(De) Formação I AbracaDança 2017

“A composição repousa no acaso. Nunca calculo. Vislumbro uma estrutura e espero que alguma coisa aconteça. Não é preciso procurar demais para explicar o mistério. É preferível estar disponível...”

(Heri Cartier Bresson)

O que te move a querer encontrar alguém?

O que quero 'iluminar' ou 'acender' como artista educador neste trabalho?

Quais são as imagens do fogo que atravessam meu corpo?

Antigamente, muito antigamente, as pessoas eram diferentes do que somos hoje. Elas tinham quatro braços, quatro pernas e duas cabeças. Éramos duas pessoas ligadas pela coluna e pelo espírito, que eram um só.

Em um dado momento do mundo um dos deuses foi notando que as pessoas estavam tranquilas demais, tudo o que queriam encontravam na outra metade, as pessoas pararam de querer sair de casa, pararam de querer conversar com outros, pararam de ter vontade de se questionar, sem razão para buscas mais profundas estavam correndo um sério risco de parar de desejar - sem desejo existe Deus?

Então, esse Deus achou isso tudo muito perigoso e resolveu desafiar a humanidade separando os humanos em dois e prendendo-nos em um enorme labirinto, para que as metades afastadas não se encontrassem tão facilmente. Só era dada a chance de sair do labirinto a quem estivesse completo novamente.

As pessoas agora tinham um novo ânimo, era nítido! No labirinto, andavam sempre atentas, buscando algum sinal nas outras que pudesse fazê-las reconhecer quem seria aquela pessoa que lhe completaria a existência.

Olhavam bem de pertinho, tocavam, cheiravam, mediam a altura, colavam as costas, dançavam juntas, beijavam-se, verificavam os umbigos e o tamanho das mãos, mas era muito difícil encontrar algum sinal...

Em meio a elas tinha um cara, chamado Ícaro, que não estava muito interessado em gastar toda sua existência procurando outra pessoa. Ele pensava que, talvez, depois das muralhas do labirinto, pudesse haver coisas magníficas, algo muito maior e belo, talvez até outros seres humanos, outros seres não humanos... o que poderia haver além das paredes do labirinto? E de que forma seria possível ultrapassar as muralhas?

Um dia, olhando para baixo, onde quase ninguém olhava, Ícaro encontrou um par de asas com um aviso: “ASAS DE CERA, CUIDADO COM O SOL”.

Ícaro prontamente vestiu suas asas e partiu para o alto, o mais alto possível, para ultrapassar as muralhas do labirinto.

Quanto mais alto ele ia, mais ele notava que as pessoas estavam enlouquecidas procurando suas metades, tão enlouquecidas que nem percebiam a importância de tomar distância, de olhar de longe. E quanto mais alto ele ia, mais ele vislumbrava as belezas que poderiam haver fora daquele mundo-labirinto em que estávamos confinados. Então ele ia mais alto e mais alto e foi percebendo coisas que ninguém cá de baixo conseguiria notar. E então ele sentiu algo estranho... suas... Mas... como? De suas asas começavam a cair gotas... A cera estava ficando amolecida... E caía nas pessoas...

Conforme a cera da asa de Ícaro ia derretendo e pingando, as pessoas ficavam coladas umas nas outras, às vezes pela cabeça, às vezes pelo braço, às vezes pela barriga, pés, joelhos, bocas, bochechas, orelhas... e iam se formando pares muito doidos... que, sendo ou não sendo alma-gêmea, estavam sendo levadas a ficarem juntos.

O que Ícaro nem imaginava lá do alto é que suas asas acabaram por criar novas possibilidades de uniões, novas possibilidades de estar-viver juntos, novas danças, novas parcerias, e a humanidade... bom... a humanidade eu não sei, mas algumas pessoas se juntaram de maneira tão forte, mas tão forte, que mesmo depois da cera retirada, resolveram vir, alguns sábados de manhã, encontrar as outras várias metades com as quais, por causa das asas desse tal de Ícaro, se juntaram...

E o Ícaro, ousado que era, chegou tão perto do Sol, mas tão perto, que quando percebeu, suas asas já não existiam mais... e ele caiu, caiu, caiu... sendo socorrido pelo Rei dos Oceanos... com quem passou a morar para sempre.

(Escrito por Camila Januário com base nos mitos de Ícaro e a Origem dos Homens)

Created By
Carolini Lucci
Appreciate

Credits:

Created with images by James St. John - "Jaspilite banded iron formation (Soudan Iron-Formation, Neoarchean, ~2.722 Ga; Stuntz Bay Road outcrop, Soudan Underground State Park, Soudan, Minnesota, USA) 38" • James St. John - "Jaspilite banded iron formation (Soudan Iron-Formation, Neoarchean, ~2.722 Ga; Stuntz Bay Road outcrop, Soudan Underground State Park, Soudan, Minnesota, USA) 6" • Johan Hidding - "Deformation 1" • Hitchster - "Banded chert" • NASA Goddard Photo and Video - "A Mixture of Sea Ice"

Made with Adobe Slate

Make your words and images move.

Get Slate

Report Abuse

If you feel that this video content violates the Adobe Terms of Use, you may report this content by filling out this quick form.

To report a Copyright Violation, please follow Section 17 in the Terms of Use.