Loading

Igreja de Setúbal em 2020 O ano em revisão

Uma Diocese viva

Em 2020, a Diocese de Setúbal assinalou 45 anos de existência.

O vírus SARS-CoV-2, aparecido na distante cidade de Wuhan (China), entrou pelo nosso país (e pela nossa Diocese) como um tornado, pronto para nos deixar "fora do lugar".

Fomos colocados à prova e desafiados a mudar radicalmente os nossos hábitos, inclusive na vida eclesial. A forma como celebrávamos, convivíamos, rezávamos e comunicávamos alterou-se profundamente.

Tivemos que aprender, que nos adaptar. E a Diocese de Setúbal soube responder aos apelos de mudança que os novos tempos exigiam.

No fim de um dos anos mais longos da nossa vida, desejamos a todos um abençoado 2021, trazendo-lhes uma retrospetiva dos acontecimentos mais significativos da vida da nossa Igreja Diocesana.

Visitas pastorais

Este ano, D. José Ornelas visitou as paróquias da vigararia de Barreiro-Moita e algumas da Vigararia do Montijo, mantendo o foco na Juventude. No dia 19 de janeiro, concluía as visitas no Barreiro com um repto à construção de uma Igreja com “gente inquieta e irreverente”.

Notas pastorais

Em 2020, o Bispo Diocesano publicou cinco notas pastorais, todas com o intuito de orientar e incentivar a comunidade no período da pandemia.

  1. COVID-19: Nota Pastoral sobre a atual situação de saúde pública (13 de março)
  2. "Celebrar a Semana Santa em tempo de contenção e de crise" (4 de abril)
  3. "Retoma das celebrações públicas nas igrejas" (16 de maio)
  4. "Recomeçar como Igreja Unida e Aberta, Solidária e Missionária" (29 de maio)
  5. "Novo ano pastoral em tempo de pandemia" (16 de setembro)

Comissão de Proteção de Menores e Pessoas Vulneráveis

D. José Ornelas constituiu, a 13 de junho, a Comissão de Proteção de Menores e Pessoas Vulneráveis. Esta comissão tem como objetivo "colaborar para promover na Diocese um ambiente de segurança, são relacionamento e cuidado dos mais novos e mais frágeis; prevenir comportamentos atentatórios da dignidade destas pessoas; acolher e cuidar daqueles que possam ser vítimas de abuso e comportamentos desviantes".

A 16 de junho, D. José Ornelas é eleito o novo presidente da Conferência Episcopal Portuguesa.

Foi eleito pelo episcopado português para o triénio 2020/2023, sucedendo no cargo a D. Manuel Clemente, Patriarca de Lisboa.

“Que sejamos o primeiro sinal da união da Igreja em Portugal e estejamos em diálogo com a sociedade”

Em março, a nossa vida mudou. O mundo fechou, todos ficámos confinados nas nossas casas. Na Igreja, as paróquias, movimentos e organizações suspenderam as suas atividades. Por fim, o impensável aconteceu: as Eucaristias foram suspensas, por tempo indeterminado.

A 27 de março, sozinho, o Santo Padre presidiu a uma oração perante uma Praça de São Pedro vazia, mas ligada a todo o mundo, com a bênção extraordinária «urbi et orbi». Na ocasião, dizia que a Covid-19 nos colocou a todos «no mesmo barco» e que era hora de mudar de vida.

O mundo foi convocado à oração e as iniciativas multiplicaram-se. Os bispos, as comunidades religiosas, as paróquias.

Em Portugal, fomos consagrados ao Sagrado Coração de Jesus e ao Imaculado Coração de Maria, em Fátima.

Como referiu inúmeras vezes D. José Ornelas nos últimos meses, o tempo de pandemia é uma "fonte de espiritualidade concreta” que nos obriga a ser diferentes: «Na Igreja pós-pandemia, não queremos simplesmente voltar ao que era antes»

Fátima

As celebrações de 13 de maio foram atípicas: o Santuário permaneceu vazio de pessoas mas cheio de esperança.

Em Setúbal, para além da iniciativa "Fátima da minha janela", D. José Ornelas celebrou Eucaristia no Santuário do Cristo Rei, em união com o santuário mariano.

A pandemia impediu os peregrinos de caminhar, como habitualmente fazem, até Fátima: a peregrinação foi espiritual, em cada casa e família.

Foi o que aconteceu com o grupo de peregrinos de Fernão Ferro, um dos maiores do país, homenageado com a criação da "Praça do Peregrino".

"Chorar à pressa"

Em 2020, partiram para o Pai mais de 6 mil portugueses com Covid-19 (dados DGS). As exéquias fúnebres tornaram-se mais difíceis e as últimas despedidas limitadas em participação. O Padre Nuno Pacheco, Pároco de Alhos Vedros e Santo André no Barreiro, partilhou connosco a sua reflexão sobre os funerais, a despedida e o luto em tempos de pandemia. Por esta razão, também criou um centro de apoio ao luto em Alhos Vedros.

A celebração dos Fiéis Defuntos foi este ano condicionada, sobretudo pela proibição de circulação entre concelhos. Contudo, todos os cemitérios da Diocese de Setúbal permaneceram abertos para visita e oração junto da campa dos familiares.

A 14 de novembro, os bispos portugueses fizeram memória das vítimas da pandemia, celebrando uma Eucaristia em seu sufrágio, no Santuário de Fátima.

Em três meses, a Igreja de Setúbal reinventou-se. As formas de estar, de viver, de partilhar, de rezar e de celebrar transformaram-se em virtude do contexto de pandemia que estamos a viver.

Surgiu a “Igreja em Rede”, itinerário de oração, formação e celebração em ambiente digital promovido pela Diocese de Setúbal, assente nos muitos contributos que a Igreja diocesana, através das paróquias, dos secretariados, dos movimentos, dos departamentos, das comissões diocesanas, das comunidades de Vida Consagrada, dos mais variados grupos eclesiais, foram enviando e partilhando com os irmãos.

Durante 79 dias, a Diocese rezou o terço, em vídeo. O clero diocesano contribuiu com a reflexão da liturgia diária, de modo a aproximar as comunidades, impedidas de celebrar, da Palavra de Deus.

Muitas paróquias multiplicaram-se em iniciativas digitais de celebração, oração e encontro à distância, recorrendo às redes sociais e às plataformas de videoconferência. Na Diocese, apostou-se na partilha da transmissão diária da Eucaristia para que, embora à distância, houvesse comunhão.

Algumas iniciativas do "Igreja em Rede"

Celebrar a fé

“Com alegria e emoção”, D. José Ornelas celebrava a Eucaristia na Solenidade de Pentecostes, depois de dois meses e meio em confinamento.

Na homilia, D. José Ornelas destacou o carácter simbólico da reabertura das Igrejas na celebração da Solenidade do Pentecostes, “que conserva e reaviva a memória do início da Igreja, com o dom do Espírito Santo, após a morte e ressurreição de Jesus.”

As Paróquias voltaram a acolher a comunidade com atenção e responsabilidade, cumprindo rigorosas normas de funcionamento. Os espaços de culto foram adaptados para receber os crentes em segurança.

Corpo de Deus e Missa Crismal

Na Solenidade do Corpo de Deus, a habitual procissão pela cidade não aconteceu. O Bispo de Setúbal convocou uma jornada de celebração e adoração ao Santíssimo Sacramento. A Missa Crismal, habitualmente celebrada no início do Tríduo Pascal, foi adiada para o dia da criação canónica da Diocese, 16 de julho, em virtude da situação pandémica que o mundo atravessa e que impossibilitou a normal celebração da Páscoa.

Em 2020, foi difícil manter as tradições religiosas.

Muitos arraiais, procissões e romarias foram canceladas. No entanto, paróquias e comissões de festas fizeram o possível para manter as celebrações religiosas em honra das devoções locais.

Foi o caso das Festas de São Pedro, Nossa Senhora da Atalaia (Montijo), Nossa Senhora do Rosário de Troia, Nossa Senhora da Boa Viagem, Nossa Senhora do Cabo, Nossa Senhora da Soledade, Nossa Senhora do Carmo ou Todos os Santos.

Cinco manifestações de devoção popular da Diocese de Setúbal foram finalistas regionais das 7 Maravilhas da Cultura Popular, tendo sido a "Festa Grande" de Nossa Senhora da Atalaia a vencedora regional.

"Ninguém fica para trás"

A crise socioeconómica provocada pela pandemia de Covid-19 tem atingido muitas famílias que ficaram privadas dos seus rendimentos. Em toda a Igreja de Setúbal, as paróquias e instituições a ela ligadas registaram nos primeiros meses um aumento de 24% do número de pedidos de ajuda, o que se traduz em 17 mil pessoas.

Neste sentido, lançou-se com a Cáritas Diocesana de Setúbal a campanha solidária "Na Partilha não há distancia", cujos fundos angariados (cerca de 11 mil euros) destinam-se ao apoio a situações de necessidade socioeconómica, através dos serviços socio-caritativos paroquiais.

É o caso do apoio fraterno de distribuição de alimentos da Paróquia de São Francisco Xavier, no Monte de Caparica, que procura chegar aos mais necessitados com “alegria e amor”

A ação social da Igreja em tempo de pandemia intensificou-se para dar resposta a todas as solicitações.

É o que tem acontecido na Cáritas Diocesana de Setúbal, que aumentou o número de refeições distribuídas, ajuda no pagamento de contas, procura das respostas a pessoas em situação de sem-abrigo, entre outras respostas sociais para populações vulneráveis.

Em dezembro, tomaram posse os novos corpos sociais da instituição, para um mandato de quatro anos.

As paróquias, em particular os Centros Sociais e Paroquiais, continuaram a realizar a sua missão “com muita coragem”, em plena pandemia.

O Corpo Nacional de Escutas (CNE) de Setúbal doou cerca de 17.500€ em materiais de proteção individual aos três principais hospitais da região, no âmbito da campanha regional "A mim o fizeste".

O ano ficou também marcado pela grave situação dos moradores da "Quinta da Parvoíce", em Setúbal, cujas habitações, precárias, foram alvo de um processo de demolição. Em visita à comunidade, D. José Ornelas chamou a atenção para a necessidade de “encontrar respostas que sejam dignas para toda a gente”.

“Eis-me aqui Senhor: as minhas mãos são e serão sempre Vossas”

Testemunho de Raquel Matias, cristã e enfermeira, a colaborar numa unidade de Covid 19. "No fim de tudo isto, não seremos os mesmos, seremos melhores."

O Bispo de Setúbal celebrou 28º Dia Mundial do Doente nos centros hospitalares da Diocese.

Este ano, a Eutanásia voltou a estar na ordem do dia com a discussão e aprovação, na generalidade, de quatro projetos de lei para a despenalização da morte assistida.

A Igreja Portuguesa, e em particular a Diocese de Setúbal, promoveu um amplo debate sobre o tema, com contributos e reflexões da Conferência Episcopal Portuguesa, da equipa da pastoral da saúde diocesana, da Associação VivaHáVida e do Padre João Luís Ferreira, também ele médico.

Em reflexão sobre o tema, o Bispo de Setúbal considera que a Eutanásia "contradiz redescoberta do valor da vida humana".

D. Manuel Martins

No dia do seu 45.º aniversário de ordenação episcopal, a Diocese de Setúbal e o Município sadino homenagearam o primeiro bispo diocesano, com inauguração de uma estátua no Largo da Sé. Na ocasião, D. José Ornelas evocava "exemplo de fidelidade e de compromisso" com os mais excluídos.

Também o Município de Palmela distinguiu D. Manuel Martins com a Medalha de Honra do Concelho, no grau ouro. Na nota biográfica, a autarquia afirmava-o como uma das "figuras mais vibrantes, acarinhadas e incómodas da região, que adotou e o adotou, sedenta de uma figura paterna e de uma voz que falasse em sua defesa.”

Foi ainda publicada a obra "Testemunho de duas vidas compartilhadas", da autoria de Eugénio Fonseca. Um relato de convivência e amizade ao longo de 42 anos.

"Firmes no serviço"

Foi com estas palavras que D. José Ornelas se dirigiu ao clero no plenário de Setembro, pedindo aos presbíteros e diáconos fidelidade, confiança, comunhão e resiliência no serviço como forma de ajudar as comunidades a ultrapassar a crise.

O Bispo de Setúbal e cinco sacerdotes receberam Medalha de Honra da Cidade de Setúbal, na categoria, “Paz e Liberdade”, pela criação de “pontes de sentido, entendimento e colaboração” entre a Igreja e o município.

A "vivência comunitária do sacerdócio" foi tema da primeira manhã de formação do clero no ano pastoral.

Nomeações

Em julho, como é habitual, D. José Ornelas nomeou vários presbíteros para novas funções "a fim de prover às necessidades pastorais das paróquias e dos serviços diocesanos".

Outras nomeações (pela ordem das fotografias):

Em 2020, a Diocese viu partir para a Casa do Pai o Padre Manuel Vieira, o Diácono António Margalhau e o Padre Manuel Soares. Faleceu também o salesiano leigo António Manuel Pinto, pertencente à comunidade de Setúbal, vítima de Covid-19.

D. José Ornelas lamentou igualmente a morte de D. Anacleto Oliveira, Bispo de Viana do Castelo, na sequência de um acidente de viação.

Setúbal tem um novo presbítero

A 7 de dezembro, véspera da Solenidade da Imaculada Conceição, padroeira em Setúbal sob invocação de Santa Maria da Graça, foi ordenado um novo sacerdote. O Padre Cláudio Rodrigues integra agora o clero diocesano. A celebração foi presidida pelo Bispo de Setúbal na Igreja de Nossa Senhora da Assunção, Paróquia de Almada, com uma participação restrita de convidados em virtude da pandemia.

O sacerdote foi entretanto nomeado Pároco In Solidum de Palmela, com o Padre David Caldas como moderador.

Em junho, o Padre José Manuel Abreu e o Padre José Gusmão celebraram, respetivamente, 25 anos e 50 anos ao serviço dos irmãos. As Bodas Sacerdotais foram assinaladas nas Paróquias de Azeitão e de São Paulo (Setúbal), bem como na Missa Crismal.

Seminário

A 25 de janeiro, Festa da Conversão do Apóstolo São Paulo, padroeiro do Seminário Maior de Almada, foram instituídos no Ministério de Leitor os seminaristas Afonso Pereira, José Cachaço e José Raposo, que se preparam para o ministério presbiteral.

Na abertura do novo ano letivo, D. José Ornelas convidou a comunidade do Seminário a olhar Maria como modelo para o ministério apostólico.

Nos dias 6 e 7 de novembro, aconteceu a habitual vigília de oração Vocare, com a participação dos jovens da Diocese, no decorrer na Semana de Oração pelos Seminários.

A 1 de fevereiro, na Cartuxa de Porta Caeli, em Valência, Espanha, o Padre Carlos Rosmaninho, agora Frei Bruno de Santa Maria da Graça e do Triunfo do seu Coração Imaculado, tomou o hábito cartusiano, dando assim início ao tempo de noviciado.

No domingo 2 de fevereiro, o Bispo de Setúbal presidiu, no Santuário de Cristo Rei, à Eucaristia da Festa da Apresentação do Senhor, no dia dedicado à Vida Consagrada, estando presentes um grande número de religiosos e religiosas.

Em abril, ao longo da Semana de Oração pelas Vocações, fomos partilhando alguns testemunhos de rostos da nossa Diocese, que nos deram a conhecer a sua experiência de vida e de discernimento vocacional.

Juventude

O Departamento da Juventude começou o ano a promover a apresentação do musical "Uma gota no Oceano", inspirado na vida de Santa Teresa de Calcutá, pela companhia de teatro Art&Sal.

Na segunda sexta-feira da Quaresma, dinamizou a Via Sacra Jovem, este ano sob o tema "Partilha-te na Cruz: A Via Sacra de um (Des)conhecido". O momento de oração decorreu na Paróquia de S. Sebastião, com a participação de mais de 500 pessoas. Foi a última grande atividade diocesana antes do confinamento.

Já em período de pandemia, e estando suspensas as visitas pastorais, a Juventude procurou trazer dinamismo às redes sociais, rezando semanalmente a Via Sacra e testemunhando a alegria da Páscoa com a iniciativa “Levanta-te e Partilha a Ressurreição”.

No Dia Diocesano da Juventude, a 5 de julho, os jovens, fizeram-se presentes à distância, celebrando a Eucaristia com as suas comunidades.

Esta é a grande proposta aos jovens e seus animadores. Lançado em 2019, deu bons frutos em 202O, constituindo um itinerário de preparação para a Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023, e um caminho aprofundamento pessoal e espiritual aos jovens.

Os materiais eram disponibilizados online para serem dinamizados nas paróquias. Durante o confinamento, os encontros passaram para as redes sociais.

Em maio, houve um "Get Ready" especial: uma conversa de jovens com Salvador Mendes de Almeida, fundador da Associação Salvador.

O verão foi de oração e reflexão com o podcast preparado pelo Departamento, "Verão com Sentido".

Uma componente importante deste itinerário é a formação e acompanhamento dos animadores. O encontro formativo mais recente decorreu por videoconferência em novembro.

Já no ano pastoral 2020-2021, o #Get Ready incorporou a proposta catequética nacional Rise Up, rumo à JMJ 2023.

A Jornada Mundial da Juventude foi adiada para 2023, mas está a ser preparada a bom ritmo.

Foi divulgado o logótipo oficial da Jornada, bem como a oração oficial. Neste caminho que agora começa, os jovens foram chamados a levar "alegria e esperança" numa autêntica ação missionária nacional.

Na Solenidade de Cristo Rei, uma comitiva portuguesa recebeu os símbolos da JMJ em Roma (a cruz peregrina e o ícone mariano). Na ocasião, D. José Ornelas, dirigiu uma mensagem aos jovens, convidando-os a “levantarem e porem-se a caminho” para preparar a Jornada e vencer “o vírus e a crise”

Educação Cristã

Este ano, catequistas e professores tiveram que "reinventar-se" na sua missão. Um confinamento generalizado forçou a descoberta de novas formas de comunicação e aprendizagem.

Foi o que aconteceu na catequese paroquial de Vale Figueira e em todas outras comunidades, que adotaram modelos de catequese à distância, apoiados pelos novos recursos vídeo, entretanto disponibilizados pelo Secretariado Nacional da Educação Cristã.

No Dia do Catequista deste ano, dizia D. José Ornelas, no Santuário do Cristo Rei, que “os catequistas são pessoas que fazem a diferença numa comunidade.”

O ano de 2020 ficou também marcado pela publicação do novo "Diretório da Catequese", que projeta a contemporaneidade do Evangelho.

O Padre Rui Gouveia, diretor do Secretariado Diocesano de Catequese, fez uma reflexão sobre os catequistas e "os remédios para o tempo presente."

Ensino da Igreja nas Escolas

A 29 de fevereiro, o Lar de Férias da Casa do Gaiato, no Portinho da Arrábida, acolheu, cerca de duas dezenas de docentes de Educação Moral e Religiosa Católica, para um dia de retiro.

Em novembro, no envio dos professores para o novo ano letivo, D. José Ornelas pedia “professores atentos” no serviço às comunidades escolares

Na Semana Nacional da Educação Cristã, os professores Leonor Caracóis e José Teixeira foram convidados a partilha os seus pensamentos sobre o papel da educação cristã.

A pandemia obrigou o Externato Diocesano a suspender as aulas e atividades presenciais.

O colégio aprendeu a ser uma escola diferente: uma escola que se reinventou com o recurso às novas tecnologias mas que sentiu a falta de um contacto próximo, componente fundamental para a formação integral da pessoa.

O ano letivo terminou à distância e recomeçou com presença física. No tempo do Advento, em parceria com as Associações de Estudantes das Faculdade de Medicina, os alunos foram desafiados a escreverem postais para doentes internados nos hospitais.

Arte, Cultura e Património

Em 2020, prosseguiram as Comemorações do IV Centenário da morte de Frei Agostinho da Cruz e os 480 anos do seu nascimento (1540 – 1619).

No início do mês de janeiro, o Cardeal D. José Tolentino Mendonça proferiu uma conferência em Setúbal sobre a vida e obra do poeta franciscano e eremita. Desta reflexão, resultou a publicação do livro "A Atualidade de Frei Agostinho da Cruz".

Entre as iniciativas realizadas pela Comissão para as comemorações, contam-se ainda uma exposição temporária no Museu Oriente e a publicação do poema inédito "Da Gineta e da Cerva".

Outras há a salientar, como por exemplo, o filme-concerto “Nesta Serra do mar largo cercada”, uma produção Synapsis, com o apoio da LASA – Liga dos Amigos de Setúbal e Azeitão e da Câmara Municipal de Setúbal.

A 18 de fevereiro, Dia Diocesano dos Bens Culturais, realizou-se a 6ª Jornada Diocesana de Arte Sacra na Capela do Senhor Jesus do Bonfim de Setúbal. O tema foi "Esplendor da Arte & Espelho da Fé".

Teve início em 2020 o projeto SAND “Sarilhos Grandes entre Dois Mundos”, que consiste num estudo da população ribeirinha de Sarilhos Grandes, no período medieval e moderno (séc XII a XVIII), com escavações arqueológicas na Ermida de Nossa Senhora da Piedade e na Igreja de São Jorge.

Em outubro, o Convento de Jesus reabriu ao público depois de um longo período de requalificação.

D. José Ornelas celebrou no edifício conventual, que agora se quer como “casa do Pai do Céu”, no âmbito do protocolo de utilização da igreja, confiada à Diocese. Nas palavras do bispo diocesano, este espaço recupera “vocação transcendental” ao mesmo tempo que é centro da humanidade e da cultura em Setúbal.

Na Igreja de São Sebastião, em Setúbal foi restaurado o altar de Nossa Senhora do Rosário. Na comunidade de Aires, em Palmela, dedicou-se um novo altar. E na Igreja dos Pastorinhos, no Montijo, já se tocam os sinos.

Novos templos

Na comunidade da Azeda, em Setúbal, D. José Ornelas dedicou nova Igreja ao Imaculado Coração de Maria.

Já na Paróquia de Charneca de Caparica, uma nova casa para a comunidade está em construção. O Bispo de Setúbal esteve presente no lançamento da pedra angular.

A Igreja de Santa Maria (Barreiro) e a Igreja de Nossa Senhora da Boa Hora (Fernão Ferro) assinalaram este ano o 50º aniversário da sua dedicação. A Igreja dos Pastorinhos, no Montijo, celebrou o 5º aniversário.

Igreja sempre em ação

Ainda antes da pandemia, a Paróquia da Sobreda promoveu um encontro intergeracional, no âmbito da Pastoral da Saúde.

Já no confinamento, os serviços pastorais diocesanos, os movimentos, as comunidades de vida consagrada souberam adaptar-se às circunstâncias e transformaram muitas atividades em encontros digitais. Algumas atividades, inevitavelmente, tiveram de ser canceladas.

Família

Muitas foram as iniciativas dirigidas às famílias, que este ano se viram forçosamente em casa. A iniciativa "Plantar em Família" tinha precisamente como objetivo ajudar pais e filhos e viver melhor em confinamento.

A própria Semana Nacional da Educação Cristã foi dedicada à família.

No ano pastoral 2020-21, a Pastoral Familiar de Setúbal um ciclo de encontros formativos, em ambiente digital, com o tema "Família – Lugar de Encontro em Tempos de Pandemia”. A primeira sessão teve a participação de D. José Ornelas.

O Corpo Nacional de Escutas começou o ano a inaugurar a sua nova sede, depois colocada ao serviço dos profissionais de saúde no combate à pandemia. Realizou o XVIII Cenáculo da Região de Setúbal e juntou digitalmente 3500 escuteiros na "grande festa da família escutista", os Jogos da Primavera. Apesar das atividades suspensas, o movimento agiu em responsabilidade e abriu o novo ano com cautela. Em dezembro, entregou a Luz da Paz de Belém às comunidades.

Em movimento

Em fevereiro, o Carnaval foi em grande alegria com a realização do 1398º Convívio Fraterno. Com o confinamento, o Movimento dos Convívios Fraternos começou a caminhar à distância, realizando os seus encontros mensais por videoconferência. Em junho, pela mesma via, realizou o Encontro Diocesano (com missa presencial), assim como o Encontro Nacional. O novo ano começou com um convite ao testemunho: "Parte de Ti" é o tema do ano pastoral.

Já o Movimento dos Cursilhos de Cristandade, realizou o 28º Reencontro em fevereiro. Manteve as suas atividades durante o confinamento por videoconferência e iniciou o novo ano pastoral com recoleção e ultreias vicariais.

O Movimento dos Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC), o Renovamento Carismático Católico (RCC), o Apostolado do Mar e o Movimento da Mensagem de Fátima procuram manter as suas ações, apesar dos condicionalismos da sua pandémica.

Os jovens da Missão País estiveram em evangelização na Paróquia da Moita e iniciaram um novo núcleo no Instituto Politécnico de Setúbal.

Portugal e o mundo

O Magistério de Francisco foi muito rico em 2020. A exortação apostólica “Querida Amazónia”, publicada na sequência do Sínodo, colocou à nossa frente novos caminhos assentes no “diálogo social”, na “espiritualidade inculturada” e na “ecologia integral.”

Foi publicada uma nova carta apostólica sobre a Bíblia e nas catequese semanais o Santo Padre falou sobre a pandemia, a importância do cuidado (acessível a todos) e sobre a oração.

No início de outubro, o Papa deslocou-se a Assis para assinar a sua nova encíclica, "Fratelli tutti", sobre a fraternidade humana e a amizade social.

Para além do Diretório para a Catequese, a Santa Sé também publicou a nova Instrução “A conversão pastoral da comunidade paroquial a serviço da missão evangelizadora da Igreja.”

Padre Cruz

O padre jesuíta natural de Alcochete está um passo mais próximo da beatificação. O Patriarcado de Lisboa concluiu o processo diocesano supletivo da causa de canonização do Padre Cruz. A documentação seguiu para o Vaticano.

A Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) assinalou este ano 25 anos de presença em Portugal. D. José Ornelas manifestou “admiração” e “gratidão” pelo trabalho da instituição.

O cardeal português D. José Tolentino Mendonça presidiu à cerimónia simbólica do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas (10 de junho) que se realizou no Mosteiro dos Jerónimos. Apelou a “uma visão mais inclusiva de todas as gerações.”

D. José Ornelas presidiu às celebrações de 13 de outubro, em Fátima.

No ano em que se assinalou 100 anos da morte de Santa Jacinta Marto, o Bispo de Setúbal pediu a intercessão dos pastorinhos para nos ajudarem a "deixar-nos guiar pela mão da Mãe do Céu e podermos superar as dificuldades presentes."

Convidou-nos a olhar o exemplo de Maria, "mulher, esposa e mãe" que ilumina o nosso modo de estar na Igreja.

Mensagens de fé e esperança

Em abril, dizia D. José Ornelas na sua Mensagem de Páscoa: "Façamos com que a “Páscoa do Coronavírus” não seja apenas a estatística das vítimas e dos desastres económicos que provocou, mas que fique na nossa memória e daqueles que nos hão de suceder, como Páscoa de libertação de antigos ódios, injustiças e opressões, para uma terra de maior justiça, dignidade e esperança responsável para todos, na construção da verdadeira paz."

Em dezembro, quando enfrentamos a segunda vaga da pandemia, D. José escreve na sua Mensagem de Natal: "Se queremos que o projeto/sonho de Deus para o mundo se realize, temos de cuidar dele com o amor e a constância dos pais que acarinham o seu bebé, que Maria e José tomaram Jesus nos seus braços. Sem esse carinho solícito e determinado, a vida não é viável; a paz que os anjos anunciam não chega ao coração dos homens e o mundo não se transforma na “casa comum da humanidade”, que alberga cada um de nós."

A todos, desejamos um abençoado e feliz ano de 2021.

Created By
Comunicação Diocese de Setúbal
Appreciate