Planejamento Empresarial Hirene Heringer - Planejamento Estratégico Empresarial

Apresentação da oficina

Prezado aluno (a),

Nesta oficina você encontrará definições e conceitos do planejamento empresarial com enfoque estratégico nos níveis organizacionais e análise do ambiente. Também foram selecionados vídeo e questões de avaliação do seu aprendizado.

Bom estudo!

O PLANEJAMENTO NAS ORGANIZAÇÕES

Em um contexto como o atual, turbulento e com elevada concorrência é inconcebível administrar uma organização sem um plano de negócio ou um planejamento formalizado. Não obstante, Longenecker, Moore e Petty (1997) afirmam que a quantidade de planejamento praticada pelas pequenas empresas não é o ideal, e o pouco de planejamento que existe é limitado e assistemático. Este pouco caso em relação ao planejamento é devido ao fato da gerência concentrar suas atividades em questões mais urgentes de produção e vendas, por conseguinte, a protelação começa a virar rotina e compromete toda a organização. Longenecker, Moore e Petty (1997) salientam, ainda, que disciplina é essencial para encontrar tempo para planejar e ganhar seus benefícios, pois o planejamento é basicamente um processo mental e requer tempo e privacidade.

Embora a literatura existente apresente vasto leque de explicações sobre a importância de formalizar um planejamento estratégico, existe, no entanto, indícios e relatos de empresas que experimentaram o fracasso devido à falta de um plano de negócio. Almeida e Albuquerque (1999) realizaram uma pesquisa com 50 pequenas empresas brasileiras que encerraram suas atividades após o ano de 1990. Esta pesquisa revelou que a falta de planejamento estratégico pode explicar o fracasso das empresas estudadas, bem como o tratamento inadequado das decisões estratégicas.

De acordo com Aaker (2001), o processo de desenvolver e implementar estratégias vêm sendo aperfeiçoados conforme sua evolução histórica e possuem alguns termos similares, mas com algumas distinções. Em meados de 1900 foram desenvolvidos sistemas de administração orçamentária como uma forma rudimentar de planejamento. A partir de 1950, teve grande receptividade o planejamento de longo prazo desenvolvido por Igor Ansoff, onde se tentava antecipar o crescimento e a complexibilidade administrativa. Nas décadas de 60 e 70, surgiu o termo planejamento estratégico, que se ocupa com ofensivas variáveis e com habilidades estratégicas. A partir de 1980, o planejamento passa por mais uma mudança e tem seu foco na administração estratégica de mercado, onde prevalece a premissa de que o ciclo de planejamento é inadequado para lidar com enorme quantidade de mudança no ambiente externo de uma empresa. A administração estratégica de mercado ou, simplesmente, administração estratégica é baseada na análise externa e interna, desta forma é possível identificar e selecionar as alternativas de estratégias para a organização, conforme Figura 1.

Através da observação visual da Figura 1, pode-se perceber que a administração estratégica de mercado é baseada na análise dos ambientes externos e internos. A análise externa compreende um exame detalhado dos aspectos que envolvem os seguintes tópicos: i) clientes (segmentos, motivações, necessidades, etc.); ii) concorrência (desempenho, forças, fraquezas, etc.); iii) mercado (tamanho, crescimento, lucratividade, barreiras de entradas, tendências, etc.); e, iv) ambiente (tecnológico, governamental, econômico, cultural, demográfico, etc.). A análise interna compreende um exame da performance da empresa como, por exemplo, vendas, satisfação do cliente, qualidade do produto, custo, qualificação dos empregados, estratégias, capacidades organizacionais, restrições financeiras. Após a realização da análise interna e externa, é possível identificar com mais precisão as alternativas estratégicas e optar ou selecionar a estratégia a ser adotada pela empresa, desta forma, pode-se implementar o plano operacional e fazer as revisões estratégicas se for necessário.

Para Levy (1986), o planejamento estratégico, juntamente com a cultura organizacional e a arquitetura organizacional, integra a administração estratégica de uma empresa através da harmonia entre eles. Levy (1986) e Porter (1986) acreditam que o planejamento estratégico é sustentado pela estratégia competitiva e a análise de portfólio. Em contrapartida, a cultura organizacional trata dos valores compartilhados (ideologia) e auxilia o desenvolvimento de direção estratégica, e a arquitetura ocupa-se com a estrutura e os sistemas organizacionais.

De acordo com Las Casas (2001), o planejamento pode ser informal ou formal. O planejamento informal é obtido quando não se usa nenhuma metodologia específica. Por outro lado, o planejamento formal é uma metodologia que requer o domínio de certas técnicas e conceitos específicos, além de possuir a característica de ser escrito. Já Oliveira (1993), classifica o planejamento em 3 níveis bem definidos: i) estratégico; ii) tático; e, iii) operacional. No nível estratégico o planejamento deve considerar a empresa como um todo. Já o planejamento tático envolve as partes de uma empresa como, por exemplo, o planejamento de marketing e o planejamento de produção. Por fim, o planejamento operacional é a subdivisão do plano tático em quantas partes forem necessárias para adequar o processo administrativo da empresa como, por exemplo, o planejamento operacional de produtos e o planejamento operacional de distribuição, ambos fazem partes do planejamento tático de marketing.

Woiler e Mathias (1996) destacam que o planejamento é um processo de tomada de decisões interdependentes que procuram conduzir a empresa para uma situação futura desejada. Os autores afirmam, ainda, que o processo de planejamento começa pela fixação dos objetivos que a empresa espera alcançar, ou seja, os objetivos nortearão o planejamento estratégico. Num segundo momento, quando a administração constata a viabilidade de determinada decisão de investimento (projeto de viabilidade) e parte para sua implementação, tem-se que o planejamento passa de estratégico para tático e o projeto de viabilidade cede seu lugar para o projeto final com a operacionalização da produção, conforme Figura 2.

Para as empresas que buscam crescimento ou desenvolvimento sustentável ao longo do tempo é indispensável o uso do planejamento estratégico. Sob esta ótica, pode-se inferir que o planejamento é de grande importância para a empresa que busca o que o mercado oferece de melhor, ou seja, lucratividade e crescimento. Além disso, o planejamento é uma das poucas ferramentas que o administrador pode utilizar para maximizar sua gestão. De acordo com Oliveira (1999) planejamento é o processo desenvolvido para o alcance de uma situação desejada de modo mais eficiente, eficaz e efetivo, com a melhor concentração de esforços e recursos da empresa, a isto se agrega o conceito de estratégia que, segundo Chandler (1962) é definida como a determinação das metas e objetivos básicos de longo prazo da empresa, a adoção de linhas de ação e a elaboração de recursos necessários para o alcance destas metas.

Estratégia é o caminho mais adequado a ser executado para o alcance dos objetivos e os desafios da empresa. Fornecedores, clientes ou consumidores, órgãos institucionais e concorrentes devem estar sendo monitorados todo o tempo, pois a empresa instintivamente deveria precaver-se de ameaças externas ou internas. Compreender o ambiente é o primeiro grande passo para o planejamento.

Created By
Lucas Campos Moura
Appreciate

Report Abuse

If you feel that this video content violates the Adobe Terms of Use, you may report this content by filling out this quick form.

To report a Copyright Violation, please follow Section 17 in the Terms of Use.