os outros povos não poderiam fazer tal coisa (Mare Clausum); como era de esperar, os outros povos não gostaram e queriam que instituíssem o Mare Liberum, com os holandeses a "governar" o comércio, isto finalmente aconteceu, para felicidade de muitos povos).

Os holandeses batalharam contra os espanhóis no Estreito de Gibraltar, em 1607.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_de_Gibraltar

Passamos a outro assunto, mas nem assim fugindo do dos Impérios, falamos da Rainha Isabel I de Inglaterra (um pouco mais tarde, ou seja, atualmente, nasceu outra rainha Isabel, II, que já está a governar Inglaterra há muito tempo e com punhos de ferro) que durante o seu reinado criou as bases do Império inglês.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Isabel_I_de_Inglaterra

Ela, uma das poucas mulheres a assumir o trono, fundou a Companhia das Índias Orientais em 1600 e, mais tarde, em 1651, publicou a lei do Acto de Navegação, em que nenhum país estrangeiro poderia comercializar com a Inglaterra, se os produtos em questão não fossem produzidos no seu país de origem).

Esta lei foi um enorme prejuízo para a Holanda, pois, maior parte dos produtos que comercializava, eram produzidos ou feitos nas colónias do país, sendo uma minoria, produzida no seu interior, para não falar que a Inglaterra era um comprador muito importante na época.

O Sir (título dado pela rainha aos mais nobres, às pessoas com cargo de nobreza) Francis Drake foi um corsário inglês (que foi,ao longo da sua vida financiado pela rainha) armado cavaleiro pela rainha Isabel I, foi também comandante da armada que venceu a Armada Invencível, criada por Filipe II de Espanha, (pensava que esta armada era tão forte que ninguém conseguiria derrotá-la, no entanto, Francis Drake, conseguiu este feito incrível). Ele era muito conhecido por fazer ataques às embarcações de outros países, que não o dele, muito ricos; isto era feito para regredir o poder dos Impérios com a finalidade de a Inglaterra ser o país mais poderoso do mundo.

https://www.britannica.com/biography/Francis-Drake; https://pt.wikipedia.org/wiki/Invenc%C3%ADvel_Armada - Armada de Sir Drake com a Armada Invencível

O Império inglês tomou força ainda no século XVII, quando criou entrepostos comerciais em África e no Oriente e quando também fundam 13 colónias na América (que mais tarde viriam a ser independentes), estas foram ajudadas pelos franceses e, atualmente, formam os Estados Unidos. Estas colónias deram muito incentivo para outros locais que queriam ser livres dos seus colonizadores;após ver a Inglaterra declarar a independência ás suas colónias, os outros países também a deram a maior parte das suas colónias, menos Portugal.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjkwYTdkZTljYjI5MjJkOA

Na época em que a independência das colónias, Portugal estava em ditadura (um regime fascista - que não queria nem falar de se desfazer das colónias) e foi um dos únicos países a "bater o pé" para não oferecer a liberdade das suas colónias, mesmo sendo pressionado pela ONU; mais tarde concede-lhes a independência, mas porque estes locais estavam a dar muito prejuízo.

Em 1694, século XVII, os ingleses fundam o Banco de Londres que vai ocupar a posição que antes era ocupada pelo Banco de Amesterdão.

https://pt.slideshare.net/RainhaMaga/ascenso-da-europa-de-noroeste-os-pases-baixos-e-a-inglaterra-no-sculo-xvii

O Império inglês era tão forte que possuía maior parte da Oceânia, a Austrália.

Depois do Império inglês, seguiu-se o francês; os franceses expandiram-se para a América do Norte (atual Canadá e Antilhas, que fica na América Central, nas Caraíbas), Índico (Índia e Madagáscar) e África (atualmente, o Senegal).

Eles também fundaram as Companhias das Índias Ocidentais e das Índias Orientais.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjkwYTdkZTljYjI5MjJkOA

O triângulo comercial continuava o mesmo (entre a Europa, África e América).

A África, principalmente, iam buscar os escravos, que eram levados para as Américas, onde trabalhavam nos engenhos de açúcar e tabaco; nas Américas, traziam especiarias, principalmente o açúcar e algodão (da América do Norte); na Europa, comercializavam-se os produtos vindos do Ocidente, alguns deles eram levados para as Américas para trocarem com os povos de lá ou para comercializaram com as pessoas que colonizaram este continente (na sua maioria foi, colonizar, gente dos Açores, mas também espanhóis,ingleses, franceses e holandeses, razão pelas quais, estas línguas são faladas nesses locais).

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjkwYTdkZTljYjI5MjJkOA

Por exemplo, em Marrocos e no Senegal fala-se espanhol; no Canadá e noutros locais da América do Norte fala-se inglês e espanhol; em Cuba e na Rep. Dominicana fala-se francês e espanhol.

Embora houvesse um Império a comandar comercialmente o mundo, os outros Impérios não desapareciam, apenas não governavam o comércio mundial; estes foram desaparecendo com a independência das colónias.

O período dos Descobrimentos também foi o período do Renascimento, este termo significa voltar a nascer, é colocado na História da Europa que vai de cerca de 1400 a 1600, período em que o homem descobre-se a si próprio e ao mundo que o rodeia.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NWUyMjViM2M4YzE4OTE3ZA

Este período antecedeu civilizações pré-clássicas, a civilização Grega e a Romana.

Algumas áreas em que o Homem se especializa é, por exemplo: na Geografia (com o conhecimento dos continentes e de novos arquipélagos), na botânica (novas plantas como o ananás, os pepinos, as pimentas,...), na zoologia (encontra novos animais como a arara, o periquito,...), na matemática (área muito importante; aprofunda os cálculo precisos para a navegação astronómica, em alto mar), na cartografia (se ficassemos com os conhecimentos que tínhamos antes, como o mapa de Ptolomeu, não conhecíamos mais de um quarto do planeta Terra), os europeus também conhecem outros povos muito diferentes dos dos deles,....

https://br.freepik.com/vetores-gratis/mapa-do-mundo-cinza_893780.htm; https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NjI0OTJhODkxNzU4NGM2YQ; https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6YTM1NjM1NmI2MmI3MjFi; https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NGE0MDE4MWIxZTc3NGQ4Zg

Logo após, lermos o primeiro diapositivo do PowerPoint sobre o Renascimento, a professora perguntou-nos como é que os povos desta época conseguiram descobrir mais sobre si próprios e ao mundo à volta deles.

No princípio, não entendi a pergunta mas, depois, percebi que foi mais ou menos nessa data que começou a exploração do desconhecido e que este se iniciou com a conquista de Ceuta.

A professora também nos falou sobre algumas pessoa (como Leonardo Da Vinci, Miguel Ângelo,...) que nasceram nesta época e que foram excelentes pintores, escultores, desenhadores, futuristas,... eles eram homens muito avançados para a sua época e, por isso, muitas das vezes considerados louco pela igreja, que neste tempo tinha grande poder, e pela sociedade. O certo é que muitas das suas invenções só foram possíveis realizar à pouco tempo, de tão complexas, e, muitas das quais, estavam certas, o que prova que eles eram uns prodígios.

https://www.biography.com/people/leonardo-da-vinci-40396; https://pt.wikipedia.org/wiki/Michelangelo

Neste tempo, os homens de quem eu falei, eram o expoente máximo ou os exemplos maiores; eles eram curiosos, queriam saber, aprender e explicar de forma cientifica várias situações e também queriam explorar a sua total capacidade, ou sejam, queriam ser melhores, queriam sempre superar as suas dificuldades.

Lição número 22 - 16 de janeiro de 2017

Sumário: A formação da mentalidade moderna: continuação - antropocentrismo, individualismo, racionalismo, naturalismo e classicismo.

Resumo feito por Ana Rita Teixeira

No início da aula falamos um pouco de como decorreu o "Perfil do Aluno" (feito neste mesmo dia) e alguns objetivos sugeridos por vários grupos dos alunos presentes na aula.

Seguidamente, a aula decorreu normalmente, continuando desde o último ponto da aula anterior.

O termo renascer significa voltar a nascer de qualquer coisa, neste caso (o período "Renascentista"), renasceu a mentalidade clássica, ou seja, voltaram-se aos valores clássicos, valores estes romanos e gregos que são os "clássicos" da História.

https://pt.slideshare.net/jackpovoas/antiguidade-oriental-3812250

O Renascimento emprega-se a um período da história da Europa, desde cerca de mil e quatrocentos a mil e seiscentos (duzentos anos).

Com este período, bastante importante, acaba o período da Idade Média por causa dos Descobrimentos.

Idade Média iniciou-se com as invasões Bárbaras que puseram fim à cultura clássica dos romanos.

http://www.zoover.pt/portugal/costa-de-lisboa/lisboa-cidade/padrao-dos-descobrimentos; http://eugostodehistoria2.blogspot.pt/2015/02/o-fim-do-imperio-romano-as-invasoes.html

O Homem medieval era bastante influenciado pela religião, sendo muito religioso. Este Homem explicava tudo com Deus dizendo "Deus quer e manda". Não era curioso e a característica que ressalta é a extrema religiosidade, sendo a religião resposta para tudo, não tendo de explicar nada.

https://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/vida-de-oracao/por-que-temos-medo-de-deus/

Um exemplo da mentalidade retrógrada da época é que na Idade Média os romanos construíam diversas pontes e, até ao Renascimento, não se fizeram pontes algumas.

http://invitaminerva45.blogspot.pt/2014/06/a-ponte-romana-de-vila-formosa-alter-do.html

O começo do Renascimento foi em mil quatrocentos e quinze com a conquista de Ceuta.

"Só no Renascimento entra a razão."~ Anabela Matias Magalhães

Neste período houve vários centros de poder, sendo cronologicamente os impérios: português, espanhol, holandês, inglês e francês.

http://www.japassei.pt/artigo.aspx?lang=pt&id_object=1547; https://imagohistoria.blogspot.pt/2009/10/imperialismo.html; https://pt.wikipedia.org/wiki/Imp%C3%A9rio_Colonial_Holand%C3%AAs; http://www.ensinarhistoriajoelza.com.br/imperio-britanico-livros-didaticos/; https://marianomarcelo.net/2015/11/17/por-que-paris/

O Homem desta época quer superar as suas dificuldades e ser cada vez melhor, enquanto que o Homem da Idade Média ficava pelas suas dificuldades, mitos e medos.

Mais um exemplo de uma visão retrograda é o Estado Islâmico que explodiu partes de Palmira, cidade de outra religião, por isso a explodiram.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/08/estado-islamico-divulga-imagens-da-destruicao-de-templo-na-siria.html

Leonardo da Vinci é muito conhecido por se um dos maiores exemplos de um paradigma da época. Uma das suas obras inclui dois humanos nus, sendo que na Idade Média isso nunca se permitiria representar, mostrando, assim, uma mentalidade mais aberta e evoluída.

https://www.biography.com/people/leonardo-da-vinci-40396; https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NWUyMjViM2M4YzE4OTE3ZA

Na obra, o círculo representa a Terra, estando o Homem no centro dela, antropocentrismo (Homem no centro); na Idade Média o termo básico era o teocentrismo (Deus no centro). Estes dois períodos da História encaravam a religião de modo muito diferente, sendo no teocentrismo, Deus opressor do Homem, sendo que este último não progredia por esse motivo.

http://www.ricardocosta.com/tags/filosofia-medieval; http://obviousmag.org/archives/2014/02/pinturas_famosas_do_renascimento.html

No Renascimento, a população "bebeu" e inspirou-se nas culturas clássicas.

O Renascimento nasceu em Florença, sendo Itália o berço do Renascimento pois aí se concentravam os restos do império e tinha a existência de inúmeros testemunhos da cultura clássica como ruínas e manuscritos, já que os romanos inspiravam a arquitetura grega.

http://gabinetedehistoria.blogspot.pt/2014/06/renascimento-transicao-do-mundo.html; https://www.dobrarfronteiras.com/ruinas-romanas-apamea-afamia-siria/; https://www.pinterest.pt/pin/317011261259107543/?autologin=true; http://www.portugalnotavel.com/ruinas-romanas-de-pisoes-beja/; https://www.dobrarfronteiras.com/cidade-jerash-jordania-ruinas-romanas-gerasa/

Os romanos eram bastante influenciados pelos gregos pois estes eram muito evoluídos e os romanos conquistaram a Grécia.

Em Roma as ruínas (como mosaicos, pinturas, construções e manuscritos com poesia, filosofia e História) eram omnipresentes, sendo um ponto de referência da cultura clássica criada nessa cidade.

http://www.arteguias.com/mosaicos.htm; http://www.ultimatescience.org/porque-e-que-construcoes-romanas-duram-mais/; https://www.flickr.com/photos/nccroma/2559794632; http://imperioromanodexaviervalderas.blogspot.pt/2015/04/historia-de-la-filosofia-romana-de.html

O Homem Renascentista aprendeu latim e grego para ler e "beber" das culturas clássicas.

O norte de Itália era uma das regiões europeias mais ricas e poderosas.

O surgimento da política de mecenato cultural, por parte de grandes famílias: Médicis, em Florença; Sforza, em Milão; papas Júlio II e Leão X, em Roma.

As duas primeiras pessoas representadas são das famílias descritas acima. https://pt.wikipedia.org/wiki/Louren%C3%A7o_II_de_M%C3%A9dici; https://pt.wikipedia.org/wiki/Catarina_Sforza; https://pt.wikipedia.org/wiki/Papa_J%C3%BAlio_II; https://pt.wikipedia.org/wiki/Papa_Le%C3%A3o_X

Florença financiava artistas para a produção artística; Roma tinha os papas.

A produção Renascentista era deveras impressionante, tendo espantado a época com a sua numerosa quantidade e altíssima qualidade.

Os Homens do Renascimento eram exímios pintores, escultores, desenhadores e inventores. Leonardo da Vinci era um típico homem Renascentista, pintou Mona Lisa e desenhou invenções que só séculos mais tarde começaram a ser construídos e a se saber para que serviam. Miguel Ângelo foi também um exímio escultor e arquiteto, este pintou o teto da Capela Sistina e projetou a cúpula da Catedral de São Pedro, no Vaticano.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Mona_Lisa; http://historiadaarte.pbworks.com/w/page/18413905/Miguel%20%C3%82ngelo%20-%20Pintura; https://pt.wikipedia.org/wiki/Teto_da_Capela_Sistina; http://www.voupraroma.com/cupula-da-basilica-de-sao-pedro/; http://borapraoutra.blogspot.pt/2012/03/basilica-de-sao-pedro-vaticano-tour.html

Lourenço de Médicis foi um grande mecenas da cidade de Florença. Mecenas era um político romano contemporâneo, amigo e colaborador do imperador Augusto que apoiou escritores como Virgílio, Horácio e Tito Lívio.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Louren%C3%A7o_de_M%C3%A9dici; http://oficinadelatim.blogspot.pt/2014/07/mecenas-mecenas-o-amigo-de-augusto-e.html; https://pt.wikipedia.org/wiki/Augusto; https://pt.wikipedia.org/wiki/Virg%C3%ADlio; http://ciudadseva.com/autor/horacio/poemas/; http://www.citador.pt/frases/citacoes/a/tito-livio

Na pintura abaixo, Lourenço de Médicis é representado num luxo desmedido. Ele liderava os destinos da república italiana de Florença.

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxhbmFiZWxhcG1hdGlhczF8Z3g6NWUyMjViM2M4YzE4OTE3ZA
Created By
Leonor Teixeira
Appreciate

Credits:

Created with images by Pexels - "adventure barren dawn" • Hans - "spike wheat cereals"

Report Abuse

If you feel that this video content violates the Adobe Terms of Use, you may report this content by filling out this quick form.

To report a Copyright Violation, please follow Section 17 in the Terms of Use.