Loading

Se fosse possível resumir o ano de 2019 para o Instituto Federal de São Paulo em uma palavra, ela seria "superação". Foram muitas as dificuldades enfrentadas por todas as instituições federais de ensino do país, principalmente devido ao contingenciamento de recursos e aos cortes no orçamento. Mas, mesmo com todos os percalços, o IFSP inicia 2020 com muito a compartilhar.

Apesar das dificuldades financeiras, o IFSP conseguiu realizar importantes obras e ações. Isso foi possível graças a um esforço conjunto dos gestores, que refizeram o planejamento e buscaram novos recursos, por meio, por exemplo, de emendas parlamentares; assim, garantiram que as atividades pudessem ter continuidade e que os quase 50 mil alunos matriculados nos 36 câmpus da Instituição não fossem prejudicados.

Com o anúncio do contingenciamento de recursos, que bloqueou mais de R$ 35 milhões do IFSP, a reitoria precisou cancelar os congressos anuais de Ensino (Conept) e Extensão (Conemac). Por outro lado, a gestão se empenhou em manter todas as bolsas de ensino, pesquisa e extensão ofertadas aos discentes. Diante desse cenário, para garantir a execução de obras em andamento, a exemplo da construção do novo Câmpus de São José do Rio Preto, orçada em aproximadamente R$ 4 milhões, a gestão precisou negociar recursos extra orçamentários junto à Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) do Ministério da Educação. Esses recursos foram obtidos por meio de Termo de Execução Descentralizada e resultaram em investimentos superiores a R$ 8 milhões.

Investimento na formação integral

Mesmo com orçamento apertado, no ano passado o IFSP investiu cerca de R$ 14 milhões em obras que já foram finalizadas e entregues, a exemplo de blocos de sala de aula, quadras poliesportivas, bibliotecas e refeitórios. Também foram investidos cerca de R$ 5 milhões na compra de equipamentos para salas de aulas e laboratórios. Por meio de processos de licitação realizados em 2019, há previsão de um investimento superior a R$ 26 milhões, para reforma e ampliação de diversos câmpus. De acordo com a pró-reitoria de Administração, a maior parte dessas obras tem previsão de início para fevereiro de 2020.

Biblioteca do Câmpus São Paulo, reinaugurada em setembro de 2019. Acervo IFSP.

Por trás de qualquer obra realizada no IFSP, o objetivo é sempre contribuir para oferecer uma formação cada vez melhor aos estudantes, visto que não se aprende apenas na sala de aula. Espaços que proporcionam lazer, bem-estar e integração também são parte importante do processo. José Paulo Junior Alves da Silva é aluno do curso Técnico em Mecatrônica integrado ao ensino médio, do Câmpus Guarulhos: em 2019 a unidade do IFSP em que ele estuda recebeu um novo refeitório, e em 2020 deve ganhar uma biblioteca. Paulo acredita que a infraestrutura da escola contribui e muito para a formação dos alunos.

“Acho incrível estudar em uma instituição com um ótimo corpo docente e com infraestrutura que fornece todo o auxílio possível ao estudante”.

Para o estudante, o modelo educacional do IF é único na rede pública. Vindo de uma escola estadual, ele garante que existe uma grande diferença.

“Creio que as instalações ajudam na formação dos alunos, pois estudando em período integral o aluno depende ainda mais do uso da infraestrutura da escola, e os espaços funcionam como extensão da sala de aula [...] Acho que a formação no IFSP é completa, e em 2020 espero ingressar em algum curso superior do Instituto”.

Além de manter o investimento em infraestrutura, o IFSP tem desenvolvido novas políticas e investido em processos que possam trazer ainda mais excelência a ensino, pesquisa, inovação e extensão. Em maio de 2019, o IFSP aprovou o seu Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI 2019 - 2023). O PDI é um documento que define a missão da Instituição e as estratégias para atingir as metas e os objetivos, abrangendo um período de cinco anos. Faz parte do PDI a elaboração do Projeto Político Pedagógico e da sua Organização Didático-Pedagógica.

O documento contou com um total de 14.934 contribuições de pessoas que participaram de sua elaboração, por meio de fóruns de desenvolvimento institucionais, audiências públicas, videoconferências, enquetes online, capacitações, seminários, conferência e reuniões de trabalho. Ao falar sobre a aprovação do PDI pelo Conselho Superior, o reitor, Eduardo Modena, destacou que o Plano oferece a possibilidade de o Instituto ter um planejamento e de construir indicadores que permitam o acompanhamento e a avaliação dos desafios institucionais propostos, possibilitando planejar continuamente as ações do IFSP.

Ensino forte e humano

No tocante às políticas de ensino, o IFSP, no último ano, avançou consideravelmente na construção dos Currículos de Referência , que têm por finalidade o fortalecimento da identidade dos cursos da educação básica e superior. Os procedimentos para a construção dos CR começaram a ser discutidos em 2018, e devem ser concluídos até junho de 2020.

O ano de 2019 foi de reafirmação da qualidade do ensino ofertado pelo IFSP. O Ministério da Educação avaliou 11 cursos superiores do Instituto no ano passado, todos com conceitos de excelência. No Exame Nacional de Avaliação dos Estudantes (Enade), os cursos avaliados obtiveram excelentes resultados. Outro importante indicador é a procura pelos cursos técnicos ofertados pelo Instituto, que tem aumentado ano após ano. Desde 2017 o processo seletivo é feito por meio de análise do histórico escolar, sem prova e sem pagamento de taxa de inscrição. Na seleção para ingresso em 2020, 36.899 candidatos se inscreveram para 5.962 vagas.

Fotos: Funap

No ano passado, o IFSP concluiu o projeto-piloto de implementação e execução da oferta de cursos a distância no sistema prisional sem conexão à internet, que atendeu ao Centro de Ressocialização em Atibaia-SP, promovendo a oferta de cursos preparatórios de ambientação em EaD, produção textual e leitura e literatura, visando preparar os reeducandos para a qualificação. Ainda na Educação a Distância, o Instituto sediou o V PromovEaD, em parceria com a Unirede. O evento reuniu gestores de EaD e profissionais de comunicação das instituições públicas de ensino superior. Também em 2019, a Diretoria de Educação a Distância e o Núcleo Descentralizado de Gestão de Pessoas organizaram um livro digital sobre a Lei 8.112/90, lançado pela EDIFSP.

Outra novidade no ensino do IFSP em 2019 foi o Programa de Formação de Educadores (Profe). Desenvolvido pela pró-reitoria de Ensino, o Profe visa fomentar a iniciação à docência e contribuir para o aperfeiçoamento da formação de professores em nível superior e para a melhoria da qualidade da educação básica pública brasileira. Além de estimular práticas inovadoras, o Programa contribui para a valorização da carreira docente e para as condições de permanência e êxito dos estudantes dos cursos de licenciatura da Instituição.

Somos comunidade

Ainda em se tratando da formação de professores, o Programa Institucional de Cursinhos Populares é uma ação de extensão que, por um lado, propicia a formação acadêmica, cultural e política de jovens e adultos e, por outro, contribui para que os estudantes dos cursos de Licenciatura do IFSP tenham a oportunidade de praticar docência. No ano passado, a Pró-reitoria de Extensão (PRX) promoveu o V Encontro dos Cursinhos Populares. O evento foi um momento de formação e de socialização das equipes de bolsistas e coordenadores dos projetos que compõem o Programa.

Joyce Cristina Jukoscki Gonçalves é aluna de Letras, do Câmpus Sertãozinho, e foi bolsista do Cursinho Popular em 2019. Ela conta que ser educadora no projeto acrescentou muito à sua formação; Joyce diz que se sente grata, não apenas por ajudar as pessoas a ingressarem na universidade, mas por contribuir para que compreendam o seu papel na sociedade.

“A experiência no cursinho tem sido maravilhosa, por me proporcionar contato com a docência durante o meu curso. Isso faz com que eu consiga ter uma grande oportunidade de me aprofundar e de elaborar os materiais que eu vou ensinar."

Além disso, segundo ela, a experiência trouxe tranquilidade para atuar na área e a certeza de que quer ser professora.

“Este ano é o meu último ano e, por isso, eu espero que tenha ainda mais aprendizados, pois o IFSP me deu a oportunidade de ter uma formação totalmente completa e crítica”.

Como educadora do cursinho, Joyce diz que pretende que essa experiência continue contribuindo ainda mais para a sua formação profissional, dando-lhe mais alegrias ao ver o sucesso de seus alunos.

Em 2019, a pró-reitoria de Extensão realizou, ainda, um encontro inédito das estudantes do Programa Mulheres do IFSP, que tem como foco a formação profissional de mulheres, visando ao seu ingresso no mundo do trabalho. O programa se propõe a fortalecer temas relacionados a cidadania, autoestima e combate à violência contra a mulher. A PRX também lançou, no final do ano, seis editais de fomento para atividades de extensão a serem realizadas 2020, que contemplam os programas Mulheres do IFSP, Cursinhos Populares e Economia Solidária, além de outros editais de fluxo contínuo.

Imagens do Primeiro Encontro de Mulheres IFSP e de atividades do programa. Acervo PRX/IFSP.

Um importante processo iniciado em 2019, que deve avançar significativamente em 2020, é a creditação curricular da Extensão, que significa integrar o processo formativo do estudante de graduação à prática de atividades de extensão a ser desenvolvidas por meio de projetos e programas. Em abril do ano passado, as pró-reitorias de Extensão e de Ensino realizaram, conjuntamente, o Seminário de Creditação da Extensão. Na ocasião, uma minuta regulamentando todo o processo foi elaborada com contribuições de toda a comunidade. As contribuições estão sendo compiladas e devem compor uma nova minuta que será apreciada pelos órgãos colegiados de Extensão e Ensino (Conex e Conen), antes da apreciação definitiva do Conselho Superior (Consup), que deve ocorrer ainda no primeiro semestre de 2020.

Destino: o futuro

Na Pesquisa, o ano de 2019 foi de foco principalmente nas regulamentações internas, o que permitirá que a partir de 2020 o IFSP consiga ir além.

Apesar das restrições orçamentárias, a Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRP) garantiu a realização do Congresso de Inovação Ciência e Tecnologia (Conict), que teve mais de 670 trabalhos apresentados, e do Congresso de Pós-Graduação (Conpog), que contou com 86 trabalhos aprovados. A PRP ainda garantiu auxílio na casa de R$ 150 mil para a participação de estudantes do ensino básico e de graduação no Conict, por meio do edital nº 650/19. Os recursos atenderam mais de 400 estudantes.

Painel de apresentação de projetos no 10º Conict. Acervo PRP/IFSP.

Também foi o auxílio financeiro garantido pelo Instituto que possibilitou o custeio da viagem do aluno do curso técnico em Informática do Câmpus Cubatão, Vitor Hugo Xavier dos Santos Arruda, para participar do Programa TrepCamp, que capacitou jovens empreendedores em um treinamento de três semanas em Nova Iorque. O jovem foi um dos 500 selecionados, entre 30 mil candidatos do mundo todo, para participar do Programa

Vitor levou a sua ideia de desenvolver um método para a detecção de câncer cerebral para o TrepCamp. Antes disso, chegou a dedicar 15 horas de estudo e pesquisa por dia para apresentar o projeto nos Estados Unidos. O resultado veio logo: ele foi premiado como jovem inovador e melhor participante do Programa. Além disso, o grupo do qual fez parte durante o treinamento foi premiado com o melhor projeto. E qual foi o projeto? Um capacete que utiliza ondas eletromagnéticas para a detecção do câncer cerebral, proposto por Vitor.

Vitor Hugo, aluno premiado como jovem inovador e melhor participante do Programa TrepCamp. Acervo PRP/IFSP.

A ideia de desenvolver um método para detecção de câncer surgiu enquanto o estudante acompanhava o trabalho de Iniciação Científica de um grupo de alunos de graduação do Câmpus Cubatão, coordenado pelo professor Alexandre Maniçoba. Agora a ideia ganhou o mundo. O primeiro capacete já está sendo desenvolvido em parceria com estudantes de outros países e os convites para apresentar o projeto em eventos pelo mundo não param de surgir.

O caso de Vitor é só um exemplo das possibilidades que a Iniciação Científica (IC) abre aos estudantes. Pensando nisso, em 2019 a gestão atendeu às solicitações, vindas dos câmpus, de complementação de recursos orçamentários para as bolsas de IC. O valor descentralizado no ano para garantir as bolsas foi de aproximadamente R$ 130 mil. Ao todo, o IFSP oportunizou 465 bolsas de Iniciação Científica com recursos próprios.

É hora de inovar!

Não podia ser diferente: 2019 foi um ano de dificuldades orçamentárias também para a Agência de Inovação do IFSP (Inova). Por outro lado, as contrapartidas provenientes de empresas parceiras do Instituto na execução de projetos de pesquisa e inovação deram à Inova um fôlego maior na parte financeira. A Agência captou R$ 780 mil em recursos externos, sendo R$ 330 mil deles provenientes dos dois editais de inovação lançados durante o ano. Recursos próprios garantiram as bolsas dos alunos envolvidos nos projetos — vale lembrar que todos os projetos envolvem a participação de alunos da Instituição —, para os quais foram destinados R$ 214 mil.

Criada em 2017, a Inova está cada vez mais confortável no papel de indutora de desenvolvimento regional nas localidades onde há câmpus do IFSP. E a ideia é essa mesmo: que o Instituto consiga contribuir com a sociedade por meio de sua produção científica, tecnológica e de inovação. E como isso vem acontecendo? Em grande parte, por meio de parcerias bem-sucedidas com os Arranjos Produtivos Locais (APLs).

Um exemplo prático está bem na frente do Câmpus São Paulo. Quem visita o prédio da escola, no Pari, provavelmente já sentiu um cheiro de bolacha assando no ar. Esse cheiro vem da fábrica Biscoitos Bela Vista, que, apesar de estar na região há mais de 60 anos, era uma quase total desconhecida do IFSP até o fim de 2017, quando o professor Alexandre Brincalepe, coordenador do Laboratório de Controle Aplicado (LCA) do Câmpus São Paulo, iniciou uma aproximação com a empresa. Essa aproximação resultou em sua participação no I Edital de Inovação do IFSP, com a proposta de que o Instituto fizesse a modernização de um dos fornos da fábrica. O projeto com coordenação de Brincalepe, finalizado em 2019, envolveu um aluno bolsista e um aluno contratado como estagiário pela Bela Vista, e teve o aporte financeiro de R$ 15 mil da empresa. A modernização do forno agradou tanto que o dono da fábrica a colocou à disposição para funcionar como um “laboratório” do IFSP. Desde então a parceria deslanchou, e já há outros projetos sendo realizados em conjunto. Essa é só uma amostra de como o Instituto tem atuado como facilitador de transferência de tecnologia, fazendo com que a produção científica e tecnológica desenvolvida aqui dentro ultrapasse os muros e contribua com o desenvolvimento regional.

À esquerda: professor Brincalepe e dono da fábrica de biscoitos Bela Vista. À direita: forno modernizado, resultado da aproximação entre o Instituto e a empresa. Acervo Inova/IFSP.

Por falar em transferência de tecnologia, em 2019 o Instituto celebrou o primeiro contrato desse tipo. A ação se deu entre o Câmpus Bragança Paulista a empresa Nautilus, que procurou a Instituição com o objetivo de desenvolver um novo produto para ser lançado no mercado: um sistema automatizado para controle de piscinas. O projeto foi viabilizado por meio de uma chamada da CNPq, que garantiu o financiamento de bolsas para pesquisadores e estudantes. Durante dois anos, a equipe coordenada pelo professor João Moro desenvolveu o “Sistema de Automação de Piscinas”, que controla, por meio do celular, computador ou tablet, funções como aquecimento, bombas, iluminação e cascata da piscina, além de permitir o agendamento dessas funções e o monitoramento a distância da temperatura da água. Como contrapartida, o IFSP recebeu um sistema de controle de acesso no valor de R$ 25 mil, além de equipamentos e material de consumo no valor de R$ 20 mil. A parceria proporcionou também a capacitação e formação de professores e estudantes, sendo que um dos estudantes se tornou funcionário da empresa.

Em 2019, a Inova lançou vários editais. Além das duas edições do Edital de Inovação, foram lançados o edital de indicação geográfica, o edital de Aceleração de Polo de Inovação e as chamadas públicas para licenciamento de tecnologia e para projetos cooperados de pesquisa e prestação de serviços tecnológicos. O ano teve ainda o 3º Desafio de Inovação, que desde a primeira edição vem registrando aumento expressivo no número de participantes.

A invenção é nossa

Foi também em 2019 que a Inova realizou o primeiro pedido de patente em consonância com a portaria nº 1029/2018, que passou a priorizar pedidos que venham acompanhados de interesse expresso de uma empresa em licenciar a patente, ou seja, em que haja um interesse na comercialização do produto. A primeira invenção depositada nesses moldes foi a “Garra robótica complacente baseada em câmaras de compressão”, desenvolvida no LCA, sob a coordenação do professor Brincalepe. Essa garra é capaz de pegar objetos com muito mais leveza, o que permitiria, por exemplo, colher morangos com ela sem estragá-los. Para Brincalepe, a invenção é só uma demonstração do potencial científico e tecnológico do IFSP, local onde há espaço para o desenvolvimento de um projeto inovador — que ninguém nunca fez no mundo inteiro — e comercializável, gerando assim benefícios diretos para toda a sociedade. Ele explica, ainda, que o inédito chamamento público para licenciamento de tecnologia, lançado pela Inova em dezembro, possibilitará que o interesse em comercializar a Garra seja materializado e que, dessa forma, em um futuro breve, ela entre no mercado.

Protótipo da "Garra robótica complacente baseada em câmaras de compressão”, desenvolvida no LCA, sob a coordenação do professor Brincalepe. Acervo Inova/IFSP.

Ainda no ano passado, o IFSP, por meio da Inova e da Assessoria de Relações Internacionais (Arinter), estabeleceu os alicerces para a implantação de cursos técnicos em Automação Industrial com base no modelo dual australiano, que se baseia em fornecer aos estudantes habilidades e qualificações necessárias para inseri-los no mercado de trabalho. As primeiras turmas do curso terão início em 2021, nos câmpus Suzano e Bragança Paulista. A iniciativa de trazer o modelo está em total consonância com a lei de criação dos institutos federais, que diz que essas instituições devem estar próximas aos APLs. Mas não se trata de um simples atrelamento de um curso às necessidades do mercado, mas sim do fomento de oportunidade de empregabilidade como forma de aumentar a permanência e o êxito dos alunos nos cursos. O aumento da relação entre teoria e prática é uma forma de contribuir para tornar o aluno protagonista de sua trajetória de apropriação do conhecimento aliado à concretude do mercado de trabalho. A parceria entre escola e “chão de fábrica” beneficia o aluno, a instituição, o setor produtivo e a sociedade.

Servidor bom é servidor valorizado

O ano de 2019 terminou com a publicação da nova política de desenvolvimento de pessoal, no dia 19 de dezembro. O documento vem para atender às demandas do IFSP e as mudanças na legislação federal.

A nova política atualiza, entre outras coisas, as regras para capacitação e qualificação dos servidores técnicos-administrativos e docentes: a partir de sua publicação, o afastamento para qualificação (mestrado, doutorado e pós-doutorado) dos servidores se dará por processo seletivo, tanto para docentes quanto para técnicos. Até a publicação do documento, os técnicos administrativos afastavam-se por meio de fluxo contínuo. O edital para afastamento deve ser lançado nos primeiros meses de 2020.

O documento estabelece, ainda, que o servidor terá direito à licença de até 90 dias para capacitação. A política também trata das capacitações interna e externa. Há, inclusive, previsão de pagamento de diárias e passagens e de taxas de inscrição em cursos e eventos para que os servidores possam participar de ações de capacitação externa.

Ainda pensando na capacitação do servidor, e também na internacionalização do IFSP, em 2019 a Gestão de Pessoas e a Arinter selecionaram, por meio de edital, docentes e técnicos administrativos interessados em fazer um curso de imersão em língua inglesa no Canadá. Os servidores selecionados arcaram com os custos do curso; como contrapartida, puderam se afastar de suas atividades no IFSP sem prejuízo da remuneração, durante todo o período do curso. Em Toronto por quatro semanas, os participantes tiveram aulas diárias de inglês e participaram de atividades culturais em diferentes locais da cidade.

Servidores participantes de curso de imersão em língua inglesa no Canadá. Acervo Arinter/IFSP.

Em 2019, o registro de ponto eletrônico dos servidores técnico-administrativos passou a ser realizado via Sistema Unificado de Administração Pública (Suap). A migração trouxe ganhos como a integração entre sistemas, o que aumenta a eficiência e diminui a possibilidade de erros. Também proporcionou mais facilidade e transparência no acesso às informações por parte dos servidores, que agora podem, por exemplo, verificar no Suap o horário do seu registro de entrada assim que ele for feito.

Tecnologia a nosso favor

Falando em Suap, além do registro de frequência, o sistema ganhou várias novas funcionalidades em 2019, o que facilitou a vida de servidores e estudantes. Entre as funcionalidades criadas destacam-se a implantação dos módulos Cartório Digital, Plano Individual de trabalho Docente e Relatório Individual de trabalho Docente.

Com o Cartório Digital, todo o fluxo para registro, emissão e validação de diplomas e certificados passa a estar disponível no Suap, trazendo maior agilidade e integração de dados. A mudança na certificação do Encceja se destaca: antes o fluxo compreendia solicitação, aprovação, impressão, assinatura manual, logística para a distribuição para os câmpus e armazenamento até a retirada pelo candidato. Agora, o próprio candidato pode solicitar o certificado na internet e, em algumas horas, imprimi-lo. Com isso, houve uma drástica redução no período de espera para que o candidato possa ter em mãos o seu certificado. E também uma grande economia de dinheiro para o IFSP, que antes tinha de arcar com custos diretos de todo o fluxo e com o valor do contrato da empresa que emitia os certificados. O IFSP emite, em média, cerca de 1.100 certificados por mês.

Já os módulos Plano Individual de Trabalho Docente (PIT) e o Relatório Individual de Trabalho Docente (RIT) relacionam as atividades planejadas e executadas ao longo do semestre letivo pelos docentes. A integração e centralização desses documentos no Suap trouxe mais eficiência e transparência às ações executadas pelo IFSP.

Para 2020, o objetivo principal será a consolidação do que vem sendo implantado nos últimos anos nos módulos Acadêmico e Administrativo do Suap.

JIF 2020

Em 2019, a atual gestão “brigou” — e saiu vitoriosa — no Conif pela candidatura do IFSP à sede dos Jogos dos Institutos Federais (JIF) de 2020. O empenho é uma demonstração dos esforços que a Instituição tem feito em construir políticas fortes de inserção dos alunos a práticas esportivas. Nesse sentido, mesmo com todas as restrições orçamentárias, o Instituto conseguiu garantir a participação dos estudantes no JIF de 2019. E eles não decepcionaram: voltaram para casa com 24 medalhas, garantindo o 2º lugar no quadro geral da competição.

A edição de 2020 será a estreia do IFSP como anfitrião dos Jogos, e vai acontecer de 17 a 21 de novembro, em São José do Rio Preto. Ainda em 2019, a cidade recebeu a visita técnica da Comissão Organizadora do JIF para conhecer os espaços esportivos locais e pensar como serão distribuídas as disputas das 11 modalidades a serem disputadas.

Created By
Instituto Federal
Appreciate

Credits:

Criado com imagens de TeroVesalainen - "thought idea innovation" • MetsikGarden - "desktop food color"