Loading
" A porcelana chinesa de exportação, com as decorações conhecidas por «Folha de Tabaco» e «Pseudo-Folha de Tabaco», é caracterizada pelo seu exotismo e associada a exuberância e luxo."
Retrato do Imperador Qianlong

Durante o próspero reinado de Qianlong (1736-1795) a porcelana Chinesa adquiriu uma grande perfeição técnica e um marcado gosto pela cor. A porcelana Chinesa de exportação, com as decorações conhecidas por «Folha de Tabaco» e «Pseudo-Folha de Tabaco», é caracterizada pelo seu exotismo e associada a exuberância e luxo. A origem destas decorações remonta a 1765 tendo sido utilizadas até 1820(s).

Estes objectos são produtos da História comercial entre a Civilização Oriental e a Ocidental. Eram produzidos na China e, na sua maioria, exportados através do porto de Macau para a Europa, sobretudo para Portugal e para a colónia do Brasil que se tornou independente em 1822. Não se sabe ao certo se a criação destes padrões decorativos é resultante de uma inspiração espontânea ou se foram encomendados por europeus. No entanto, alguns especialistas acreditam que derivam dos desenhos de padrões florais dos têxteis da Índia que à época estavam na moda na Europa.

As muitas imitações europeias destas decorações são um reflexo do quanto eram estimadas, sendo, quase sempre, apenas utilizadas em porcelana de serviços de mesa e raramente produzidas em outras peças, tais como potes e vasos; há no entanto uma diversidade na forma das peças, nomeadamente em formato de folha. Em Portugal a “Fábrica da Vista Alegre” desenvolveu dois padrões decorativos descendentes da «Folha de Tabaco» e da «Pseudo-Folha de Tabaco».

"As muitas imitações europeias destas decorações são um reflexo do quanto eram estimadas (...)"

O termo «Folha de Tabaco», popularizado por W. G. Gulland em 1898, aplica-se aos padrões decorativos de porcelana Chinesa de exportação que utilizam, em simultâneo ou parcialmente, os seguintes elementos: as ditas “folhas de tabaco” (que num sentido naturalista mais se assemelham ao desenho de folhas de chá e de couve Chinesa), a flor principal que evoca a flor Hibiscus, podendo ser acompanhada por outras flores, romãs, frutos, animais ou figuras Chinesas estilizadas e paisagens. A decoração «Pseudo-Folha de Tabaco» contém os elementos decorativos acima referidos, mas inclui rosetas (estilizadas a partir das romãs) e formas anelares.

Lote 124 - Terrina oitavada com travessa

Em ambas as decorações encontramos diversos padrões e variações, tendo já sido identificados cerca de 38 padrões e 21 variações. Há uma originalidade nestas decorações que se deve à liberdade da composição e à descentralização assimétrica dos elementos. Esta liberdade é moderada por um desejo de equilíbrio da composição em que a densidade das cores vibrantes contrasta com a superfície branca.

"Em ambas as decorações encontramos diversos padrões e variações, tendo já sido identificados cerca de 38 padrões e 21 variações."
Lote 123 - Tarvessa oval recortada

O padrão desta Travessa Oval Recortada é um dos mais populares da decoração «Folha de Tabaco», acreditando-se que tenha sido utilizado em grandes serviços. O eixo vertical, a partir do qual se desenvolve a composição assimétrica, é indicado pela principal flor deste padrão – a Hibiscus, em rosa degradé, sobre folhas de tabaco em tons claros. Dois faisões fixam-se mutuamente. Enaltecidos pela superfície branca, a sua cor de um vermelho vibrante contrasta com o azul forte das duas principais folhas de tabaco (o faisão, através do seu grito, é o símbolo do trovão que anuncia as chuvas da Primavera. É também o símbolo imperial de autoridade, bordado nos trajes de cerimónia das imperatrizes). Entre uma profusão de flores e ramos de árvore, dois roedores (possivelmente esquilos ou arganazes) agarram pequenos frutos. A utilização pontual do ouro, que tanto agradou a Portugal e ao Brasil, enobrece a paleta cromática.

Noutros padrões destas decorações são representadas outras aves - patos e Fénix. A Fénix assemelha-se ao desenho do faisão; distingue-se por um desenho mais estilizado, um pescoço e cauda longos, olhos de uma expressão humanizada, detalhe nas penas e uma maior riqueza de cor.

Lote 121 - Par de pratos do doce fundos oitavados
Lote 120 - Par de pratos de doce fundos oitavados

Texto de: Luísa de Castro e Almeida

  1. vd. DEBOMY, Pierre L. - "Tobacco Leaf and Pseudo/Feuille de Tabac et Pseudo. A Tentative Inventory/Tentative d'Inventaire". Sèvres: Société des Amis du Musée National de Céramique, 2013, pp. I-III, 18, 20-22, 24- 28, 30-50, 102, 104-105, 164-166.