Loading

Papa léguas #01 - dourear

"Douro, meu belo país do vinho e do suor, bárbaro canto arrancado à penedia por um destino que nos faz andar da alma para os olhos, dos olhos para a alma!” (António Cabral [1931 – 2007])

Aqui Douro!... de estradas serpenteantes. Um traçado perseguido por um Rio prateado que é (D)ouro e espelha nele a tela que o ladeia.Margens rasgadas em socalcos por mãos calejadas de sabedoria que esculpem no xisto o suporte da videira que dará uva que será vinho. Fruto pisado por pés dançantes de rostos de rugas profundas. Como o néctar que fez desta a primeira Região Demarcada do Mundo.

Quinta do Pôpa - tabuaço

Os novos tintos lançados pela Quinta do Pôpa, situada em Tabuaço, numa verdadeira janela para o rio, prometem fazer reviver o charme das lareiras e o prazer da literatura e convidam a um brinde diário numa mesa repleta de boa gastronomia.

Contos da Terra 2006

Versátil, jovem, fresco e de aroma frutado, frutos vermelhos ligados a uma frescura atribuída pela menta. Junta Tinta Roriz (30%), Touriga Franca (30%), Touriga Nacional (30%) e Tinta Barroca (10%), num processo de fermentação e estágio em cubas de inox que lhe confere uma cor vermelho rubi.

Pôpa Black Edition 2015

De conforto, quente, de cor vermelho rubi, com um aroma limpo e intenso caracterizado, no início, pela fruta madura e um leve final tostado, marcado pelas especiarias. Nasce de um blend de Vinhas Velhas (30%), Touriga Franca (20%), Tinta Amarela (10%) – vinificadas em lagar com pisa a pé – e Tinto Cão (10%), Tinta Roriz (30%) – vinificadas em cubas de inox. O estágio decorreu, na totalidade, em barricas usadas de carvalho francês, durante períodos de 10 a 15 meses.

Cozinha da Clara/Quinta de La rosa - Pinhão

Neste Douro, a gastronomia pode ser entre o contemporâneo e o tradicional. Na Cozinha da Clara. Onde a Primavera se transforma em sabores pelas mãos do chef Pedro Cardoso. Neste que é o restaurante da Quinta de la Rosa, no Pinhão, sobranceira ao Rio Douro, e que está desde 1906 na posse da família de Sophia Bergqvist.

As novidades gastronómicas estendem-se à ‘Carta de Tapas’ e à ‘Carta da Primavera’. A primeira composta pela típica ‘tábua de queijos nacionais’ (€15) ou os ‘bolinhos de bacalhau da avó Clara’ (€6,00). A segunda sugere como entrada ‘lulas salteadas com esmagada de feijão frade e aroma a tinta de choco’ (€7,10) ou a tradicional sopa de cebola duriense e a “moira de Lamego” (€5,80) e ‘petingas crocantes com aioli de tomate seco’ (€6,10), entre muitas outras opções.

‘Corvina corada com texturas de ervilhas e sabores de chouriço’ (€20,10), ‘lombo de vitela com puré de aipo, legumes assados e chips de tubérculos’ (€23,90) são algumas das propostas de pratos principais. Se não quiser embarcar em modernices gastronómicas pode apostar no tradicional ‘cabrito com batata no forno e grelos ao alho’ (€25,10) e no ‘polvo à lagareiro com batata a murro e regado com o azeite extra virgem da Quinta de la Rosa’ (€24,40).

A refeição atinge a apoteose com o ‘bolo de chocolate com pimenta rosa e gelado de iogurte’ (€8,50) ou o ‘pastel de nata e o café expresso português na interpretação do chef’ (€6,70). Dois exemplos dos sete pecados que compõem a ‘carta’ das sobremesas.

Ideal para quem quer relaxar, desfrutando de uma privilegiada paisagem, a Quinta de la Rosa, com 55 hectares de área total, é produtora de vinhos do Douro e Porto; azeite e vinagre do Douro; e mais recentemente de cerveja artesanal.

Aproveite o resto da tarde para fazer uma caminhada ao longo da icónica parcela de vinha Vale do Inferno, plantada antes da I Guerra Mundial e que conta com algumas das maiores paredes de xisto em todo o Douro.

Pernoite num dos 12 quartos ou numa das 4 suites, todos com vista para o rio Douro e acesso a uma piscina comum. Existe ainda uma piscina privada, que pode ser usada em circunstâncias especiais. A Quinta tem ainda duas casas independentes, ambas com piscina privada: a Casa Amarela e a Casa de Lamelas, com cinco e três quartos respetivamente.

Os preços variam entre os 135 e 165 euros.

Se para o poeta duriense “a poesia é o que há de infinito em cada palavra” para o viajante o Douro é uma sinfonia inacabada onde se descobre sempre uma nota nova para acrescentar à partitura da paisagem classificada pela UNESCO de Património da Humanidade.

Um "país" que os olhos não cansam de ver. Um refúgio para a alma onde acabamos sempre por voltar!

Created By
Helena Margarida
Appreciate

Credits:

Quinta da Pôpa; Quinta De La Rosa (Homem Cardoso, Rui Manuel Ferreira)

Report Abuse

If you feel that this video content violates the Adobe Terms of Use, you may report this content by filling out this quick form.

To report a Copyright Violation, please follow Section 17 in the Terms of Use.