Loading
Belo Horizonte, 07 de outubro de 2020. Edição nº 02
As campanhas eleitorais são, hoje, o palco e o momento preferido para a divulgação de notícias falsas. A “chuva de mentiras” passou a ser arma eleitoral ameaçando reputações, disseminando notícias sem fundamento e até mesmo alterando o resultado das eleições. Nessa edição, a revista LINK 45 se dedica a “condenar” essa prática e a “vacinar o eleitor” contra esse vírus extremamente nocivo na atividade política e na vida em sociedade. Já já vamos voltar a este assunto. Agora vamos ler a palavra do Presidente do PSDDB/MG e saber as notícias da campanha eleitora que começou para valer com debates e grande movimentação.
Eleições 2020

O PSDB DECOLA COM 5.213 CANDIDATOS A PREFEITO E VEREADOR EM MINAS GERAIS

PARTIDO É O QUARTO EM MINAS EM NÚMERO DE CANDIDATOS

MAIS VIVO QUE NUNCA, O PSDB ENTROU NA PISTA DE DECOLAGEM DAS ELEIÇÕES DESSE ANO COM CARGA PESADA. O SEU EXÉRCITO DE CANDIDATOS A PREFEITOS, VICE-PREFEITOS E VEREADORES SOMAM 5.213. SÃO 190 CANDIDATOS A PREFEITO, 180 CANDIDATOS VICE-PREFEITOS E 4.832 CANDIDATOS A VEREADORES.

O PARTIDO VAI DISPUTAR 17 DAS 50 MAIORES CIDADES DE MINAS GERAIS

EM SETE MUNICÍPIOS DE MUNICÍPIOS DE MINAS GERAIS, O PSDB VAI DISPUTAR AS ELEIÇÕES COM “CHAPA PURA”. NESSA LISTA, ESTÁ INCLUÍDA A CAPITAL BELO HORIZONTE, ONDE O PARTIDO SE APRESENTOU COM UMA CANDIDATURA FEMININA MUITO PROMISSORA: A TÉCNICA LUÍZA BARRETO QUE TEM COMO VICE-PREFEITO JUVENAL ARAÚJO.
CONFORME MOSTRA O QUADRO ACIMA, EM CINCO CIDADES O PARTIDO TEM CANDIDATO A PREFEITO (ALGUNS CONCORREM À REELEIÇÃO) E OUTRAS CINCO TEM CANDIDATOS A VICE-PREFEITO.

Em BH, muitos candidatos participaram do primeiro debate pela televisão, que aconteceu na noite de quinta-feira, dia 27. Luiza Barreto representou - e muito bem - o PSDB. O destaque foi a ausência do atual prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil.

SEGUindo A TRADIÇÃO, BAND OFICIALIZA O INÍCIO DA CAMPANHA COM DEBATES

Formação política

Os cursos do PSDB/MG e do ITV para nossos candidatos já começaram. Veja o vídeo abaixo:

DE VOTA ÀS FAKE NEWS.....

A POLÍTICA E AS NOTÍCIAS FALSAS

As campanhas eleitorais são, hoje, o palco e o momento preferido para a divulgação de notícias falsas. A chuva de “mentiras” passou a ser arma eleitoral, ameaçando reputações, disseminando notícias sem fundamento e até mesmo alterando o resultado das eleições. Nessa edição, a revista Link 45 se dedica a “condenar” essa prática e a “vacinar o eleitor” o contra esse vírus extremamente nocivo na atividade política e na vida em sociedade

Você está preparado para falsas notícias?

Aguarde... vem aí uma chuva de fake news

Apesar de parecer recente, o termo fake news, ou notícia falsa, em português, é mais antigo do que aparenta. A expressão é usada desde o final do século XIX. O termo é em inglês, mas se tornou popular em todo o mundo para denominar informações falsas que são publicadas, principalmente, em redes sociais.

Fake News inundam as redes sociais

Não é de hoje que mentiras são divulgadas como verdades. as redes sociais tornaram-se o ambiente propício para as fake news. Todos e qualquer um podem criar notícias falsas e espalhá-las como verdadeiras.

Campo fértil nas eleições

A imprensa internacional começou a usar com mais frequência o termo fake news durante a eleição de 2016 nos Estados Unidos, na qual Donald Trump tornou-se presidente.
Na época em que Trump foi eleito, algumas empresas especializadas identificaram uma série de sites com conteúdo duvidoso. A maioria das notícias divulgadas por esses sites explorava conteúdos sensacionalistas, envolvendo, em alguns casos, personalidades importantes, como a adversária de Trump, Hillary Clinton.
As fake news atingiram um patamar de organização criminosa. Hoje elas aparecem em escala industrial como ferramenta política para atingir objetivos escusos de determinados grupos políticos. Esses grupos falam às massas de maneira anônima, direcionam corações e mentes para suas causas e manipulam o entendimento do eleitor. Além disso o público constantemente alimentado com ideias que não correspondem aos fatos.

Não caia no “Conto do Vigário"

Nesse ambiente as fake news instigam a construção de uma realidade paralela, incitando preconceitos, radicalismos, polarização, simplismo e desinformação. O QUE SE VÊ É:
Muita desinformação, como imagens no contexto errado, áudios com teorias conspiratórias, fotos manipuladas, pesquisas falsas;
Ataques à imprensa tradicional, como capas falsas de revistas;
checagem de notícias que, de fato, eram verdadeiras;
Imagens que fomentam o ódio a LGBTs e ao feminismo;
Uma "guerra cultural" organizada, com ataques sistematizados a artistas em redes sociais
Áudios e vídeos de gente comum ou de gente que se passa por gente comum, mas com identidade desconhecida, dando motivos para votar em um candidato.

NA DÚVIDA, NÃO COMPARTILHE

Não repassar notícias suspeitas é uma maneira de combater as fake news. Antes de repassar qualquer assunto, verifique quem assina a publicação. Certifique-se de que são fontes confiáveis. Sobre este tema o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) preparou este vídeo de orientação.

ENCONTROU ALGUMA MENTIRA SOBRE CANDIDATOS DO PSDB? DENUNCIE!!! ACESSE ESTE LINK ABAIXO , QUE É OFICIAL DO PSDB PARA DELTAR NOTÍCIAS FALSAS.

PSDB/MG ALERTA SOBRE RISCOS JURÍDICOS NO CASO DE FAKE NEWS NAS CAMPANHAS

Advogado e consultor jurídico do PSDB-MG, André Myssior, dá dicas a eleitores e candidatos sobre COMO PROCEDER DIANTE DE uma notícia suspeita. Criar, divulgar e/ou repassar (propositadamente) Fake News é crime com punição prevista em Lei. Veja no vídeo abaixo o que diz o dr. André Myssior.

ATÉ O PRESIDENTE DE HONRA do PSDB, FERNANDO HENRIQUE, JÁ FOI VÍTIMA DE FAKE NEWS.

COM A PALAVRA, O EX-PRESIDENTE DO BRASIL, FHC

É possível contar uma página da história do Brasil por meio da trajetória dele, que está completando 90 anos em junho de 2021. Estamos falando do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, presidente de Honra do PSDB Nacional. Em entrevista no início desta semana para a TV Cultura, FHC falou sobre reeleição, a situação dos partidos no Brasil, política econômica, drogas, mídia sociais e Fake News.

Veja na íntegra a entrevista DE FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

Qual a origem da palavra ELEIÇÃO?

A palavra “eleição” tem a sua origem no latim “ELECTIO”, de “ELIGERE”, que por sua vez é formado pelo prefixo EX- (‘fora’) e pelo radical -LEGERE (‘catar’, ‘escolher um fruto da árvore’). Portanto, eleger algo/alguma coisa significa extraí-la de seu universo (‘conjunto’) – como se faz quando se cata grãos de feijão de um saco.
Embora provenha do latim, e o português seja uma língua latina, o vocábulo ‘eleição’ não existia no português arcaico. Posteriormente, por via culta, um falante – em algum momento da Idade Média – cunhou a palavra por verossimilhança com a correspondente latina.

Afinal, o que querem os eleitores?

Polarização política, crise econômica, desemprego e pandemia serão os temas mais debatidos das eleições deste ano. Perguntamos a alguns políticos qual a opinião deles sobre os principais anseios dos eleitores. A Revista Link 45 ouviu o Deputado Estadual Antônio Carlos Arantes e o candidato a vice-prefeito de Belo Horizonte pelo PSDB, Juvenal Araújo, respectivamente. Saiba o que eles disseram nos vídeos abaixo.