Redação publicitária na WEB Neide Ap. Arruda de Oliveira

MÓDULO 2

Linguagem e Persuasão: a arte de convencer

A tradição retórica

Praticando um certo conceito de democracia, e tendo de expor publicamente suas ideias, ao tribuno grego cabia manejar com habilidade as estratégias argumentativas com a finalidade de lograra persuasão dos auditórios. Daí a tradição retórica dos sofistas, aqueles que iam às praças públicas, tentando inflamar multidões, alterar pontos de vista, mudar conceitos pré-formados. Diógenes, Quintiliano e Górgias foram alguns desses nomes que ficaram conhecidos pela habilidade com que encaminhavam seus discursos de convencimento. Nos dias atuais, a retórica ganhou papel de relevância na análise do discurso. Fala-se em retórica do filme, retórica da publicidade, do vídeo, etc. (CITELLI, 2005).

Os pensadores gregos de Sócrates a Platão escreveram sobre o assunto, porém é com Aristóteles que a estrutura do discurso será dissecada revelando-se como funcionava em suas unidades compositivas voltadas a produzir persuasão. Aristóteles (384-322 a.C) trouxe à luz um livro que permanece até hoje “A arte retórica”. (CITELLI, 2005).

Não se deseja confundir retórica com persuasão. Cabe a retórica verificar quais procedimentos utilizados para fazer algo ganhar a dimensão de verdade. Isso nos autoriza a deduzir que retórica não é persuasão; a retórica pode revelar como se faz persuasão. A retórica é analítica (descobrir o que é próprio para persuadir).

Citelli (2005) afirma que a estrutura do texto persuasivo segundo Aristóteles, ainda está na maneira como aprendemos a escrever, o modo como os livros didáticos de redação ensinam aos alunos os procedimentos a serem utilizados para a elaboração de textos, ainda seguem muito de perto a estrutura sugerida por Aristóteles na Arte retórica.

Citelli (2005) cita as fases dos discursos retóricos:

  • Exórdio = é o início do discurso, é a introdução. Ex.: Discurso de padre “Caríssimos irmãos”
  • Narração = é propriamente o assunto, o desenvolvimento. Ex: “Deus é senhor e misericordioso, por isso pode perdoar os pecadores que buscam a remissão de faltas e a correção dos erros. Só Deus pode nos salvar”.
  • Provas = é a parte persuasiva, o argumento (exemplo, citação, enumeração). Ex: Vejam o caso daquele pescador que após ter rezado com profunda crença obteve a graça de ser trazido para o bom caminho.
  • Peroração = epílogo, a conclusão. Ex: Sigam Deus.

A persuasão também utiliza vários tipos de raciocínios, alguns desses raciocínios estão conectados com situações próximas do nosso cotidiano

  • Raciocínio Apodítico-é a verdade inquestionável.

Ex: Zupavitin, a sopa que emagrece 1 quilo por dia.

  • Raciocínio Implícito- subentende-se a ideia que não dá margem à discussão.

Ex: Se você quer emagrecer, deve tomar Zupavitin

  • Raciocínio dialético – falsa ideia de liberdade.

Ex: Você poderia comprar várias marcas de sabão em pó. Mas há uma que lava mais branco.

  • Raciocínio retórico – emotivo

Ex: No Dia das mães não se esqueça de passar na joalheria. Afinal, quem mais do que a sua mãe para merecer um presente de valor?

Citelli (2005) apresenta os tipos de raciocínios que passam por 3 fases:

  • Premissa maior : As mais belas mulheres usam Lux.
  • Premissa menor:Você é (ou quer ser) uma bela mulher.
  • Conclusão: Você deve usar Lux (assim será tão bela como as atrizes célebres que emprestam seus rostos para acompanhar o slogan.

A propaganda usa alguns recursos para obter adesão dos receptores.São eles:

  • uso dos estereótipos.Ex: o rico, o pobre...
  • a substituição de nomes.Ex: Palha de aço=Bombril...
  • Criação de inimigos.Ex:O sabão em pó contra a sujeira, pasta dental contra a cárie, remédio contra a dor...
  • Apelo à autoridade.Ex: Citações, testemunhos de pessoas respeitadas no assunto...
  • Afirmação e repetição.”Uma mentira repetida muitas vezes torna-se verdade” (Goebels).Ex:Experimenta(Schinchariol-Nova Schin), Compre Batom...

Mas afinal o que é persuasão?

Existem vários graus de persuasão: alguns mais, outros menos visíveis, outros mais ou menos mascarados. Generalizando: é muito difícil rastrearmos organizações discursivas que escapem à persuasão.

Como fugir da persuasão?

1- Persuadir não é sinônimo imediato de coerção ou mentira;

2- Para existir persuasão é necessário que certas condições se façam presentes.

Created By
Maria Beatriz Cruz
Appreciate

Report Abuse

If you feel that this video content violates the Adobe Terms of Use, you may report this content by filling out this quick form.

To report a Copyright Violation, please follow Section 17 in the Terms of Use.