Loading

Negra Voz Podcast de História Negra do Brasil

Confira os 5 episódios da 1ª temporada - de uma História que não está nos livros: nossa herança africana e os grandes feitos de negras e negros, do passado e do presente. Por Tiago Rogero.

A série especial em podcasts tem formato narrativo - pesquisa histórica e entrevistas entremeadas por intervenções pontuais de locução e trilha.

No 1º episódio, uma entrevista inédita com Dona Ruth de Souza, primeira atriz brasileira indicada a um prêmio internacional de cinema, que nos deixou em 28 de julho de 2019, aos 98 anos. O episódio também conta a história de Rodrigo França, 41 anos, ator, diretor e roteirista que tem lotado salas de teatro pelo país com peças como "Contos Negreiros do Brasil" e "Oboró - Masculinidades Negras". 

No 2º episódio, uma entrevista com Conceição Evaristo, a escritora homenageada do Prêmio Jabuti deste ano, e a história da maranhense Maria Firmina dos Reis (1822-1917), primeira mulher a publicar um romance abolicionista na América Latina e a primeira autora negra a publicar um livro em todos os países de língua portuguesa.

No 3º episódio, a história da primeira mulher a se tornar chef de cozinha profissional no Brasil: Benê Ricardo (1944-2018). Órfã aos 12 anos, virou empregada doméstica na casa de uma família que a "pegou para criar". Enfrentou o racismo e o machismo e construiu uma carreira premiada — mas pouco conhecida pelo grande público. O episódio também traz uma entrevista com a chef Dandara Batista, dona do Afro Gourmet, restaurante especializado em culinária dos países africanos.

A história do rapper Sabotage (1973-2003): nascido na Favela do Canão, em São Paulo, em vida pôde lançar um só disco — que revolucionou o rap nacional. Compôs trilha de cinema, atuou em dois filmes e foi premiado, tudo num intervalo de apenas dois anos. O episódio também traz uma entrevista com a poeta, MC e grafiteira Andrea Bak, da Praça Onze, no Centro do Rio.

No último episódio da 1ª temporada, quatro histórias: Mercedes Baptista (1921-2014), a 1ª bailarina negra a integrar o Corpo de Baile do Municipal, em 1948, e uma das criadoras da identidade da dança afrobrasileira; Bethania Gomes, a 1ª bailarina negra brasileira a chegar ao posto mais alto numa companhia de balé clássico, o de primeira-bailarina; Ingrid Silva, primeira-bailarina do Dance Theatre of Harlem, em Nova York; e Consuelo Rios (1923-2010), uma das maiores professoras de balé clássico do Brasil e que, se não fosse o racismo, poderia ter se tornado a primeira bailarina negra do Municipal em 1946. ⁣

Created By
Tiago Rogero
Appreciate