SER MÃE NA TURQUIA DEPOIS DO GOLPE FALHADO DE 15.07.2016

Após a tentativa de golpe de 15 de julho, a Turquia transformou-se num centro de pessoas vitimadas pela purga realizada pelo governo turco. O partido no poder na Turquia e o presidente Recep Tayyip Erdogan acusam o movimento Gulen de planear a tentativa de golpe de Estado e lançaram uma purga generalizada destinada a limpar simpatizantes do movimento dentro das instituições do Estado, desumanizando figuras populares e detendo-as...
Milhares de mulheres na Turquia, muitas delas com crianças pequenas, foram detidas numa repressão sem precedentes e submetidas a torturas e maus-tratos em centros de detenção e prisões, como parte da campanha sistemática de intimidação e perseguição de críticos e opositores do governo...
Mais de 17.000 mulheres foram detidas, em vários casos, no hospital imediatamente após o parto do seu bebé e antes de terem uma oportunidade para recuperar. Muitas mulheres foram presas enquanto visitavam os seus maridos encarcerados...
Milhares de mulheres sofrem sob prisão de falsas acusações, inexistência de acesso aos seus direitos, aos cuidados de saúde, restrições de direitos de visita ...
Mais de 500 bebés encontram-se nas prisões em péssimas condições, escassez alimentar e falta da amor de mãe e do pai...

Ayse Büyükgezirici, uma enfermeira, é outra vítima da perseguição de Erdogan na Turquia. Enquanto estava grávida, um procurador público na província turca do noroeste de Kocaeli ordenou a sua detenção como parte de uma acusação. O tribunal liberou o seu julgamento pendente sob supervisão judicial que exigia que ela assinasse na esquadra de polícia três dias por semana. Sob coação e pressão, Büyükgezirici deu à luz ao seu bebé prematuramente. Os médicos necessitavam monitorizar o menino, chamado Yavuz Selim, constantemente, e trataram-no para anemia com injeções semanais regulares. Enquanto a mãe e o bebé estavam a ser tratados, outro procurador, desta vez da província de Tekirdag, iniciou uma investigação sobre ela com acusações semelhantes e garantiu um mandado de detenção para a mesma no dia 15 de fevereiro de 2017. O seu advogado contestou a decisão, dizendo que um caso semelhante sobre as mesmas acusações já estava em andamento e apresentou o relatório do médico que dizia que a saúde dela e a do bebé exigia que Büyükgezirici permanecesse em Balikesir, na sua cidade natal. No entanto, o procurador Sedat Tas insistiu na sua detenção de qualquer maneira e ela foi posta sob custódia policial junto com o bebé por dois dias. Mais tarde ela e o bebé foram transportados num veículo blindado de Balikesir para Tekirdag, uma viagem de quatro horas. Büyükgezirici também foi separada dos seus outros dois filhos, de 9 e 13 anos. Não há informações sobre o estado atual dos dois.

No dia 3 de novembro de 2016, Özlem Meci, uma professora, foi presa numa província de lzmir por supostas ligações ao terrorismo e ao golpe. Ela estava grávida de seis meses no momento da prisão. As suas petições de libertação com base na gravidez foram rejeitadas. Meci deu à luz a um bebé no dia 15 de fevereiro de 2017 no Hospital de Aliaga enquanto ela ainda estava em prisão preventiva na prisão fechada das mulheres de lzmir Aliaga. Imediatamente após o parto, o seu bebé foi-lhe retirado sem o seu consentimento e enviado para um hospital na cidade de Menemen, a cerca de 36 km de Aliaga. Até lhe foi roubado o seu direito materno de abraçar o seu bebé recém-nascido. A sua família não foi notificada sobre o parto até o dia seguinte. Nenhuma explicação foi fornecida a Meci ou a sua família.

Num outro caso, a polícia chegou a deter o jornalista Bülent Korucu, editor-chefe do jornal nacional "Yarina Bakis", que foi fechado pelo governo em julho, mas quando não o encontraram, detiveram a sua esposa Hacer no dia 30 de julho de 2016, apenas duas semanas após o golpe fracassado. A mensagem que a polícia estava a enviar era que ela seria mantida como refém até que o seu marido se rendesse. Hacer, uma mãe de cinco filhos que não tinha nada a ver com o jornalismo, além de ser uma ávida leitora do diário, foi formalmente presa no dia 9 de agosto de 2016. Ela esta presa sem condenação desde então. A polícia foi para a casa de Korucu várias vezes depois, chegando a ameaçar os seus filhos com prisão também. A Comissão Europeia apelou à Turquia para que respeite os direitos humanos em resposta à detenção da esposa do jornalista Bülent Korucu.

Nejla Akdag e o seu marido estavam a trabalhar como professores numa escola pública na província noroeste de Edirne até que o governo lançou uma purga violenta contra os membros do movimento de Gülen com base em acusações inventadas. Nejla foi detida no dia 30 de agosto de 2016, mas foi libertada depois para cuidar da sua mãe doente de 86 anos, Fahriye Asrak, que tinha problemas cardíacos e estava paralisada e acamada. O pai de 83 anos de Nejla também sofre de problemas cardíacos crônicos e tem alto nível de açúcar no sangue. O marido de Nejla saiu de casa para procurar um emprego, mas nunca mais tiveram notícias dele depois de a polícia ter revistado a sua casa a 30 de agosto de 2016.

Akdag foi detida novamente no dia 27 de janeiro de 2017, quando a polícia invadiu a casa onde morava com os seus três filhos e os seus pais idosos. Ela mostrou os relatórios médicos da sua mãe à polícia e disse que tinha uma mãe doente e três filhos para cuidar. A polícia disse que ela só sera libertada quando o seu marido se render. Akdag foi formalmente presa durante três dias depois e enviada para prisão preventiva após três dias de prisão. A sua mãe morreu apenas 10 dias depois de a sua filha ter sido colocada na prisão. As duas crianças de Akdag recusam-se a ir à escola após o trauma das investidas policiais na sua casa e a ausência de ambos os pais.

O abuso contra mulheres e crianças vai desde abuso sexual a tortura física e maus-tratos. As mulheres grávidas, idosas e doentes, ou mulheres com bebés foram impedidas de ter acesso efectivo aos cuidados de saúde, os seus direitos de visitação foram ignorados e foram intimidados com a perseguição de outros membros da família, incluindo os seus filhos. Este tratamento desumano deixa uma marca em muitas mulheres e crianças e, em alguns casos, pode refletir-se no seu bem estar e saúde.

A comunidade internacional deve ser mobilizada para levantar as suas vozes contra a Turquia e o presidente Erdogan devem ser responsabilizados e envergonhados por esta perseguição sem precedentes dos críticos e opositores. É de importância vital que as organizações intergovernamentais, bem como as organizações não-governamentais, observem, identifiquem, investigem e relatem essas violações massivas de direitos humanos na Turquia e responsabilizem aqueles que agem com impunidade.

https://testemundos.wordpress.com

Report Abuse

If you feel that this video content violates the Adobe Terms of Use, you may report this content by filling out this quick form.

To report a Copyright Violation, please follow Section 17 in the Terms of Use.