Loading

CuRRícuLO: Que desafios? Ana Paula ferreira

Centro de Formação Moita Barreiro, Barreiro | 11 novembro 2019

Centro de Formação Ordem de Santiago, Setúbal | 13 dezembro 2019

OBJETIVO

Refletir sobre a noção de currículo e gestão curricular e a diversidade de contextos em que as escolas trabalham.

CONTEÚDOS

a) Currículo e programas

b) Alterações organizacionais e curriculares necessárias

c) Diversidade de contextos: a realidade de cada unidade orgânica

d) Diagnóstico das situações

INTERAGIR - PARTICIPAR - COLABORAR - PARTILHAR | REDES DE CONHECIMENTO

Colocar questões | opiniões | dúvidas

Slido | #curriculo

O que é, para si, o currículo?

Atividade 1

CuRRícuLo e ProGraMaS

Conceito marcado pelo percurso histórico, social, cultural e político.

Proveniente do étimo latino currere, que significa caminho, jornada, trajectória, percurso a seguir.

…um projeto, cujo processo de construção e desenvolvimento é interativo, que implica unidade, continuidade e interdependência entre o que se decide ao nível do plano normativo, ou oficial, e ao nível do plano real, ou do processo de ensino-aprendizagem. Mais ainda, o currículo é uma prática pedagógica que resulta na interação e confluência de várias estruturas (políticas, administrativas, económicas, sociais, escolares…) na base das quais existem interesses concretos e responsabilidades partilhadas (Pacheco, 2001, p. 20).

Pacheco, J. A. (2001). Currículo: teoria e práxis. Porto: Porto Editora

Processo que adquire forma e sentido:
  • na organização em que se concretiza;
  • no espaço e no tempo em que se materializa.

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE CURRÍCULO - TEORIAS

3 vagas de reformas

J. Carlos Morgado, 2018

1ª - Centrada nas políticas educativas

  • Anos 80, séc. XX
  • Política centralista e prescritiva
  • Currículo estandardizado

2ª - Descentralização das políticas educativas

  • Anos 90, séc. XX
  • A escola é vista como elemento chave para a melhoria da educação
  • Autonomia - decisões sobre a planificação e desenvolvimento do currículo

3ª Centrada nas aprendizagens dos alunos

  • Meados dos anos 90, séc. XX
  • Centrada na sala de aula
  • Alterando a escola e o desempenho dos professores, espera-se melhorar as aprendizagens dos alunos

Atualmente

Legado deixado pela terceira vaga de reformas, nomeadamente o conhecimento sobre:

  • a organização escolar,
  • o trabalho dos professores,
  • os processos de ensino-aprendizagem.

Contudo, as tendências das políticas educativas e curriculares continuam mais em sintonia com papel do Estado do que com o papel das escolas e dos atores locais.

Fernandes, 2014

TIPOS DE DESENHO CURRICULAR

Currículo centrado nos conteúdos

Abordagem disciplinar - design tradicional

Currículo centrado no aluno

Desenhado em função da vida, necessidades e interesses dos alunos - envolvimento dos alunos

Currículo centrado na sociedade

Envolve os alunos nas necessidades da sociedade e procura analisar criticamente as comunidades locais, nacionais e internacionais

Sowell, E. (2005). Curriculum an integrative introduction. NJ: Pearson.

O CURRÍCULO ATUALMENTE

Visão socialmente contextualizada:

“corpo de aprendizagens socialmente relevantes que à escola cabe garantir, assentes em saberes e suscetíveis de tornar os aprendentes competentes”.

Maria do Céu Roldão, 2011

Desenvolvimento curricular

Nível macro: política centralizada - Contexto político-administrativo

Nível meso:  desenvolvimento local (projectos curriculares que envolvem várias escolas ou até turmas dentro de uma mesmo agrupamento) - Contexto de gestão

Nível micro: desenvolvimento individual (gestão do currículo pelo professor) - Contexto de realização

“O currículo modela os professores, mas é traduzido na prática por eles mesmos. A influência é recíproca”.

Esquema: Gimeno, S. J. (2000). O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: ArtMEd.

Programas

Por programa entende um conjunto de prescrições oficiais, relativamente ao ensino, emanado do poder central. A programação diz respeito à implementação do currículo, ou seja, à aplicação, pelos professores, do seu projecto educativo-didático, num contexto especifico e com um grupo de alunos concreto. Programa e programação são dois aspectos que não se excluem mútuamente. Pelo contrário, complementam-se, fechando o círculo do projeto curricular a desenvolver na aula.

Zabalza , 2000

  • Definem linhas de orientação e métodos de aprendizagem.
  • "São sempre apenas instrumentos do currículo".
  • Devem ser modificados não para que o programa seja cumprido, mas sim para que o currículo seja cumprido.

Roldão, M. C. (1999). Os professores e a gestão do currículo: perspectivas e práticas em análise. Porto: Porto Editora.

Currículo em Portugal

Currículo: centrado no aluno (quem aprende)

Organização curricular: modular

Currículo nacional: competências / metas de aprendizagem / qualificação - perfil dos alunos

Currículo-em-acção: diversidade que é marcada pelos professores e alunos em contextos específicos

AlteraçõeS OrganizacionaiS e CuRRicuLares

Em 20 anos 46% dos empregos vão deixar de existir como os conhecemos (e nada garante que se trabalhará melhor)

Nos próximos 15 a 20 anos o mercado de trabalho como hoje o conhecemos não será igual. Os avanços tecnológicos e, em particular, a automação alterarão por completo 46% dos empregos atuais. Desta percentagem, a maioria (32%) sofrerá alterações profundas, mas não deixará de existir. Só 14% enfrentam, efetivamente, a ameaça da extinção.

Relatório Employment Outlook 2019, Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), Notícia do Expresso, 25.04.2019

Desafios da educação no século XXI

O papel da escola deixou de se centrar na preparação dos alunos para o mercado de trabalho.

Mudança de paradigma - Mudança da cultura de escola

- Relações de colaboração entre os vários atores educativos

- Uso da tecnologia como recurso educativo, potenciador de novas metodologias e formas de organização pedagógica, 

- Olhar atento ao mundo digital que pode ajudar a transformar a escola

INTERAGIR - PARTICIPAR - COLABORAR - PARTILHAR | REDES DE CONHECIMENTO

O que espera da escola o aluno do século XXI?

Atividade 2

DiversidaDe de ContextoS

REALIDADE DE CADA UNIDADE ORGÂNICA
Roldão, M. C.; Almeida, S. (2018). Gestão Curricular – Para a Autonomia das Escolas e dos Professores. Lisboa: DGE.

CONTEXTO

Universo experiencial

- Reconhecimento e valorização da comunidade

- Motivação e envolvimento dos alunos

PERFIL DOS ALUNOS À SAÍDA DA ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

IMPLICAÇÕES PRÁTICAS (p. 24)

  • “organizar o ensino prevendo a experimentação de técnicas, instrumentos e formas de trabalho diversificados, promovendo intencionalmente, na sala de aula ou fora dela, atividades de observação, questionamento da realidade e integração de saberes;
  • organizar e desenvolver atividades cooperativas de aprendizagem, orientadas para a integração e troca de saberes, a tomada de consciência de si, dos outros e do meio e a realização de projetos intra ou extraescolares;
  • organizar o ensino prevendo a utilização crítica de fontes de informação diversas e das tecnologias da informação e comunicação;”

APRENDIZAGENS ESSENCIAIS

Devem expressar uma tríade de elementos (conhecimentos, capacidades e atitudes) ao longo da progressão curricular, explicitando:

  • o que os alunos devem saber (os conteúdos de conhecimento disciplinar estruturado, indispensáveis, articulados concetualmente, relevantes e significativos);
  • os processos cognitivos que devem ativar para adquirir esse conhecimento (operações/ações necessárias para aprender);
  • o saber fazer a ele associado (mostrar que aprendeu), numa dada disciplina - na sua especificidade e na articulação horizontal entre os conhecimentos de várias disciplinas -, num dado ano de escolaridade, integrados no ciclo respetivo e olhados na sua continuidade e articulação vertical.

In: Currículo do ensino básico e secundário. Para a construção de aprendizagens essenciais baseadas no perfil dos alunos

Diagnóstico das situações | iNoVaR

- Inovar para alcançar todos os alunos.

- Flexibilizar o que ensinamos e como ensinamos.

- Mudar: aproveitar as melhores práticas que já utilizamos e abraçar as práticas que refletem uma nova sociedade.

QUE CAMINHO SEGUIR?

Analisar - Experimentar e Avaliar - Difundir e Implementar

OECD - Research & Innovation in education http://gpseducation.oecd.org/revieweducationpolicies/#!node=41773&filter=all

Futuro da educação

3 áreas

- Neurociência

- Digital

- Inteligência Artificial

A. Sampaio da Nóvoa, set.2019

Processo de "metamorfose" da escola (Nóvoa) - (re)construção de um novo ambiente educativo

Flexibilidade - Diversidade - Emoção - Cooperação

Exercício efetivo de autonomia curricular. Os professores são os agentes principais do desenvolvimento curricular e da mudança.

  • Tomar decisões curriculares e pedagógicas.
  • Implementar novas formas de organizar o espaço e o tempo.
  • Ensinar e aprender de forma diferente.
  • Colaborar, partilhar, experimentar, avaliar, melhorar.
  • Envolver "peritos" em determinadas áreas.
  • Procurar respostas "out of the box".

Práticas Pedagógicas

- A organização do ensino prevendo atividades de observação, experimentação e questionamento da realidade de forma integrada;

- A utilização crítica de fontes de informação e o uso preferencial das tecnologias de informação e comunicação;

- A promoção de atividades de intervenção cívica dos alunos, privilegiando a livre iniciativa, a autonomia e a responsabilidade;

- A criação de ambientes estimulantes e potenciadores do desenvolvimento de curiosidade intelectual;

- O desenvolvimento de competências de nível elevado, incidindo em atividades de pesquisa, análise, síntese, avaliação e comunicação.

Despacho nº 5907/2017 (Artigo 18º - Práticas Pedagógicas)

Biblioteca Escolar

  • É um espaço congregador.
  • Vive "fora das paredes" - está onde e quando é necessária.
  • Promove uma cultura de saber na escola.
  • Contribui para o desenvolvimento das diferentes literacias.
  • Mobiliza a correta utilização de recursos tecnológicos que caracterizam a nossa sociedade.
  • Promove a autoformação.
  • Favorece a igualdade de oportunidades no acesso ao conhecimento e ao exercício da cidadania.
BIBLIOTECA ESCOLAR AO SERVIÇO DA APRENDIZAGEM

"As bibliotecas na era digital não são avaliadas tanto pela dimensão da coleção, mas mais pelo efeito que os recursos a que é possível aceder têm nos utilizadores, isto é, no caso das bibliotecas escolares, da dimensão do efeito que têm na melhoria da aprendizagem, o quanto influenciam e apoiam a educação e a preparação para a vida: a qualidade da biblioteca mede-se pelos serviços e conhecimento que fornecem à comunidade de utilizadores."

Chadwell, 2012

The Puzzles Librarians Need to Solve, Lee Rainie (2016)

CURADORIA DIGITAL

"Passamos por um tsunami informacional nos dias atuais". Esse tsunami, no entanto, não é sinónimo de “conhecimento”. A informação é cumulativa, o conhecimento é seletivo. (Mario Sergio Cortella)

CURADOR

“A content curator is someone who continually finds, groups, organizes and shares the best and most relevant content on a specific issue online. The most important component of this job is the word continually.” (Rohit Bhargava)

In: Content curation for learning - The complete guide, de Anders Pink

Inovar com a Biblioteca Escolar

A RBE procura que a Biblioteca Escolar, como espaço agregador de conhecimentos e recursos diversificados, seja na escola, um local implicado na mudança das práticas educativas, no suporte às aprendizagens, no apoio ao currículo, no desenvolvimento da literacia digital, da informação e dos média, na formação de leitores críticos e na construção da cidadania.

  • Apoiar projetos dos Conselhos de Turma e outros projetos da escola.
  • Criar projetos, em articulação com os docentes, que desenvolvam as diferentes literacias (leitura, da informação, dos media).
  • Disponibilizar uma "biblioteca digital" adequada a cada projeto, que os alunos e docentes podem aceder em qualquer local.
  • Formar alunos e docentes.
  • Fomentar e dinamizar parcerias.
  • Contribuir para a criação de uma cultura de escola.
  • Apoiar o professor na sala de aula - a biblioteca está ao serviço da missão da escola
  • ...

“Perante os outros e a diversidade do mundo, a mudança e a incerteza, importa criar condições de equilíbrio entre o conhecimento, a compreensão, a criatividade e o sentido crítico. Trata-se de formar pessoas autónomas e responsáveis e cidadãos ativos. “ (in: Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória)

O trabalho na escola deve organizar-se em torno de centros de interesse. Para tal, seria necessário ter em atenção a construção do próprio programa, tendo em consideração “os interesses espontâneos da criança e as atividades económicas locais” António Sérgio (p. 144, 1916).

Link para a apresentação
Created By
Ana Ferreira
Appreciate

Credits:

Criado com imagens de frank mckenna - "untitled image" • Kelli Tungay - "Back to School" • Taru Huhkio - "untitled image" • Rodion Kutsaev - "untitled image" • David Pennington - "The world’s best pencils. Apparently. In a world inundated with the freshest technology, no one has ever found a reason to improve upon a pencil." • Markus Spiske - "Paintings from my twelve year old nephew. Have a look: www.felixspiske.com" • Daniel Olah - "Golden wave" • John Westrock - "It Was Just a Spark" • Edvin Johansson - "untitled image" • Thought Catalog - "Taking notes with a pencil" • redcharlie - "untitled image" • Alexis Brown - "Students learning together" • Rodion Kutsaev - "untitled image" • Joshua Fuller - "untitled image" • mauro mora - "Crosswalk in long-exposure" • sasint - "students adult asia" • Priscilla Du Preez - "untitled image" • NeONBRAND - "untitled image" • ludi - "students classroom learn" • Pexels - "book college education" • StartupStockPhotos - "student typing keyboard" • Thought Catalog - "untitled image" • fabio - "untitled image" • PublicDomainPictures - "connect connection cooperation" • rawpixel - "brainstorm business colleagues" • Alesia Kazantceva - "BAnQ Vieux-Montréal" • William Iven - "untitled image" • geralt - "binary binary system data"