Do Carandaí ao Caparaó expedição científica nas serras de Minas Gerais

Pesquisadores do departamento de pesquisa do Jardim Botânico do Rio de Janeiro - DIPEQ têm uma missão: ir à procura de espécimes de Anthurium, da família Araceae. A partida foi do bairro Jardim Botânico em direção à cidade de Carandaí, Minas Gerais, no Campo das Vertentes, parte da Serra da Mantiqueira, onde fica o município a 1057 metros acima do nível do mar. A outra tarefa é seguir para o Parque Nacional do Caparaó, no Alto Caparaó, localizado entre Minas Gerais e Espírito Santo, próximo ao Pico da Bandeira (terceiro mais alto do Brasil) e na divisa que separa os dois Estados.

Carandaí - MG
Vale Encantado - Alto Caparaó - MG

A equipe é formada pelo Dr. Marcus Nadruz, pesquisador do Jardim Botânico do Rio de Janeiro; a Dra. Livia Temponi e a aluna de mestrado Mel Castro, da Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Cascavel - UNIOESTE e Raul Ribeiro, também do JBRJ.

Um expedição de campo para coleta de plantas começa nos arquivos do herbário. Para quem não conhece, herbário é uma coleção científica de plantas secas (exsicatas), organizadas e preservadas segundo um sistema determinado. Os herbários têm fundamental importância como material de pesquisa para todas as áreas da ciência que utilizam os vegetais em seus estudos.

Pesquisadoras vasculhando os arquivos no Herbário do Jardim Botânico.

Ainda no herbário, começa uma avaliação dos espécimes arquivados com dados do sistema JABOT. Estão ali informações como nome o correto da espécie, família, hábitos, habitat , coletores, referências geográficas entre outras que serão utilizadas na expedição.

Pesquisa no sistema Jabot do JBRJ

Numa expedição de coleta é necessário levar equipamentos para o transporte das plantas: prensas de madeira, folhas de papelão, jornais e cordas são utilizados para embalar as plantas e manter sua integridade.

Em Carandaí, a jornada começa na trilha do Bugio. O caminho leva o nome dos primatas que vivem em suas matas. O som que eles emitem e que se ouve ao longe é belo e assustador. Até chegar a entrada da trilha, o caminho passa por uma chácara e um hotel fazenda, que são os proprietários das terras desta reserva particular onde será feita a coleta.

(Se você der um clic nas fotos elas aumentam de tamanho)

O trajeto entre a chácara e a entrada da mata
Equipe na entrada da Trilha do Bugio

Os pesquisadores estão à procura dos espécimes encontrados secos no herbário e que estão na natureza. Equipamentos de trabalho e segurança checados, partem para a exploração da trilha.

Cuidados com a segurança
Preparo dos equipamentos
Trilha do Bugio

O encontro e a coleta das primeiras espécimes

Anthurium (ou antúrio)

GPS para marcar o local da coleta

Ainda na mata é necessário preparar o material coletado para transporte e preservação.

Corte, etiquetagem e embalagem

Outras plantas são encontradas, registradas e coletadas pela equipe.

Registro fotográfico

O aprendizado e a troca de conhecimento são constantes numa expedição de campo.

A equipe segue para mais coletas. Os pesquisadores recebem encomendas para cultivo no Jardim Botânico.

O resultado da coleta são outras espécies no período de florada.

Hora de voltar, preparar e embalar os espécimes coletados.

Catalogação, embalagem e prensagem
sala de aula

Missão cumprida no Carandaí a equipe segue para o Parque Nacional do Caparaó . Serão mais seis horas de viagem. Antes uma paradinha para o almoço e um agradecimento ao casal Tobias e Therezinha que ofereceram a hospedagem e alimentação.

A equipe com os anfitriões Tobias e Therezinha

Parque Nacional do Caparaó

Sede do Parque Nacional

Segundo a página do ICMBIO na internet, o Parque Nacional do Caparaó está localizado na Serra do Caparaó, divisa dos estados de Minas Gerais e Espírito Santo, e é um dos destinos mais procurados pelos adeptos do montanhismo no Brasil". Abriga o terceiro ponto mais alto do País, o Pico da Bandeira, com 2.892 metros de altitude.

A equipe entra no parque pela manhã bem cedo e em menos de 100 metros já encontram espécimes de antúrio para serem coletados.

Imediatamente o material coletado já entra em processo de análise e preparo para transporte.

Preparo para embalagem

A Dra. Lívia Temponi explica um dos procedimentos de análise da planta coletada

Espécimes que vão para o herbário do Jardim Botânico do Rio.

A equipe reúne o material coletado e entra para o Vale Verde, dentro do Parque Nacional do Caparaó

Entrada do Vale Verde

Encontro com mais espécimes que são coletados num esforço conjunto de equipe

Um trabalho em grupo com resultado

Fim do trabalho no Vale Verde, começa o deslocamento para o Tronqueira e o Vale Encantado que ficam próximos ao topo da montanha no Alto Caparaó.

Saída do Vale Verde

Esta será a parte mais elevada que a expedição alcançará: 2025 metros de altitude para encontrar o Anthurium mourae (antúrio miúdo) coletado pela última vez há 15 anos pelos pesquisadores M. Nadruz , D. Costa e L. Leoni.

Porque será que chamam este lugar de Vale Encantado?

A equipe sai atrás do antúrio pelo Vale Encantado, no Alto Caparaó.

Equipe à procura do antúrio

Não foi localizada a amostra da tal espécie e para não perder a viagem, os pesquisadores aproveitam e coletam mais encomendas.

Encomendas para o herbário do JBRJ

Um registro da fauna no Vale Encantado e os últimos preparos para a volta ao Rio de Janeiro.

Equipe:

Dr Marcus Nadruz

Dra Lívia Leoni

Mel Castro

Raul Ribeiro

Marcus, Mel, Lívia e Raul
Created By
Raul Ribeiro
Appreciate

Credits:

Raul Ribeiro

Made with Adobe Slate

Make your words and images move.

Get Slate

Report Abuse

If you feel that this video content violates the Adobe Terms of Use, you may report this content by filling out this quick form.

To report a Copyright Violation, please follow Section 17 in the Terms of Use.