Releituras contemporâneas Fotógrafos se inspiram em pinturas clássicas da arte para montar exposição

Texto de Marcio Menasce

Na arte contemporânea, nem tudo se cria, mas tudo se transforma. Este é o caminho para o qual aponta a exposição “Releituras Contemporâneas”, que será inaugurada nesta sexta, 17 de março, às 18h, na Pequena Galeria Cândido Mendes, no Centro do Rio de Janeiro. A mostra é uma coletiva de diversos artistas, que partiram de apropriações de obras consagradas da pintura para criar novas imagens, ora mantendo a mesma estrutura da original, ora desconstruindo tudo, para extrair apenas a mensagem da obra.

Para o curador da exposição, o doutor em Artes Visuais pela UFRJ e coordenador do curso de pós-graduação em fotografia e imagem da Universidade Cândido Mendes, Mickele Petruccelli Pucarelli, a fotografia é hoje personagem fundamental da arte contemporânea, com obras alcançando cifras milionárias em leilões internacionais. E parte do que caracteriza esta fotografia atual é a apropriação de toda a arte do passado, para então transformá-la.

- As colagens e releituras são traduções de um momento em que o passado volta a ser estudado e valorizado, e quando feitas com fundamentação, funcionam como reconhecimento da importância dos artistas que abriram caminhos ao longo dos séculos, e do talento dos produtores de arte da atualidade – afirma Pucarelli.

Foto de Gabriel da Silva Melo

Entre os artistas que ganharam releituras na exposição, estão nomes de diversas eras ou movimentos artísticos, como Van Gogh, Caravaggio e Edward Munch. As releituras foram produzidas por 44 artistas, pós-graduandos em fotografia e imagem.

Foto de Pedro Amorim

Além de romper com a ideia de que grandes obras são intocáveis, a exposição também propõe a mudança do conceito de que uma obra em exposição é intocável. A mostra foi completamente montada para que os espectadores possam ver e tocar as imagens. A ideia é fazer com isso amplie as sensações e emoções provocadas pelo estudo da arte do passado, que inspirou os artistas contemporâneos nesta coletânea de fotografias.

- Vivemos em mundo em que inúmeros limites se diluem e o que antes era restrito a um pequeno mundo, hoje se expande. A narrativa mudou, as formas de fazer imagens foram misturadas e as linguagens das ruas invadem as galerias, rompendo mais uma fronteira. Essa exposição leva isso tanto para a forma como as obras são dispostas, e disponíveis para o toque do espectador, quanto para sua própria concepção. Se uma releitura deve limitar-se a composição original, ou se dela devemos absorver a essência e então extrapolar seu sentido, são decisões que ficam por conta do artista e sobretudo para a interpretação do espectador – explica Pucarelli.

Foto de Anna Clara Carvalhal
Fotos de Ana Carvalho e Sandro Furtado
Foto de Luiz Felipe Fontes
Foto de Daniele Fernandes
Fotos de Marcio Menasce e Gleiby Vidal
Fotos de Luiz Baltar e Bea Cazal
Foto de Roberto Marques
Fotos de Lucas Gibson e Lê Fernands
Foto de Catarina Rodrigues

Made with Adobe Slate

Make your words and images move.

Get Slate

Report Abuse

If you feel that this video content violates the Adobe Terms of Use, you may report this content by filling out this quick form.

To report a Copyright Violation, please follow Section 17 in the Terms of Use.