O perfil do gamer mobile no Brasil Estudo mostra comportamento de consumo do brasileiro

Um estudo realizado pela Sioux em conjunto com a Blend New Research e o núcleo GameLab da ESPM São Paulo, traçou o perfil do consumidor de games no Brasil. A Pesquisa Game Brasil 2016 contou com a participação de 2.848 pessoas entrevistadas em 26 Estados e mostra o cenário atual desse mercado com a abordagem dos hábitos de consumo nas principais plataformas de jogos: mobile (smartphones e tablets), consoles (mesa e portáteis) e computadores.

O perfil gamer nacional é considerado multiplataforma - 70,8% jogam em mais de um dispositivo. O smartphone continua o mais popular (77,2%), seguido de computadores (66,9%) e consoles (45,7%). Grande parcela dos entrevistados se considerá casual e apenas buscam os jogos como uma forma de entretenimento. O dispositivo preferido para jogar é o smartphone, escolhido por 34,4% dos jogadores, seguido do computador (30,1%) e consoles (29,9%). A categoria preferida foi estratégia (54,7%), seguida de aventura (49,0%) e ação (42,3%). Fato interessante é que jogos de Estratégia estão entre os preferidos de ambos os sexos.

Jogos mais baixados e comprados na plataforma Android.
"Eu comecei jogando o Nintendo 64 e me apeguei às séries Zelda e continuei comprando os consoles da Nintendo até hoje em dia. Minha família viaja muito então é muito tranquilo para mim conseguir comprar consoles novos, no momento eu tenho todos da última geração, estou juntando grana para comprar o novo Switch. Também costumo jogar no PC, prefiro jogos de tiro no mouse e teclado do que no controle, só abro mão se for um exclusivo da plataforma." afirma Felipe Zarattini, estudante de Engenharia da Computação na PUC-Rio.

A Samsung lidera com 32,2% a preferência por marcas no segmento de smartphones, a Sony (Playstation) está na frente, com 52,9% nos consoles e o jogo mais popular entre os entrevistados de foi FIFA da Eletronic Arts.

Há diversos locais onde o consumidor joga. Com a mobilidade dos smartphones, 87,6% dos entrevistados afirmam jogarem quando estão em deslocamento / trânsito (ônibus, metrô ou carro).

"Eu levo em torno de 2 horas entre sair de casa e chegar na faculdade todo dia, eu aproveito esse tempo para me distrair jogando alguma coisa no celular, geralmente jogos bobinhos, porque eu não consigo ler dentro do ônibus e nem do metrô. O último game que joguei foi o Final Fantasy: Brave Exvius." disse Layla Oliveira, 23 anos, estudante de Cinema na UFJF.

No trabalho, a relação dos games também se manteve coerente com a edição anterior: 74,5% das pessoas jogam durante o horário de trabalho.

O último "boom" dos games da plataforma mobile foi Pokémon GO, que aliava realidade virtual, com localização GPS e a temática dos monstros virtuais para criar uma experiência mais profunda. O game já era um sucesso antes mesmo do seu lançamento, seus servidores de teste estavam completamente lotados e o acesso era extremamente difícil. Abaixo podemos ver vídeos feitos em diferentes locais do mundo onde Pokémons raros foram encontrados e centenas de pessoas de diferentes idades foram tentar capturar os monstrinhos.

Venossaur - Central Park, Nova Iorque - EUA

Snorlax - Taipei, Taiwan.

Nesta imagem podemos ver os pontos de interesse dentro do jogo, onde os usuários podem usar itens para gerar alguma ação dentro do jogo.

Centro da Cidade - Rio de Janeiro/RJ.

Dos entrevistados, 71,9% afirmaram ter o costume de baixar algum jogo em seu celular. Baixar apenas jogos gratuitos continua sendo o comportamento da maioria dos jogadores (78,2%). A justificativa são as possibilidades gratuitas com o mesmo propósito (50,7%), seguida do medo de comprar e não gostar (48,2%). Apenas 16,5% afirmam não se sentirem incomodados com as propagandas dos jogos gratuitos. Dos que já compraram jogos, o cartão de crédito é o método de pagamento mais usado (70,2%), seguido do PayPal (38,2%).

"Eu já cheguei a comprar conteúdo dentro dos jogos mas ainda não me senti tentado a comprar um jogo completo, geralmente baixo os free e jogo até cansar. Quando o Super Mario Run foi lançado na Play Store (android) eu pensei em comprar, mas o preço assusta." afirma Raphael Correa, 25 anos formado em Mídias Digitais na PUC-Rio.

Os amigos (45,1%) e as redes sociais (41,2%) são as maiores influência para se baixar um game novo. Um total de 68,2% aceitam baixar jogos gratuitos mesmo que tenham anúncios publicitários, mas afirmam atrapalhar a jogabilidade ou desempenho (64,9%). Nos tablets a tendência é a mesma, 81,5% têm o costume de baixar jogos e o fazem toda semana (33,1%).

Jogos mobile recomendados pelo Facebook na aba Games.
Created By
João Victor Brito Moreira
Appreciate

Report Abuse

If you feel that this video content violates the Adobe Terms of Use, you may report this content by filling out this quick form.

To report a Copyright Violation, please follow Section 17 in the Terms of Use.